Ranking do ano

Os investimentos mais rentáveis de 2019: ações de small caps lideram, com alta de 58%

Ações de pagadoras de dividendos e BDRs também estão entre as maiores valorizações do ano

loja casas bahia shopping via varejo
(Shutterstock)
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Foi o ano da renda variável. Enquanto o rendimento de aplicações conservadoras de renda fixa ficou abaixo de 6% em 2019, índices de ações, fundos imobiliários e fundos multimercado fecharam com retornos de dois dígitos, prolongando o ciclo de ganhos dos investidores que decidiram arriscar.

Além do otimismo com a retomada da economia brasileira nos próximos anos, a forte demanda dos brasileiros por ativos de mais risco foi um motor para as altas. No fim de 2018, havia cerca de 810 mil investidores pessoas físicas na Bolsa brasileira, a B3. A última atualização disponível, de novembro de 2019, coloca esse número em 1,59 milhão.

No topo do ranking de retornos de 2019, ficou o índice Small Cap (SMLL). Criado em 2005 pela Bolsa, o referencial reúne ações de empresas de menor capitalização de mercado e terminou o ano com alta de 58,2%. O resultado ficou bem acima do Ibovespa, principal índice de ações do país, que subiu 31,6%.

Entre as 73 empresas que compõem o SMLL, nenhuma ultrapassa hoje R$ 15 bilhões em valor de mercado. Para efeito de comparação, a Petrobras, a maior da Bolsa brasileira atualmente, está avaliada acima dos R$ 400 bilhões no mercado.

Essa foi a segunda maior valorização anual do SMLL. Em 2009, o índice subiu 137,5%, logo após marcar uma queda de 53,2% em 2008, seu recorde negativo. Esses dois anos evidenciam a forte volatilidade das small caps.

Por isso, a recomendação dos especialistas é que o investimento nessa classe seja bem calibrado, para que o investidor não se exponha tanto às oscilações. “São papéis indicados para perfis agressivos e com foco no longo prazo”, afirma o assessor de investimentos Renan Hamilko, sócio da Allez Invest.

Para um investidor com apetite a risco que tenha 30% dos investimentos em renda variável, ele considera recomendável aplicar em small caps de 5% a 10% do portfólio. “É um pouco mais arriscado, a liquidez e disponibilidade de informação não é tão grande. Mas o potencial de retorno compensa”, avalia.

Em segundo lugar no ranking, o Índice Dividendos (Idiv) fechou o ano com alta de 45,2%. Na composição do portfólio, o índice é considerado a antítese do SMLL. Isso porque as companhias que são boas pagadoras de dividendos tendem a estar em um estágio mais maduro, em que não há tanto espaço para as valorizações explosivas, mais buscadas entre as small caps.

“Os dois têm funções opostas. Em tese, as ações que têm foco em dividendos são mais previsíveis e os ganhos são potencializados ao se reinvestir os proventos”, explica Henrique Bousquat, assessor da All Investimentos.

Leia também:
• Onde Investir 2020: evento reúne Arminio Fraga e alguns dos maiores especialistas em finanças do país

Em terceiro lugar no ranking do ano está o Ifix, cesta que mede o desempenho dos fundos imobiliários, que subiu 36%, seguido do BDRX, índice de BDRs (recibos de ações de empresas estrangeiras negociadas na Bolsa brasileira).

Além das valorizações das empresas que integram o BDRX, a alta de 4% do dólar contribuiu para o bom retorno, já que os BDRs embutem a variação do câmbio em seu preço.

Completa o quadro da renda variável o ouro, que andou 28,1%, procurado por investidores como proteção em tempos de maior incerteza, e de 10,7% do IHFA, índice de fundos multimercado calculado pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima). O IHFA reflete carteiras de fundos multimercados com maior exposição a risco.

Ganhos com títulos públicos

Os investimentos em renda variável não foram os únicos que se beneficiaram da queda dos juros no país.

Entre os ativos de renda fixa, os títulos públicos atrelados à inflação registraram uma valorização de 22,9%, na cesta IMA-B, da Anbima. A forte valorização se deve ao movimento de redução das taxas de juros no país.

Isso acontece por conta da “marcação a mercado”, isto é, o valor que os títulos têm se forem vendidos antes do prazo de vencimento. Quanto mais os juros caem, mais os títulos se valorizam. O título público Tesouro IPCA+ 2045, por exemplo, teve valorização de quase 60%.

Os prefixados da IRF-M, que seguem raciocínio similar, porém com foco em títulos com retornos prefixados, registraram alta de 12%.

Já o IDA, composto por debêntures (títulos de dívida privada) atrelados ao DI e ao IPCA, teve alta de 8,4%.

Destaques entre as small caps

Por trás da escalada do SMLL estão as valorizações de empresas como Eneva, Via Varejo e Qualicorp, que subiram respectivamente 171%, 154% e 243%. A maior valorização no índice foi registrada pelo Banco Pan, que disparou 451% – o peso da empresa no índice, no entanto, é de apenas 1%.

Em relatório relativo ao mês de novembro, a Vinci Partners afirmou que a Eneva “demonstrou estar atenta a várias oportunidades de crescimento em projetos que devem gerar bons retornos aos acionistas.”

Já a Via Varejo foi destaque de relatório da Ibiuna Investimentos, também em novembro. “A companhia continua trabalhando para resolver seus problemas internos e capturar o valor de suas marcas”, escreveram os gestores.

Por fim, os papéis da Qualicorp sofreram em 2018, quando a empresa teve problemas de governança envolvendo o presidente da empresa e principal acionista, Jose Seripieri Filho. As ações vêm se recuperando e ganharam fôlego extra em agosto de 2019, após Seripieri concordar em vender uma fatia e deixar o cargo de presidente da empresa.

Entre os índices setoriais de ações, o maior ganho foi do Índice Imobiliário (Imob), que disparou cerca de 70%, com destaque para papéis da MRV, Cyrela e Even.

Os setores de consumo e energia elétrica também se destacaram, com altas superiores a 50%.

Aproveite as oportunidades para fazer seu dinheiro render mais: abra uma conta de investimentos na XP – é de graça