Setor de logística se prepara para a Olimpíada do Rio de Janeiro

Aumento do tráfego aéreo e restrições a caminhões na cidade são os principais desafios

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Publicidade

Após anos de espera e ansiedade, faltam apenas alguns dias para o início dos jogos olímpicos no Rio de Janeiro. A expectativa é de que venha à cidade cerca de 900 mil turistas, além de mais de 15 mil atletas que participarão das competições olímpicas e paralímpicas, um aumento no fluxo de pessoas até hoje inédito na história da cidade. E para garantir a mobilidade nesse período foram definidos feriados em datas chaves, férias escolares nas redes pública e privada durante todo o mês de agosto, além de restrições de veículos na região metropolitana do Rio de Janeiro.

Porém, apesar de visar a redução no transito da cidade, essas medidas irão gerar grandes mudanças na rotina dos cariocas. Além dos locais que serão fechados devido às provas que ocorrem nas ruas, haverá também faixas exclusivas para veículos da organização do Rio 2016. Neste cenário o setor de logística enfrentará seu maior desafio, manter o abastecimento da cidade durante este longo período de restrições que durará até o final das Paralimpíadas, dia 19 de setembro.

“A cidade já recebeu vários eventos internacionais, como a Jornada Mundial da Juventude, e a Copa do Mundo, mas nada se compara com o que virá durante os jogos olímpicos”, afirma Ricardo Frotté, Analista de Logística da ImpressorAjato.com , e-commerce especializada em produtos de impressão, sediada no Rio de Janeiro.

Continua depois da publicidade

Assim como diversas outras empresas da cidade, a ImpressorAjato.com precisou repensar sua estrutura logística dentro da região metropolitana visando manter o prazo de entrega, um dos diferenciais da loja virtual.

“Continuaremos a oferecer uma entrega rápida aos nossos clientes cariocas durante todo esse período. Usaremos utilitários e veículos de menor porte, que não sofrerão as mesmas restrições que os caminhões dentro da cidade. Já para as outras regiões do Brasil também estamos preparados pois, além de nossa operação no Rio de Janeiro, também contamos com um galpão no Espírito Santo, conseguindo assim atender nossa demanda de entregas”, garante Frotté.

As empresas de entrega deverão trabalhar com maior intensidade durante os Jogos, pois os Correios suspenderam o serviço de Sedex e Sedex 10 para entregas que chegam ou saem do Rio de Janeiro. A transportadora Jamef , especializada em entregas urgentes, passou a receber um número maior de solicitações na cidade, atendendo a demanda já aguardada.

“Entendemos que podemos agregar valor quanto a segurança, rastreabilidade e comprometimento com as entregas que estão programadas para esse período. Notamos que nossos clientes procuram alternativas devido ao aumento de fluxo aguardado pelos embarcadores”, explica Rafael Silveira, gerente da filial fluminense da transportadora.

Mas, apesar de todas as mudanças, os profissionais do setor de logística têm certeza de que todo o planejamento feito trará resultados.

“Temos uma estrutura e um planejamento estratégico focado para minimizar qualquer transtorno aos nossos clientes, não só do Rio, como de todo o Brasil. Em 2014 conseguimos lidar tranquilamente com as restrições em razão da realização de jogos da Copa do Mundo em diversas cidades e agora não será diferente. Queremos que nossos clientes saibam que suas encomendas continuarão a ser entregues com todo o cuidado e segurança que a Jamef sempre ofereceu”, explica Rafael Silveira.
Website: https://www.impressorajato.com.br/

Tópicos relacionados