Em onde-investir / tesouro-direto

A melhor estratégia para ganhar dinheiro no Tesouro Direto após o maior corte de juros em 8 anos

Pós-fixados atrelados à inflação são os favoritos de economistas

 SÃO PAULO – Com o maior corte em oito anos na taxa básica de juros anunciado na noite de quarta-feira (12), a estratégia para os investimentos no Tesouro Direto deve ser repensada. A perspectiva de mais quedas que levarão a Selic para 8,50% no fim do ano, conforme aponta o Boletim Focus mais recente, reforçam a necessidade de rever as compras dos títulos.

 O economista e professor Alan Ghani explica que os melhores títulos para o cenário de queda de juros são os pós-fixados e atrelados à inflação. São as antigas NTN-B e agora mais conhecidas como IPCA+.

 “Acredito que haja mais chance no futuro de a inflação surpreender para cima do que para baixo. Está precificado nos mercados que a reforma será aprovada, mas há o risco de isso não acontecer. Uma aplicação pós-fixada seria mais conservadora”, diz.

 O sócio e gestor da Rosenberg Investimentos, Marcos Mollica, também orienta a compra de títulos atrelados à inflação. “Os novos títulos de inflação NTN-B com vencimento entre 2022 e 2026 são atrativos. Em um segundo momento, com maior confiança na aprovação das reformas pelo Congresso, podemos apostar em títulos mais longos, como aqueles com vencimento em 2050”, afirma Mollica.

 O gestor destaca que o momento atual é de cautela e os vencimentos de médio prazo são seus favoritos. “Precisamos ter confiança [na aprovação das reformas] antes de arriscar mais”, explica.

 De olho nessa incerteza, Ghani avalia que os títulos IPCA+ são capazes de proteger os investidos em ambos os cenários. “Se a reforma da Previdência não passa, aumenta o prêmio de título ligado à inflação. Se ela passa pelo Congresso, há uma melhora nas expectativas dos agentes do mercado e talvez a recuperação econômica venha mais rápida do que imaginamos, o que pode ter um repique sobre a inflação”, explica o economista, destacando a importância de ter títulos que remunerem a inflação do período mais juros.

 

 

Contato