Gestão da dívida pública

Tesouro prevê chegar ao fim do ano com caixa para compromissos de 4 meses

Segundo o coordenador de operações da Dívida Pública, Roberto Lobarinhas, o prêmio exigido para comprar papéis atrelados à taxa Selic vem se estabilizando

(Shutterstock)

O coordenador de operações da Dívida Pública, Roberto Lobarinhas, disse que o Tesouro chegará ao fim do ano com caixa para pagar os compromissos dos primeiros quatro meses em 2021. Diante do aumento no endividamento para fazer frente às despesas com a pandemia do coronavírus, o órgão aumentou as emissões de títulos da dívida nos últimos meses, o que chegou ao maior valor da história em outubro (R$ 173,3 bilhões).

“O Tesouro ajustou sua estratégia nos últimos meses para captar volumes maiores. Conseguiu fortalecer o caixa e, para isso, foi fundamental a transferência de recursos do Banco Central”, acrescentou o coordenador-geral de planejamento estratégico da dívida, Luiz Fernando Alves.

Melhores da Bolsa 2020

Cadastre-se gratuitamente para participar do encontro entre os CEOs das melhores empresas listadas na Bolsa e gestores de grandes fundos, entre os dias 24 e 26 de novembro:

Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.

Em relação a uma segunda onda da pandemia no Brasil e uma possível prorrogação do auxílio emergencial nesse caso, Lobarinhas acrescentou que o impacto na Dívida Pública dependerá de como isso for financiado.

O coordenador disse ainda que, apesar da alta na demanda, não haverá novos leilões extras de NTN-B 2023, mas somente os dois previstos até o fim do ano.

LFTs

Lobarinhas afirmou que o prêmio exigido pelos investidores para comprar papéis atrelados à taxa básica de juros (LFT) vem se estabilizando nas últimas semanas, o que tem favorecido a demanda por esses papéis.

Em entrevista virtual, Lobarinhas disse que houve um “movimento brusco” no mercado de LFTs em outubro, que se estabilizou em novembro.

Ele ressaltou que o mês de outubro foi marcado por volatilidade com notícias sobre a segunda onda da pandemia de covid-19 na Europa e as eleições nos Estados Unidos. Além disso, a curva de juros foi influenciada por índices de inflação. “Houve volatilidade em outubro relacionada a questão fiscal no mercado doméstico”, completou.

Lobarinhas ressaltou que, já em novembro, o mercado externo operou de forma mais otimista, reduzindo prêmios de risco. “A curva de juros sobe em novembro novamente na esteira das discussões fiscais”, ponderou.

PUBLICIDADE

Invista no ativo com maior potencial de valorização: o seu conhecimento. Aproveite descontos de até R$ 1.319 nos cursos do InfoMoney e Xpeed – vagas limitadas!