Distribuição de lucro

Renda em dólar: conheça os BDRs com retorno em dividendos acima da Selic

Levantamento da Economática mostra 25 BDRs com "dividend yield" a partir de 4,25% ao ano, concentrados nos setores de commodities e financeiro

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Uma das opções para quem está interessado em investir no exterior sem ter de mandar dinheiro para fora do Brasil são os BDRs, ou Brazilian Depositary Receipts, recibos negociados na B3 que representam ações listadas em bolsas estrangeiras. Na prática, ter um BDR se parece muito com ter as ações em si – inclusive quando o assunto é a distribuição de dividendos.

Investidores brasileiros que possuem BDRs também recebem os proventos quando as empresas internacionais os distribuem. Embora valores sejam transferidos para as contas dos investidores já em reais, as companhias calculam e pagam os dividendos em moedas estrangeiras, como o dólar.

É justamente na possibilidade de obter renda em dólares (ou outras moedas) que está um dos principais atrativos dos dividendos de BDRs para os investidores brasileiros. Mas vale a pena investir nesses papéis com foco na distribuição de proventos?

Existem quase 700 BDRs disponíveis para negociação na B3, mas nem todas as empresas têm por política pagar dividendos. Enquanto no Brasil está prevista em lei a distribuição obrigatória de proventos quando as companhias registram lucro, em outros países a situação é diferente. Reportagem publicada no InfoMoney em agosto de 2020, por exemplo, mostrou que algumas das companhias com maior valor de mercado nos Estados Unidos não pagam dividendos há mais de 10 anos – em certos casos, desde o IPO (oferta pública inicial na bolsa de valores).

Leia também:

É o caso de empresas que lastreiam alguns dos BDRs mais badalados na B3. A Alphabet, dona do Google, por exemplo, informa em seu site de relações com investidores que nunca declarou ou pagou dividendos nas suas ações. “O uso primário do capital continua ser investir no crescimento do negócio no longo prazo”, informa a empresa.

Um levantamento da Economatica, plataforma de informações financeiras, listou os BDRs com as maiores taxas de retorno em dividendos – ou dividend yield. Na conta, foram considerados os valores pagos em proventos nos 12 meses até 14 de junho de 2021 e a cotação dos papéis nessa data. O dividend yield é um percentual que representa a rentabilidade que o investidor teria apenas com a distribuição de dividendos, e costuma ser comparado à taxa de juros (embora não se trate de uma aplicação de renda fixa).

Atualmente, segundo a Economatica, existem 25 BDRs com dividend yield superior à taxa Selic, que foi elevada nesta quarta-feira (16) para 4,25% ao ano. Confira:

PUBLICIDADE

O levantamento mostra que nenhum dos BDRs de maior destaque em dividend yield coincide com os mais negociados pelos brasileiros na B3, que nos últimos 12 meses foram os papéis de Tesla Motors, Mercado Livre, Apple, Amazon, Microsoft, Facebook, Alphabet (dona do Google), Alibaba, Walt Disney e Berkshire Hathaway, gestora do investidor Warren Buffett.

Para Fernando André Martin, analista de ações da Levante Ideias de Investimento, faz sentido. “O Brasil é relativamente bem servido de empresas de valor, que costumam pagar bons dividendos. Temos excelentes opções no setor elétrico, de telefonia, de commodities”, afirma. “Encaramos os BDRs como uma forma de ter exposição a empresas de setores que são raros aqui”.

É o caso do segmento de tecnologia. Martin ressalta que embora tenham acontecido ofertas iniciais de algumas empresas do setor na B3 do ano passado para cá, elas ainda são poucas e muitas saíram a um preço elevado. “Muitas delas ainda não lucram. Precisarão crescer e ganhar margem para, então, começar a apresentar resultados. Somos mais céticos com elas do que com Facebook ou Google, por exemplo”.

Calcule sua renda com FIIs
Baixe uma planilha gratuita que mostra o retorno com dividendos de uma carteira de fundos imobiliários:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.

