Em onde-investir / poupanca

Você pode tirar dinheiro da poupança quando quiser - mas paga por isso

Roberto Indech, analista-chefe da Rico Investimentos, explica como funciona a liquidez da poupança no programa "Como viver de renda fixa"    

SÃO PAULO - Todo mundo já ouviu que comemorar aniversário antes da data certa dá azar, certo? O que os místicos dizem sobre isso não é um consenso, mas nas finanças uma coisa é certa: sacar dinheiro no "dia errado" da poupança te faz perder um mês inteiro de rentabilidade e, isso sim, é um grande azar no seu orçamento.

Azar porque a poupança já rende muito pouco e em muitos anos perde até mesmo para a inflação - ou seja, ela não traz ganho real para o investidor. Além disso, há outro problema que nem todo mundo conhece: se precisar sacar algum valor antes da data de aniversário do depósito, todo rendimento daquele mês é anulado. Na prática, se você depositou no dia 30 de junho, a rentabilidade mensal do dinheiro - de 0,37% hoje - será contabilizada todo dia 30 dos meses seguintes. Se precisar de parte do valor antes dessa data e resgatar antes do dia 30, deixará de ganhar o lucro daquele mês. 

Roberto Indech, analista-chefe da Rico Investimentos, explica melhor como funciona a liquidez da poupança no programa Como viver de renda fixa (no player acima).

                  Se quiser aprofundar os conhecimentos em investimentos de renda fixa, acesse gratuitamente o e-book do Roberto Indech aqui. O curso de renda fixa do analista pode ser acessado aqui

"A caderneta de poupança é uma das formas de investimentos mais usadas pelos brasileiros por não ter custos e riscos baixos. Por outro lado, o rendimento é extremamente baixo e o investidor corre o risco de ficar sem nenhum ganho se fizer a retirada na data errada", destaca Indech. Ele lembra que se o aniversário do depósito na caderneta cair em um sábado, domingo ou feriado, a data é postergada para o próximo dia útil, prolongando ainda mais o crédito dos ganhos. 

Levando em consideração os motivos que fazem os brasileiros buscarem a poupança, é possível chegar a conclusão que há outras aplicações que oferecem as mesmas características com ganhos superiores. Os CDBs de liquidez diária, por exemplo, permitem o saque a qualquer momento - sem o tal "mesversário" ou carência de prazos - e rendem em média de 90% a 100% do CDI (atualmente em 6,5%), enquanto a poupança paga só 70% do CDI.

Vale lembrar que os CDBs também contam com a proteção do FGC (Fundo Garantidor de Crédito), assim como a poupança. Essa proteção vale para investimentos até R$ 250 mil - incluindo a rentabilidade alcançada. Qualquer problema que o emissor do título venha a ter que comprometa o pagamento dos investidores será coberto pelo FGC até R$ 250 mil, com teto de R$ 1 milhão a cada 4 anos, por CPF ou CNPJ.

Outra opção é o título Tesouro Selic, que paga 100% da Selic, e mesmo com a incidência de taxa de 0,3% da B3, rende mais que a poupança. Confira simulação de investimento de R$ 5 mil por um ano:

Ativo Aplicação Rentabilidade
bruta em 1 ano*
Imposto de
renda descontado*
Valor para resgate
em 1 ano*
CDB de 90%
do CDI
R$ 5.000 R$ 321,79 R$ 56,31 R$ 5.265,48
Tesouro Direto R$ 5.000 R$ 352,86 R$ 61,75 R$ 5.275,34
Poupança R$ 5.000 R$ 234,21 - R$ 5.234,21

*Simulação leva em consideração aporte de R$ 5 mil em 26 de julho de 2018 e resgate em 26 de julho de 2019

Os ganhos do Tesouro e do CDB, mesmo após o desconto do imposto de renda, superam a poupança. O CDB tem a mesma proteção do FGC e o Tesouro só dá calote se o país entrar em colapso, o que levaria à bancarrota muitos grandes bancos antes disso. Ou seja, o risco é mínimo, como na poupança.

A simulação foi realizada levando em consideração taxa zero de corretagem para aplicação no Tesouro Direto, condição facilmente encontrada no mercado atualmente. 

Quer investir no Tesouro Direto com TAXA ZERO? Clique aqui e abra sua conta na Rico Corretora

 

Contato