Tesouro Direto: taxas de prefixados caem para abaixo de 10% após “prévia” do PIB

Mercado ainda analisa a pauta econômica no Congresso Nacional e falas de Roberto Campos Neto

Leonardo Guimarães

Publicidade

Os juros dos títulos do Tesouro Direto encolhem nesta quarta-feira (20). A pauta econômica está cheia hoje, com votações no Congresso Nacional, “prévia” do PIB (Produto Interno Bruto), elevação da nota de crédito do País e falas do presidente do Banco Central. 

Mais cedo, o Banco Central anunciou que o Índice de Atividade Econômica (IBC-Br) caiu 0,06% em outubro. O mercado esperava avanço de 0,1% no indicador, que é considerado uma prévia do desempenho do PIB brasileiro. Com o resultado, o IBC-Br agora acumula alta de 2,36% no ano e de 2,19% em 12 meses.

Investidores também repercutem decisões do Congresso Nacional, que aprovou ontem o projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2024. Os parlamentares estabeleceram a meta fiscal de déficit zero. 

Oferta Exclusiva

CDB 150% do CDI

Invista no CDB 150% do CDI da XP e ganhe um presente exclusivo do InfoMoney

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

O Senado Federal deverá votar hoje a MP (Medida Provisória) das subvenções, que muda as regras de tributação de incentivos fiscais concedidos por estados para empresas. O texto estava na pauta de ontem, mas a votação foi adiada por uma divergência no pagamento retroativo do imposto devido. Parlamentares de oposição pedem isenção total, enquanto o governo oferece desconto de 80%. 

Ainda em Brasília, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse, ontem, que os primeiros meses de 2024 serão fundamentais para a consolidação da melhora na qualidade dos indicadores econômicos divulgados no Brasil. Ele segue pregando serenidade no tom adotado pelo BC: “é importante manter a comunicação da nossa forma de trabalhar”. 

Diante das notícias, o prefixado mais longo do Tesouro Direto, com vencimento em 2033, pagava 10,48% na primeira atualização do dia, às 9h21. Ontem, o mesmo título entregava rentabilidade anual de 10,60%. Já a taxa do Tesouro Prefixado 2029 caía de 10,30% para 10,19%, enquanto a do título para 2026 recuava de 9,75% para 9,65%. 

Continua depois da publicidade

Nos títulos de inflação, o papel com vencimento em 2029 entregava rentabilidade real de 5,19% contra 5,23% na véspera. O Tesouro IPCA+ 2032 tinha taxa de 5,28% ante 5,33% ontem. A maior taxa – 5,52% – era oferecida pelo Tesouro IPCA+ 2045, que ontem pagava 5,56%. 

Confira os preços e as taxas dos títulos públicos disponíveis para compra no Tesouro Direto na manhã desta quarta-feira (20):