Renda fixa

Tesouro Direto: queda dos títulos públicos se aproxima dos 7% em maio e abre oportunidade de compra; entenda

Aperto monetário no Brasil, crise hídrica, alta das commodities, além de preocupações com os juros nos EUA contribuem para prêmios mais altos na plataforma

queda crash cirtcuit breaker baixa bolsa índice gráfico
(Getty Images)

SÃO PAULO – A expectativa de uma retomada da economia brasileira e uma pressão inflacionária têm levado a um aperto monetário por parte do Banco Central, contribuindo para um aumento nos prêmios oferecidos pelos títulos públicos negociados via Tesouro Direto e, consequentemente, levando a uma queda nos preços dos papéis nas mãos de investidores.

Nos títulos atrelados à inflação, os prêmios oferecidos chegaram, no último mês, a 4,38% nos papéis atrelados à inflação com prazos em 2035 e 2045 – a taxa mais alta para o papel desde maio do ano passado. Já nos prefixados, como o com prazo em 2026, os prêmios vêm beirando, desde abril, os 9%, nos maiores patamares desde 2019.

Com isso, todos os papéis – com exceção dos indexados à taxa Selic – atualmente disponíveis para compra via Tesouro Direto, programa do governo federal de compra e venda para pessoas físicas, voltaram a registrar queda nos preços em maio. Em abril, as baixas haviam se aproximado dos 7,3%.

A maior queda do mês passado partiu do título Tesouro IPCA+ com vencimento em 2045, com desvalorização de 6,5%, levando o prêmio real pago pelo papel a 4,18% ao ano.

Entre os prefixados, o destaque negativo ficou com o Tesouro Prefixado com juros semestrais e prazo em 2031, que recuou 0,66% em março, com prêmio anual oferecido de 9,13%.

No acumulado em 12 meses, a maior parte dos papéis disponíveis para compra ainda acumulam alta, com destaque para o título Tesouro IPCA+ 2035, com valorização de 10,77%.

De acordo com o relatório Focus, do Banco Central, mais recente, a expectativa é de aumento de 0,75 ponto percentual da Selic na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), no dia 16. Até dezembro deste ano, os economistas consultados pelo BC estimam que a Selic chegue ao patamar de 5,75% ao ano.

Com relação à inflação, a expectativa do mercado financeiro aponta para alta de 5,31% em 2021.

Em maio, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), considerado uma prévia da inflação oficial, subiu 0,44% — o maior resultado para um mês de maio desde 2016.

PUBLICIDADE

No ano, o IPCA-15 acumula inflação de 3,27% e, nos últimos 12 meses, alta de 7,27%.

Há oportunidade

Na avaliação de Daiane Reis, sócia do escritório Monte Bravo, o movimento de alta dos prêmios oferecidos no Tesouro Direto abre oportunidade em papéis prefixados, como os com vencimento em 2024, que pagava na segunda-feira (31), prêmio da ordem de 7,9% ao ano.

A posição, contudo, deve ser pequena, alerta Daiane, de no máximo 5% do patrimônio, e vai variar de acordo com o perfil do investidor e horizonte de investimento.

“Se o investidor conseguir garantir uma taxa mais alta, como no cenário atual, quando for vender no mercado secundário terá bastante procura e conseguirá um ágio na venda do papel”, explica.

Investidores com perfil a partir do moderado também podem encontrar oportunidades no título público atrelado à inflação com vencimento em 2055, que pagava ontem uma taxa real de 4,40% ao ano.

Neste caso, o objetivo seria aproveitar o patamar mais alto para realizar uma venda antecipada no futuro. Mas é preciso cuidado, uma vez que o papel, por ter um vencimento longo, está sujeito a oscilações e embute mais volatilidade, diz.

Leia também:
Retornos de CDBs indexados ao CDI recuam em meio à alta da Selic; vale a pena investir?

João Beck, especialista em investimentos e sócio do escritório BRA, também diz ver oportunidade nos títulos com retorno prefixado, dado que embutem “bastante gordura”. Segundo ele, os prêmios hoje já precificam um cenário negativo, de aumento da inflação, de alta dos juros nos Estados Unidos, além das preocupações com o ano eleitoral, em 2022.

PUBLICIDADE

A posição, contudo, deve compor a “pimentinha” da carteira de renda fixa, contribuindo para a diversificação do portfólio.

Além das commodities, que têm contribuído para o aumento dos preços, Beck cita ainda a crise hídrica, com a bandeira vermelha nas contas de luz contribuindo para um aumento ainda maior na inflação nos próximos meses.

Desta forma, diz o especialista, para proteger o poder de compra, o investidor pode optar pelos papéis Tesouro IPCA+, que também têm oferecido prêmios interessantes, na casa de inflação mais 4% ao ano. Neste caso, contudo, o investidor pode optar por papéis para carregar até o vencimento e assim, mitigar os riscos de oscilação.

“Tanto os prefixados quanto os indexados à inflação já estão colocando no preço um cenário ruim. Se ele não se materializar, os títulos tendem a oferecer um bom rendimento”, diz.

Confira a seguir como se comportaram os títulos públicos disponíveis para novos investimentos em maio, no acumulado do ano e em 12 meses.

É importante lembrar que o investidor só terá as perdas ou os ganhos apontados se efetivamente vender os papéis antecipadamente. Se carregá-los até o vencimento, o retorno vai respeitar as taxas e as condições contratadas no momento de aquisição dos títulos.

Sócia da XP Investimentos oferece curso gratuito de como alcançar a liberdade financeira. Clique aqui para se inscrever.

PUBLICIDADE