Soja acumula sétima semana seguida de alta e toca maior nível desde 1973

Baixa produção chinesa alimenta perspectivas de elevação da demanda pelo produto; exportações dos EUA em alta

SÃO PAULO – A sessão da sexta-feira (23) marcou uma forte valorização para os contratos de soja negociados no mercado internacional.

De olho na sólida demanda global e nas notícias provenientes da China, a cotação da commodity fechou em alta de 1,5%, mas chegou a ser negociada a US$ 11,03 o bushel, maior patamar em 34 anos.

Para apoiar este movimento, dados reportados pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos indicaram uma elevação de 39% nas exportações do produto na última semana, com 1,81 milhão de toneladas vendidas pelos produtores norte-americanos ao mercado externo.

PUBLICIDADE

Em adição, projeções apontam para uma queda na produção chinesa do produto. Estimativas relacionam a possibilidade da produção do país neste ano encerrar a 14,3 milhões de toneladas, queda de 12%. Caso confirmado, este volume representaria o menor nível produzido na China desde 1999, fator que alimenta perspectivas de elevação da demanda do país pela commodity.

Contratos avançam

A soja para entrega futura em janeiro teve alta de 1,5%, fechando a US$ 11,00 o bushel na Chicago Board of Trade.

Os contratos futuros da commodity já acumulam sete semanas seguidas de alta. No ano passado, a cotação do produto registrou 63% de valorização.