Conteúdo editorial apoiado por

Renda fixa americana terá novo “desempenho de Bolsa” em 2024, projeta Pimco

Gestora espera que o Federal Reserve comece a cortar as taxas de juros até meados do ano

Bloomberg

Sede da Pimco na Califórnia, EUA (Bloomberg)

Publicidade

Os investidores de renda fixa americana ainda podem obter retornos similares aos da Bolsa em 2024, apesar das fortes quedas nos retornos em relação aos máximos do ano passado, avalia a gestora Pimco, que administra US$ 1,7 trilhão em ativos.

Em relatório de projeções para os próximos seis a 12 meses, a casa prevê que os ganhos recentes do mercado de dívida não vão crescer a ponto de justificar o aumento da exposição às taxas de juros – mantendo recomendação feita em outubro –, mas ainda serão sustentados em nível alto.

Retornos globais em renda fixa estão “de volta aos intervalos esperados”, com a inflação e os riscos de crescimento “mais simétricos”, escrevem a economista Tiffany Wilding e o diretor de investimentos para renda fixa global Andrew Balls. “Neste ponto, não vemos a extensão das durations como uma negociação tática convincente.”

Oferta Exclusiva

CDB 150% do CDI

Invista no CDB 150% do CDI da XP e ganhe um presente exclusivo do InfoMoney

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Em vez disso, os retornos favorecem “uma série de oportunidades com potencial para resistir a múltiplos cenários macroeconômicos”, tornadas possíveis pelos rendimentos ainda perto dos máximos dos últimos 15 anos. A Pimco prevê “uma mudança descendente em direção à estagnação ou contração moderada” em 2024, com os EUA registrando desempenho melhor do que a Austrália, o Reino Unido e a zona euro, cujas economias são mais sensíveis às taxas de juros.

“Se as atuais condições econômicas persistirem, os títulos de renda fixa terão o potencial de oferecer retornos semelhantes aos das ações com base nos níveis de rendimento iniciais de hoje”, afirma o relatório. No caso de uma recessão, o mercado de dívida deverá ter um desempenho superior ao das ações e, mesmo se a inflação voltar a subir, “os elevados rendimentos iniciais podem proporcionar um potencial colchão para investimento em dívida”.

A Pimco espera que o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) comece a cortar as taxas de juros até meados do ano, de modo que eventualmente regressem aos níveis anteriores a 2020, ou ligeiramente acima deles.

Mas é cedo para declarar vitória sobre a inflação, que poderá aumentar novamente devido à “recente flexibilização financeira nos mercados”, em conjunto com a força dos consumidores e do setor empresarial. Entre as estratégias que a Pimco defende está uma tendência de inclinação da curva de rendimentos baseada no “aumento da emissão de dívida necessária para financiar grandes déficits”.

Os quase US$ 6 trilhões de dólares alocados no mercado monetário poderão sofrer um rápido declínio nos rendimentos se os bancos centrais começarem a cortar as taxas, diz a Pimco. Os investidores “correm o risco de ter prejuízo ao manter dólares durante muito tempo enquanto tentam cronometrar uma reentrada nos mercados”.

As outras opiniões da Pimco para os próximos seis a 12 meses incluem:

© 2024 Bloomberg L.P.

Newsletter

Quer aprender a investir – e lucrar – no exterior?

Inscreva-se na newsletter do InfoMoney para receber informações sobre tributação, procedimentos de envio e sugestões de alocação para seu dinheiro lá fora. É de graça!

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.