Queda da incerteza

Verde: “Eleição americana parece ter se resolvido da maneira mais favorável para o preço dos ativos”

A alta dos mercados nesta segunda-feira tem espaço para continuar, ainda mais com a sinalização positiva da vacina contra a Covid-19, diz a gestora

Bandeira dos EUA
(Shutterstock)
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – A vitória do candidato democrata Joe Biden na disputa à presidência dos Estados Unidos e a possibilidade de liderança republicana no Senado foram bem recebidas pela equipe da Verde Asset, liderada por Luis Stuhlberger.

Na carta mensal referente ao desempenho do fundo multimercado Verde, a gestora destacou que a eleição parece ter se resolvido da maneira mais favorável para o preço dos ativos, com a redução dos riscos associados a alta de impostos.

“Vitória de Joe Biden para a presidência, reduzindo a volatilidade inerente do estilo Trump de governar, ao mesmo tempo que os republicanos mantêm controle do Senado (pendente ainda de duas eleições para as cadeiras representando o estado da Georgia), o que mitiga os temores de uma agenda governamental muito à esquerda, especialmente envolvendo aumentos de impostos”, destacou a Verde, no documento.

Por Dentro dos Resultados

Aprenda a investir na bolsa

CEOs e CFOs de empresas abertas comentam os resultados do ano. Cadastre-se gratuitamente para participar:

Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.

As bolsas americanas e brasileira iniciaram a semana em alta, com investidores mais propensos à tomada de riscos. Para a gestora, a queda da incerteza é a principal explicação para o movimento positivo, e há, em sua visão, espaço para continuar, ainda mais combinado com a indicação construtiva em relação à vacina contra a Covid-19.

Leia mais:
Vacina contra COVID-19 da Pfizer é 90% eficaz, anuncia farmacêutica

Apesar do maior entusiasmo, em outubro, o fundo Verde teve perda de 0,49% (ante variação de 0,16% do CDI), pressionado pelas posições de ações, tanto no Brasil quanto no livro global. No ano, o fundo tem queda de 1,96%, ante um CDI de 2,45%.

Sem grandes novidades no que se refere às preocupações com a questão fiscal brasileira, a gestora assinala que os ativos continuam a incorporar um prêmio de risco relevante relacionado a isso, “o que não deve mudar tão cedo”.

Já em relação à segunda onda de casos de coronavírus na Europa, a gestora chama atenção para os sinais de desaceleração após implementação de medidas mais restritivas em vários países.

PUBLICIDADE

A proximidade de uma vacina também anima a gestora, que vem acompanhando o noticiário envolvendo o trabalho das farmacêuticas mais de perto.

E-commerce e commodities

Já na carta do fundo de ações, a Verde aponta Suzano e Magazine Luiza como as duas principais contribuições positivas para o mês passado.

“Acreditamos que este é um bom momento para capturar a retomada de preços da commodity, que se encontram num dos mais longos ciclos de baixa da história recente”, diz a gestora na carta.

Por outro lado, as principais contribuições negativas em outubro partiram de B3 e Natura.

Após cair 1,21% em outubro, contra a queda de 0,69% do Ibovespa, o fundo de ações da Verde recua 10,90% no ano, contra as perdas de 18,76% do benchmark.

Treinamento gratuito do InfoMoney mostra como encontrar oportunidades de investimentos escondidas nos gráficos e fazer a primeira operação. Assista aqui!