Campos Neto: Próximos meses serão fundamentais para consolidação desta melhora dos números

Durante encerramento de evento do Correio Braziliense sobre desafios do Brasil em 2024, Campos Neto disse que termina 2023 contente com o trabalho feito pelo BC

Estadão Conteúdo

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto

Publicidade

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, disse na terça-feira, 19, que os primeiros meses de 2024 serão fundamentais para a consolidação da melhora na qualidade dos indicadores econômicos divulgados no Brasil.

Durante encerramento de evento do Correio Braziliense sobre desafios do Brasil em 2024, Campos Neto disse que termina 2023 contente com o trabalho feito pelo BC, citando a inflação em queda, mesmo com a atividade em alta e o mercado de trabalho aquecido – como perseguido pelo BC em seu objetivo de pouso suave.

Mais uma vez, o presidente do BC citou o efeito cumulativo das reformas no potencial de crescimento brasileiro. Ele, no entanto, seguiu pregando serenidade e persecução do equilíbrio fiscal, já que, mesmo com o novo arcabouço das contas públicas, o Brasil mostra uma trajetória de dívida um pouco pior. “É importante manter a comunicação da nossa forma de trabalhar”, declarou.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Segundo Campos Neto, os cortes da Selic têm ajudado o crédito, e apesar de ainda ser o segundo maior do mundo, os juros, em termos reais, estão num dos patamares mais baixos da história do País. A distância da taxa real em relação à neutra, pontuou, pode estar alta para o padrão de economias avançadas, mas é baixa na comparação com outros mercados emergentes.

Entrada no fiscal na pandemia foi coordenada

O presidente do BC disse que alguns países mostram dificuldade na saída dos estímulos fiscais lançados na pandemia, quando um volume sem precedentes foi injetado simultaneamente pelos governos para evitar uma depressão econômica.

Continua depois da publicidade

“A entrada no fiscal durante a pandemia foi coordenada … Agora vemos países com dificuldade para sair”, comentou Campos Neto.

Ele observou que a dívida americana, que costumava girar entre 20% e 40% do Produto Interno Bruto (PIB), entrou em trajetória explosiva até chegar a 80%, o que aumentou o volume de pagamentos do Tesouro dos Estados Unidos.

“Além de patamar muito alto, ela é bastante explosiva”, disse Campos Neto ao falar sobre a dívida americana. Ele observou que os pagamentos com juros do governo dos Estados Unidos saltaram de US$ 22 bilhões, em outubro do ano passado, para US$ 77 bilhões em igual mês deste ano e deve seguir subindo, para US$ 120 bilhões em 2024.

Segundo Campos Neto, o mundo vive um processo de desinflação, ainda que com índices de inflação acima das metas. No entanto, ponderou, o afrouxamento das condições financeiras nos Estados Unidos, de volta ao nível de julho, dificulta o trabalho do Federal Reserve de frear a inflação. E quando os Estados Unidos puxam as condições financeiras, emendou o presidente do BC, o mundo inteiro segue, o que sugere um desafio, sobretudo, aos bancos centrais de economias desenvolvidas.