XP Investimentos

OFERECIDO POR
Conteúdo Patrocinado

Como saber se sua empresa está adequadamente endividada?

No dia-a-dia do processo de análise e no seu acompanhamento gerencial do endividamento, dar um primeiro passo é fundamental. Comece acompanhando esses indicadores básicos. Já será um bom ponto de partida. 

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores
endividamento da empresa

Durante o processo de avaliação de crédito de uma empresa, o uso de alguns indicadores simples para avaliar se sua empresa tem boas chances de honrar suas obrigações é senso comum entre os analistas. Mas como saber se a sua empresa está adequadamente endividada?

É importante que o empresário médio os conheça. Desmistificá-los pode ajudar a entender de que modo sua empresa pode encontrar um endividamento mais saudável. 

Pretendo também mostrar um ou outro ponto que considero generalizações nos processos de análise. Cabe a ressalva de sempre sobre as generalizações: quase sempre são opções que simplificam as análises, mas que naturalmente deixam particularidades de um outro negócio de lado; e o diabo costuma estar nos detalhes. 

=> Receba o contato de um dos assessores da XP Empresas 

Indicadores de endividamento 

Os mais comuns indicadores de endividamento encontrados na literatura são os indicadores de endividamento geral ou EG (Dívida total/Passivo total) e Composição do Endividamento ou CE (Dívida de Curto Prazo/Dívida Total).  

Analistas de crédito pouco os observam para avaliar sua capacidade de obtenção de empréstimos. Não quero dizer que são descartáveis, mas eu diria que eles apenas ajudam a formar um pano de fundo de sua empresa.  

Existem muitos outros indicadores que podem auxiliá-lo a obter uma visão analítica mais ampla, mas não vou – em nome da simplificação – exauri-los nesse texto. A rigor, podemos ir mais diretamente ao ponto. 

Indicadores financeiros menos conectados à sua capacidade de geração de caixa falam muito pouco a um analista externo e a você mesmo sobre sua capacidade de enfrentar passivos onerosos no curto ou longo prazo. 

Para avaliar a capacidade de pagamento de uma empresa, os olhos costumam se voltar a um grupo mais restrito de indicadores. São indicadores amplamente utilizados no mercado.  

Portanto, sua empresa será objeto de comparação constante com peers (empresas de mesmo setor) e com alguns padrões pré-estabelecidos e aceitáveis para esses indicadores.  

Desta maneira, eles funcionam como grandes funis no processo de análise. Avaliá-los recorrentemente e exibi-los em seus relatórios periódicos pode sinalizar boa prática gerencial. 

LEIA TAMBÉM: 7 dicas de gestão financeira e relacionamento com credores para médias empresas

Veja dicas simples para economizar capital de giro em empresas de pequeno e médio porte

A vez dos fundos de crédito

Vamos falar de dois indicadores bem básicos e amplamente utilizados: 

  1. Índice de Cobertura de Juros ou do Serviço da Dívida (ICSD): EBIT (ou EBITDA) / Despesas Financeiras (ou Resultado Financeiro)
  2. Dívida Líquida/EBITDA (comumente chamado de índice de endividamento)

O índice de cobertura de juros pode ser facilmente calculado extraindo o EBIT (acrônimo para a expressão em inglês earnings before interests and taxes) diretamente da DRE.  

O EBIT equivale ao lucro antes do resultado financeiro. Caso queira utilizar o EBITDA (acrônimo para a expressão earnings before interests, taxes, depreciation and amortization), calcule o LAJIDA em bom português, logo some ao EBIT a depreciação e amortização. Na sequência, divida esse número por suas despesas financeiras com juros. 

O objetivo deste indicador é medir sua capacidade de enfrentar a dívida, já que é uma boa aproximação para isso. É, contudo uma simplificação.  

Tecnicamente, o mais correto seria que o numerador contivesse o fluxo de caixa operacional, mas isso fica para uma outra história. 

Na prática, o indicador funcionaria para empresas que não tivessem dificuldades de rolar seu passivo infinitamente. Sua intenção seria avaliar estritamente sua capacidade de pagar os encargos da dívida.  