Entre os BDRs com maior dividend yield se destacam os de empresas de setores tradicionais, como indústrias de commodities e instituições financeiras. É o caso da Ternium, por exemplo, que atua no setor siderúrgico, pertence ao grupo ítalo-argentino Techint e é uma das acionistas da Usiminas. Ou da Rio Tinto, multinacional anglo-australiana posicionada entre as maiores mineradoras do mundo, junto com a BHP – que, aliás, também está na lista.

Há ainda bancos e instituições financeiras, como Santander, Comerica, Unum Group, Prudential, Morgan Stanley e Nomura, além de empresas de telefonia, como Telefonica e AT&T. Também entraram na lista petrolíferas e empresas fornecedoras do segmento de energia, como Exxon Mobil, Kinder Morgan, Williams Industries, Devon Energy e LyondellBasell.

“Empresas dos setores de commodities têm resultados mais voláteis. Nem sempre pagam dividendos, mas quando o fazem, distribuem valores altos”, diz Vinicius Araújo, analista internacional da XP

Na maioria dos casos, os BDRs no topo do ranking, ressalta Martin, pertencem a setores com presença no pregão da B3, à exceção de um: tabaco. Altria Group e Philip Morris, algumas das grandes empresas do segmento no mundo, pagam bons dividendos e poderiam ser uma opção, considerando que o expoente da área na B3 – as ações da Souza Cruz – deixou de ser negociada no pregão em 2015.

PUBLICIDADE

Leia também:

Distribuir lucro ou reinvestir?

Araújo, da XP, explica que em países como os Estados Unidos há uma cultura entre as empresas de direcionar parte do caixa para programas de recompra de ações, no lugar de distribuí-lo aos acionistas. “O raciocínio da gestão, quando vê as ações sendo negociadas a preços que consideram baixos, é de que vale a pena recomprá-las, porque esperam gerar mais valor do que o mercado precifica”, explica.

Por isso, mesmo empresas consideradas boas pagadoras de dividendos podem, por vezes, distribuir proventos inferiores do que os pagos pelas companhias brasileiras.

Fora isso, muitas empresas – algumas delas grandes e consolidadas – optam por seguir reinvestindo o lucro que obtêm no próprio negócio, com vistas a crescer ainda mais. É o caso, por exemplo, da Berkshire Hathaway. A empresa de Buffett distribuiu dividendos uma única vez, em 1967, mesmo registrando excelentes resultados e acumulando caixa volumoso ano após ano.

O assunto, volta e meia, causa comoção entre os investidores, que questionam a política de não distribuição dos resultados. “Cometi muitos erros em aquisições e cometerei mais. No geral, no entanto, nosso histórico é satisfatório, o que significa que nossos acionistas estão muito mais ricos hoje do que estariam se os recursos que usamos nas aquisições tivessem sido dedicados a recompras ou a dividendos”, escreveu Buffett em 2013, na carta que publica anualmente para seus acionistas.

Os custos envolvidos nos dividendos de BDRs

Para Heloise Fernandes Sanchez, da equipe de análise da Terra Investimentos, concorda que investir em BDRs com vistas aos dividendos pode não ser vantajoso. “Pensando unicamente nos proventos, temos empresas no Brasil com dividend yield superior e negociadas a cotações menores”, afirma.

Além disso, Heloise ressalta que há custos envolvidos no recebimento de dividendos de BDRs, sendo a tributação o principal deles. Nos Estados Unidos, por exemplo, os proventos sofrem uma retenção de Imposto de Renda de 30% lá mesmo.

Fora isso, os dividendos de companhias estrangeiras são também tributados no Brasil como rendimentos recebidos do exterior e estão sujeito ao pagamento de Imposto de Renda pela tabela progressiva, com alíquotas de 7,5% a 27,5%, por meio do carnê-leão.

PUBLICIDADE

No caso específico dos Estados Unidos, o Brasil possui um acordo para evitar a dupla tributação – e, então, como o valor retido no exterior é superior à alíquota do imposto no Brasil, o acionista não precisará pagar o carnê-leão. Mas esse pode não ser o caso de outras jurisdições.

Essa é uma diferença sensível para os dividendos distribuídos por empresas brasileiras, que são isentos de Imposto de Renda.

Calcule sua renda com FIIs
Baixe uma planilha gratuita que mostra o retorno com dividendos de uma carteira de fundos imobiliários:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.