AO VIVO CEO da Marisa detalha impactos do coronavírus na empresa em live; assista

CEO da Marisa detalha impactos do coronavírus na empresa em live; assista

Renda fixa

Tesouro Direto: taxas de títulos públicos sobem nesta quarta-feira; câmbio segue no foco do mercado

Investidores monitoraram nova atuação do Banco Central para conter a alta do dólar

arrow_forwardMais sobre
notas de 100 e 50 reais
(Shutterstock)

SÃO PAULO – As taxas oferecidas pelos títulos públicos negociados no Tesouro Direto, programa que possibilita a compra e venda de papéis por investidores pessoas físicas por meio da internet, apresentavam alta nesta quarta-feira (27).

Assim como na véspera, o foco do mercado esteve hoje na disparada do dólar frente ao real, que caminha para fechar novamente em nível recorde, pelo terceiro dia seguido, agora no patamar de R$ 4,25, mesmo após nova intervenção do Banco Central, com venda de dólar à vista.

Ontem, depois das declarações do ministro da Economia, Paulo Guedes, de que o país deve se acostumar a conviver com juros baixos e dólar mais alto, o presidente do BC, Roberto Campos Neto, sinalizou que poderia intervir novamente caso identificasse movimentos “disfuncionais” na cotação da moeda.

Pela manhã, o Departamento do Comércio americano informou que o Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA cresceu à taxa anualizada de 2,1% no terceiro trimestre, ante expectativa de crescimento de 1,9%.

No Tesouro Direto, o título com rendimento prefixado e vencimento em 2025 pagava uma taxa de 6,62% ao ano, ante 6,56% ao ano na abertura do dia. O investidor podia aplicar uma quantia mínima de R$ 36,11 (recebendo uma rentabilidade proporcional à aplicação) para investir no papel, ou adquirir o título integralmente por R$ 722,28. Já no Tesouro Prefixado com juros semestrais e prazo em 2029, a taxa avançava de 6,93% para 6,98% ao ano.

Entre os títulos com rentabilidade atrelada à inflação, o Tesouro IPCA+2024 oferecia um prêmio anual de 2,44%, ante 2,36% ao ano pela amanhã, enquanto o retorno oferecido pelo título com juros semestrais e prazo em 2026 subia de 2,66% para 2,73% ao ano.

Dentre os títulos disponíveis para resgate, destaque mais uma vez para a taxa negativa de 0,10% (mais a variação da inflação) do Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2020. No início do ano, a taxa de venda do papel correspondia a 3,10%.

Confira, a seguir, os preços e as taxas dos títulos disponíveis no Tesouro Direto:

Fonte: Tesouro Direto

Saia da poupança e faça seu dinheiro render mais: abra uma conta gratuita na Rico

Baixo risco, liquidez e acessibilidade

O Tesouro Direto é considerado a opção de investimento com o menor risco no Brasil e com ampla acessibilidade, dado o investimento mínimo a partir de R$ 30. Outra vantagem do programa diz respeito à liquidez, com a possibilidade de recompra diária dos títulos públicos pelo Tesouro.

O investidor pode aplicar em títulos públicos diretamente pelo site do Tesouro, se cadastrando primeiro no portal e abrindo uma conta em uma corretora, como a Rico Investimentos, por exemplo, para intermediar as transações. Atualmente, a maior parte das instituições financeiras habilitadas a operar no programa não cobra taxa de administração.

O único custo obrigatório que recai sobre o investimento em títulos públicos pelo Tesouro Direto corresponde à taxa de custódia, de 0,25% ao ano sobre o valor dos títulos, cobrada semestralmente no início dos meses de janeiro e de julho.

Entenda tudo sobre Tesouro Direto neste guia completo:

Guias InfoMoney

Tesouro Direto  Tesouro Direto