Seguro de vida

OFERECIDO POR
Conteúdo Patrocinado

As regras do seguro de vida que você precisa entender antes de adquirir

Com a contratação do seguro, você garante o bem-estar de quem gosta, e impede que imprevistos comprometam a segurança de tudo que conquistou

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Você entende como funciona um seguro de vida? Ele é uma excelente forma de proteger a sua família em casos de incidentes. Com a contratação do seguro, você garante o bem-estar de quem gosta, e impede que imprevistos comprometam a segurança de tudo que conquistou.

Como funciona um seguro de vida? 

Esse serviço oferece diversas apólices de acordo com a cobertura desejada. Na contratação, quanto maior forem os riscos avaliados, mais alto será o valor da mensalidade. Por isso, é importante avaliar bem os planos disponíveis para poder escolher uma oferta que atende sua demanda com o preço que consegue pagar.

Um aspecto que poucas pessoas sabem é que seguro de vida não indeniza somente em casos de morte, mas também pode ajudar em circunstâncias de acidentes que levem à invalidez e doença grave, que podem comprometer a fonte de renda familiar.

PUBLICIDADE

Assim, quando uma das situações previstas pela apólice ocorrer, a seguradora efetua o pagamento da indenização para o beneficiário indicado.

Quais são as regras de um seguro de vida? 

Estado de saúde do segurado

No momento da contratação é feita uma análise da saúde e estilo de vida do segurado para determinar o valor do seguro. Os principais itens considerados são históricos de doenças, alcoolismo, tabagismo e sedentarismo.

É importante fazer somente declarações verídicas na avaliação para não comprometer o pagamento da indenização, caso você precise. Caso a seguradora identifique alguma informação falsa ou omissa o prêmio pode não ser pago.

Idade limite para contratação

Na maioria dos casos, as seguradoras não aceitam que pessoas com mais de 65 anos contratem o seguro de vida. Em alguns planos essa idade é ainda menor, caindo para 60 anos. Isso ocorre, porque, quanto mais envelhecemos, maior é o risco de morte. Contudo, caso o segurado já tenha adquirido uma apólice antes de completar a idade limite, o contrato pode ser renovado sem empecilhos, dependendo das regras do seguro.

A idade também é usada para estabelecer o valor a ser pago nas mensalidades, como é feito nos planos de saúde — novamente, pelo fato de pessoas com mais tempo de vida terem maior possibilidade de adquirirem doenças e virem a falecer. Vale ressaltar aqui que o plano de acidentes pessoais não faz esse tipo de distinção entre jovens e idosos.

Indicação de beneficiários

A indenização do seguro de vida não integra a herança. Dessa maneira, o segurado pode escolher qualquer pessoa para ser o beneficiário — até mesmo aquelas que não têm parentesco socioafetivo e vínculo consanguíneo. Além disso, é possível vincular a apólice a mais de um favorecido, desde que o plano contratado permita essa opção.

PUBLICIDADE

A escolha dos beneficiários e o valor do prêmio deve ser realizada no momento de contratação da apólice, sendo que os favorecidos podem ser alterados a qualquer momento. Caso não haja essa definição no contrato, a metade da indenização será paga ao cônjuge não separado, e o restante para os demais herdeiros, conforme ordem hereditária.

Adquirir um seguro de vida é essencial para garantir a estabilidade financeira de seus beneficiários em momentos inesperados — principalmente, se você for a principal fonte de renda da família. Mas não se esqueça de conferir as regras do seguro de vida antes de efetivar a contratação.

Já está fazendo uma pesquisa de mercado? Então, aproveite e faça uma simulação sem compromisso com a Mongeral Aegon!