Na realidade, sabemos que especialmente em empresas de médio porte no Brasil isso não é observado 

Assim, no mundo real, ele funciona como um primeiro requisito. ICSDs menores que 1 indicam a incapacidade da empresa pagar os juros de suas dívidas durante o exercício analisado. Isso é razoavelmente grave. E normalmente acende um alerta vermelho em suas avaliações de crédito. 

Como analisar os indicadores na prática 

Como gestor financeiro, caberá a você tomar algumas medidas agudas relacionadas ao custo e ao perfil de seu endividamento.  

Dificilmente diante deste cenário as medidas operacionais de curto prazo serão suficientes para sanar o problema apresentado. Fato é que você necessitará reduzir o denominador da razão acima. Não tem jeito. 

O indicador de Dívida Liquida/EBITDA é, de fato, o maior balizador para concessões de crédito e, portanto, para aferição de sua capacidade de repagamento de dívidas.  

A sua lógica é bem simples: gera um múltiplo que aponta o número de exercícios necessários para que você amortize o principal de sua dívida, descontado o caixa disponível.  

Existem muitos benchmarks disponíveis, dado que os números das companhias abertas são amplamente divulgados e conhecidos.  

Um múltiplo incompatível com o prazo médio de suas dívidas dá sinal claro de que elas precisarão ser reperfiladasCom isso, sua geração de caixa é incompatível com seu atual nível de endividamento.  

Evidentemente, a trajetória futura de seu fluxo de caixa pode dar demonstrações distintas – para o bem e para o mal. Tudo depende da projeção de seu fluxo de caixa. 

Por si só, este indicador é uma simplificação. O EBITDA é uma aproximação da geração de caixa. E o uso da dívida líquida é um paradigma que considero equivocado em muitas situações. Uma análise um pouco mais detalhada deveria reintroduzir o caixa no indicador. 

Aos analistas menos experimentados, sugiro avaliar a liquidez das empresas avaliadas, apenas como um primeiro filtro. Empresas com liquidez corrente muito justa (ou seja, muito próxima de 1) dão um indicador de que o caixa apresentado é parte da operação, e, assim, não estaria disponível para amortização efetiva da dívida. 

Outro aspecto a se analisar é o giro do caixa, mas deixo essa análise para outro texto. Não quero me alongar muito.  

No dia-a-dia do processo de análise e no seu acompanhamento gerencial do endividamento, dar um primeiro passo é fundamental. Comece acompanhando esses indicadores básicos. Já será um bom ponto de partida. 

=> Veja como falar com um dos assessores da XP Empresas 

 

Disclaimer: CONTEÚDO PATROCINADO XP INVESTIMENTOS CCTVM S.A. . Este material foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S/A (“XP Investimentos” ou “XP”) e tem caráter meramente informativo, não constitui e nem deve ser interpretado como solicitação de compra ou venda, oferta ou recomendação de qualquer ativo financeiro, investimento, sugestão de alocação ou adoção de estratégias por parte dos destinatários. Os prazos, taxas e condições aqui contidas são meramente indicativas. As informações contidas neste material foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Os ativos, operações, fundos e/ou instrumentos financeiros discutidos neste material podem não ser adequados para todos os investidores. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. Investimentos nos mercados financeiros e de capitais estão sujeitos a riscos de perda superior ao valor total do capital investido. A XP Investimentos se coloca à disposição para clientes que desejam obter informações, tirar dúvidas ou fazer reclamações por meio de seu Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC). O contato do SAC é o telefone 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br

Leia também

Conteúdo Patrocinado Gerenciando riscos de mercado por meio de derivativos 2 semanas atrás
Conteúdo Patrocinado O Efeito Tesoura na gestão de capital de giro 3 semanas atrás
Conteúdo Patrocinado XP promove 13 horas de lives comandadas por mulheres 3 semanas atrás
Conteúdo Patrocinado XP zera taxa de corretagem de minicontratos 1 mês atrás
Conteúdo Patrocinado A vez dos fundos de crédito 2 meses atrás