Em petrobras

Ação da Petrobras pode dobrar de valor se empresa for privatizada, aponta Bradesco BBI

Apesar de poucos detalhes sobre o plano do governo, analistas comentaram notícia de que atual governo planeja privatizar a companhia

Petrobras
(Shutterstock)

SÃO PAULO - Na tarde de quarta-feira (21), o jornal Valor Econômico publicou uma matéria afirmando que a equipe econômica planeja privatizar a Petrobras (PETR3; PETR4) até o fim do atual governo, cujo mandato se encerra em 2022, levando as ações da estatal a dispararem mais de 5%.

Durante coletiva de imprensa no fim do dia, o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, indicou que existem estes planos, mas que a petrolífera ainda não foi incluída nos projetos porque o Ministério de Minas e Energia ainda está fazendo estudos sobre a privatização da empresa.

Apesar de não existir muitas informações sobre como a desestatização ocorreria, se seria da holding ou apenas de alguma área específica, a equipe de analistas do Bradesco BBI emitiu uma análise, afirmando que se a notícia estiver correta, "haveria uma lista de possíveis compradores para esse atraente ativo de classe mundial", que incluiria companhias petrolíferas, agentes financeiros e players do mercado.

"Qualquer comprador estratégico com um balanço sólido e apetite para crescer nas regiões do pré-sal (ou seja, players que já participaram de licitações no pré-sal) podem ser compradores em potencial", avaliam os analistas.

Segundo o Bradesco, o formato para privatizar a Petrobras provavelmente envolveria a unificação das ações ordinárias, com direito a voto, em uma proporção acordada entre o governo federal (que tem 28,7% do total de ações e 50,3% das ON) e o BNDES (que hoje possui 13,9% do total de ações e 10% dos papéis ON). 

Os analistas vão além e fazem um estudo de quanto poderia valer a petrolífera se ela fosse totalmente privatizada. Considerando uma análise de fluxo de caixa descontado, com uma taxa de desconto de empresa privada de 7,5% em dólar, eles acreditam que as ações preferenciais da Petrobras poderiam valer entre R$ 50 e R$ 55, o que representa um potencial de alta de 97% a 116% sobre o atual valor dos papéis, de R$ 25,45.

Com esta análise, a empresa passaria a ter um múltiplo EV/Ebitda (valor de mercado da empresa sobre sua geração operacional de caixa) de 2020 de cerca de 6,5 vezes, com um leve desconto para a Exxon, sem incluir um aumento de eficiências de custo, que segundo eles poderia ser significativo.

Preocupações
Apesar dos cálculos animadores, os analistas do Bradesco BBI apontam para três fatores que levantam dúvidas sobre a viabilidade da privatização da Petrobras.

O primeiro envolve a aprovação pelo Congresso, já que a desestatização da petrolífera precisaria de uma emenda constitucional com maioria absoluta. "Isso por si só já representaria um desafio político significativo para o governo e poderia levar vários anos de discussões acaloradas", avaliam.

Outra questão é o fato de que já estaria ocorrendo uma "privatização indireta" da empresa por conta da venda de ativos que tem ocorrido desde 2016 com Pedro Parente. "Questionamos até que ponto essa mentalidade realmente mudou dentro do governo a ponto de ele querer abrir mão da maioria das ações ordinárias", aponta o Bradesco.

Por fim, há a avaliação de que o governo poderia levantar muito capital apenas com a venda da participação do BNDES na petrolífera. Apenas com este movimento, poderiam ser levantados cerca de R$ 48 bilhões, evitando assim que a Petrobras toda fosse privatizada.

Seja sócio das melhores empresas da Bolsa: abra uma conta na Clear com taxa ZERO para corretagem de ações

 

Contato