Em onde-investir / tesouro-direto

Tesouro Direto: taxas de títulos indexados à inflação sobem nesta segunda-feira

Mercado acompanhou novos cortes nas projeções de taxa de juros e de crescimento do PIB no Brasil, bem como trégua na guerra comercial entre EUA e China

SÃO PAULO – As taxas dos títulos públicos indexados à inflação e negociados no Tesouro Direto, programa que possibilita a compra e venda dos papéis por investidores pessoas físicas por meio da internet, encerraram o pregão desta segunda-feira (dia 1º) em alta.

Nesta manhã, as atenções se voltam à divulgação mais recente do Boletim Focus, do Banco Central. A pesquisa semanal com instituições financeiras mostrou que o mercado diminuiu pela 18ª vez consecutiva a previsão para expansão do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro em 2019, desta vez de 0,87% para 0,85%. Para 2020, a expectativa se manteve em crescimento de 2,20%.

Diante de previsões cada vez menores para a atividade, o mercado também ajustou a projeção para a taxa Selic ao fim do ano, de 5,75% para 5,50%. Para o fim de 2020, a expectativa também mudou, com a Selic em 6% ao ano em dezembro, ante número anterior de 6,5%. A estimativa para o fechamento de 2021 seguiu em 7,5%.

Também foram feitos ajustes nas projeções para a inflação de 2019 (com redução de 3,82% para 3,80%) e de 2020 (3,95% para 3,91%).

Dentre as principais notícias que movimentaram o mercado a longo do dia estão o acordo de livre comércio entre o Mercosul e a União Europeia, bem como uma trégua na guerra comercial anunciada pelos presidentes dos Estados Unidos, Donald Trump, e da China, Xi Jinping, durante a cúpula do G-20, no Japão.

Também esteve no radar dos investidores, a prorrogação por mais seis a nove meses do corte de produção de petróleo acordado no primeiro semestre na Rússia, Arábia Saudita, Iraque e Omã.

Saia da poupança e faça seu dinheiro render mais: abra uma conta gratuita na Rico

No Tesouro Direto, o título indexado ao IPCA e com vencimento em 2024 pagava a inflação mais uma taxa de 3,04% ao ano, ante 3,02% a.a. na abertura do dia. Os papéis com vencimentos em 2035 e 2045, por sua vez, ofereciam retorno de 3,58% ao ano, ante 3,55% a.a. pela manhã.

Nos papéis prefixados, porém, o movimento das taxas foi o contrário, apresentando leve queda. O título com vencimento em 2022 oferecia prêmio anual de 6,19%, ante a rentabilidade de 6,20% a.a. vista anteriormente. A rentabilidade do título com prazo em 2025, por sua vez, cedia de 7,07% para 7,03% ao ano. O investidor podia adquirir o papel integralmente por R$ 688,39 ou aplicar uma quantia mínima de R$ 34,41 (recebendo uma rentabilidade proporcional à aplicação).

Cobrança de taxa obrigatória

A partir desta segunda-feira (1), investidores com recursos aplicados em títulos do Tesouro Direto terão que pagar a taxa semestral de custódia, única cobrança obrigatória que recai sobre a aplicação financeira. O custo é de 0,125% sobre o dinheiro aplicado e é destinado à B3. Cabe ao investidor ter saldo em conta disponível para o débito a ser feito pelas instituições financeiras.

Confira, abaixo, os preços e as taxas dos títulos do Tesouro Direto nesta segunda-feira:
Título
Vencimento
Taxa de Rendimento (a.a.)
Valor Mínimo
Preço Unitário
Indexados ao IPCA  
Tesouro IPCA+ 2024 15/08/2024 IPCA + 3,04% R$ 55,40 R$ 2.770,32
Tesouro IPCA+ 2035 15/05/2035 IPCA + 3,58% R$ 37,01 R$ 1.850,62
Tesouro IPCA+ 2045 15/05/2045 IPCA + 3,58% R$ 39,09 R$ 1.303,11
Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2026 15/08/2026 IPCA + 3,14% R$ 38,73 R$ 3.873,88
Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2035 15/05/2035 IPCA + 3,48% R$ 42,22 R$ 4.222,76
Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2050 15/08/2050 IPCA + 3,70% R$ 46,47 R$ 4.647,43
Prefixados  
Tesouro Prefixado 2022 01/01/2022 6,19% R$ 34,41 R$ 860,37
Tesouro Prefixado 2025 01/01/2025 7,03% R$ 34,41 R$ 688,39
Tesouro Prefixado com Juros Semestrais 2029 01/01/2029 7,28% R$ 35,36 R$ 1.178,86
Indexados à Taxa Selic  
Tesouro Selic 2025 01/03/2025 Selic + 0,02% R$ 101,77 R$ 10.177,71

Fonte: Tesouro Direto

Baixo risco, liquidez e acessibilidade

O Tesouro Direto é considerado a opção de investimento com o menor risco no Brasil e com ampla acessibilidade, dado o investimento mínimo a partir de R$ 30. Outra vantagem do programa diz respeito à liquidez, com a possibilidade de recompra diária dos títulos públicos pelo Tesouro.

O investidor pode aplicar em títulos públicos diretamente pelo site do Tesouro, se cadastrando primeiro no portal e abrindo uma conta em uma corretora para intermediar as transações. Atualmente, a maior parte das instituições financeiras habilitadas a operar no programa não cobra taxa de administração.

O único custo obrigatório que recai sobre o investimento em títulos públicos pelo Tesouro Direto corresponde à taxa de custódia, de 0,25% ao ano sobre o valor dos títulos, cobrada semestralmente no início dos meses de janeiro e de julho. Além disso, há incidência de Imposto de Renda sobre os rendimentos, com uma alíquota que varia de acordo com o período de investimento (tabela regressiva).

Invista a partir de R$ 30 no Tesouro Direto com taxa ZERO: abra uma conta gratuita na Rico

 

 

Contato