Renda fixa

Tesouro Direto: taxas dos títulos públicos têm novo dia de alta e prefixados chegam a pagar até 11,47%

Na segunda atualização da tarde, o destaque estava nos papéis prefixados, em que os retornos subiam até 17 pontos-base

Por  Bruna Furlani -

A quarta-feira (5) é de agenda movimentada no exterior, com destaque para os dados de emprego privado de dezembro nos Estados Unidos e divulgação da ata da reunião do Federal Reserve, que é o banco central americano.

Ambos devem ajudar a pavimentar os caminhos que a autoridade monetária pode tomar em relação ao juros neste ano, diante dos efeitos que a ômicron pode desencadear na inflação americana. Atualmente, o mercado precifica 63% de chance de que a primeira subida de juros aconteça já em março e vê mais duas altas neste ano.

O reflexo disso pôde ser visto na subida das taxas dos títulos do Tesouro americano. Ontem (4), o rendimento da T-note com prazo de 10 anos fechou em 1,649% ao ano. Dias antes, esse título apresentava retornos por volta de 1,400% e 1500%.

A subida nas taxas dos papéis do Tesouro americano ajuda a tornar a renda fixa do país mais atrativa, o que afeta negativamente ativos mais conservadores de outros países, especialmente emergentes, como é o caso do Brasil.

Aliado a isso, a pressão por mais gastos públicos e a incerteza fiscal no País ajudam a fazer com que o mercado de juros e de títulos públicos negociados no Tesouro Direto tenham mais um dia de alta nesta terça-feira.

Na segunda atualização da tarde, o destaque estava nos papéis prefixados, em que os retornos subiam até 17 pontos-base (0,17 ponto percentual).

No caso do Tesouro Prefixado 2024, às 15h20, os juros oferecidos por esse papel eram de 11,47%, acima dos 11,42% vistos na primeira atualização do dia. Na sessão anterior, a taxa era menor de 11,30%. Com isso, o percentual pago por esse título alcançou o maior patamar verificado desde o dia 3 de dezembro de 2021.

No mesmo horário, o papel prefixado com vencimento em 2031 e pagamento de juros semestrais oferecia um retorno de 11,27%, mesmo valor visto no começo da manhã. O percentual, contudo, está acima dos 11,12% registrados ontem.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Entre os papéis de inflação, a remuneração real do Tesouro IPCA+ 2026 subia de 5,15% para 5,21% ao ano, às 15h20. Da mesma forma, o papel com vencimento em 2055 e juros semestrais oferecia uma taxa de 5,46% ao ano, contra 5,44% na sessão anterior.

Confira os preços e as taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra no Tesouro Direto que eram oferecidos na tarde desta quarta-feira (5): 

Taxas Tesouro Direto
Fonte: Tesouro Direto

Radar externo

No cenário internacional, atenção para os números do Relatório de Emprego ADP referentes a dezembro, que trouxe a abertura de 807 empregos no setor privado. A projeção dos analistas consultados pela Refinitiv era de criação de 400 mil vagas.

Por outro lado, a ADP revisou para baixo sua estimativa de criação de empregos em novembro, de 534 mil para 505 mil. A pesquisa é considerada uma prévia do relatório de emprego (“payroll”) dos EUA, que será divulgado nesta sexta-feira (7).

Na sequência, foi divulgado o índice do gerente de compras (PMI) de serviços nos Estados Unidos, que recuou de 58,0 em novembro para 57,6 em dezembro, na leitura final do IHS Markit.

O resultado ficou acima da previsão de 57,3, feita por analistas consultados pelo The Wall Street Journal, e de 57,5 na leitura preliminar do dado.

O PMI composto, por sua vez, caiu de 57,2 em novembro para 57,0 em dezembro. O resultado ficou levemente acima da leitura preliminar de 56,9.

Mais tarde, investidores acompanham a divulgação da ata da reunião do Comitê Federal do Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) do Federal Reserve, às 16h.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Além dos Estados Unidos, o mercado repercute a divulgação do índice dos gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) compostos da zona do euro. Segundo o IHS Markit, o indicador recuou a 53,5 em dezembro. Um mês antes, ele tinha fechado em 55,4. Ainda assim, o número indica expansão.

O resultado, no entanto, veio pior do que o esperado por economistas consultados pelo The Wall Street Journal (WSJ), que previam que o índice ficaria em 53,4.

Atenção também para a notícia de que a França identificou uma nova variante do coronavírus. Segundo pesquisadores do Instituto Hospitalar Universitário (IHU) de Marselha, que fizeram a descoberta, a nova estirpe do SARS-CoV-2 tem 46 mutações, incluindo uma que está associada ao possível aumento de contágios.

A variante, da qual ainda pouco se sabe, foi batizada pelos cientistas com as iniciais do instituto, IHU, e deriva de outra, a B.1.640, detectada no fim de setembro de 2021 na República do Congo e atualmente sob vigilância da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Alta de Bolsonaro e sanção de PL sobre teto de gastos dos estados

Na cena local, o presidente Jair Bolsonaro (PL) publicou em sua conta do Twitter que teve alta na manhã desta quarta-feira (5) do hospital Nova Star, em São Paulo. Ele estava internado desde a madrugada de segunda-feira (3), após sintomas de obstrução intestinal.

Segundo atualizações médicas, a obstrução no intestino se desfez, e ele pôde iniciar uma dieta líquida.

Também na agenda política, o presidente Jair Bolsonaro sancionou hoje um projeto de lei que retira do teto dos gastos dos estados as despesas com emendas parlamentares, assim como as transferências da União.

A proposta tenta aliviar as finanças estaduais e tinha sido aprovada pelo Senado no começo de dezembro do ano passado.

Ainda na seara política, investidores seguem monitorando as notícias em torno de paralisações de servidores públicos na defesa por reajustes, assim como os que devem ser oferecidos a policiais federais neste ano.

Quer sair da poupança? Head de Renda Fixa da XP apresenta estratégia para investidor que quer ganhar mais sem abrir mão da segurança. Inscreva-se grátis!

Compartilhe