PF faz operação contra “nova Braiscompany”, suspeita de golpe de R$ 600 milhões em cripto

Alvo foi a empresa de aluguel de criptomoedas Fiji, baseada em Campina Grande (PB)

Lucas Gabriel Marins

Polícia Federal

Publicidade

A Fiji Solutions, empresa de Campina Grande (PB) que afirma trabalhar com aluguel de criptomoedas e não paga os investidores desde o início do ano, foi alvo de operação da Polícia Federal (PF) na manhã desta quinta-feira (15). A ação visa combater crimes contra o sistema financeiro nacional e de organização criminosa.

No âmbito da operação Ilha da Fantasia – nome que faz alusão à promessa de rendimentos irreais aos investidores feitas pelo grupo –, agentes cumpriram oito mandados de buscas e apreensão, além de três de prisão preventiva, em endereços ligados ao negócio.

Um dos mandados foi aberto contra o fundador da Fiji, o empresário Buenos Aires. Aires, no entanto, foi preso ontem pela Polícia Civil, no Rio de Janeiro, por suspeita de abuso sexual infantil.

Planilha Gratuita

Fuja dos ativos que rendem menos com essa ferramenta gratuita

Baixe a Calculadora de Renda Fixa do InfoMoney e compare a rentabilidade dos ativos

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

A PF estima que os operadores do esquema movimentaram R$ 600 milhões nos últimos três anos. “Os investigados captaram recursos de clientes prometendo pagamento de remuneração expressiva que seria obtida através de operações de compra e venda de criptoativos”, disse a instituição em nota.

Entenda o caso

A Fiji formalizava contratos de locação de criptoativos e prometia pagamentos fixos mensais por meio de um modelo de negócio insustentável, semelhante a golpes como Braiscompany, também de Campina Grande; GAS Consultoria, de Cabo Frio (RJ); e Rental Coins, de Curitiba (PR).

A empresa não paga os investidores desde fevereiro deste ano. Em abril, o Ministério Público da Paraíba (MPPB) entrou com uma ação civil pública contra a Fiji Solutions e pediu o bloqueio de quase R$ 400 milhões do negócio, o que foi acatado pela Justiça.

Continua depois da publicidade

“Com efeito, tem-se que o modelo de negócios desenvolvido pela Fiji é extremamente turvo, desde o objetivo do empreendimento em si (a gestão de criptoativos), bem como as suas práticas ou mesmo seu histórico de operações”, escreveu o promotor Sócrates da Costa Agra na ação, que o InfoMoney teve acesso.

A reportagem não localizou as defesas da Fiji e de Buenos Aires.

Lucas Gabriel Marins

Jornalista colaborador do InfoMoney