Certeiro

O novo alvo do Sniper da Bolsa: Localiza entra no fundo de apenas 2 ações que rendeu 331% em 5 anos

Neo Future, fundo voltado a investidores qualificados com alma de acionistas, mudou o portfólio neste ano

SÃO PAULO – Diversificação como ferramenta não é a praia do gestor Henrique Alvares, do Neo Future. Com alma de acionista, sua estratégia é examinar minuciosamente apenas 15 empresas que considera excelentes, em setores que oferecem altíssimo potencial de crescimento, para então selecionar os pouquíssimos papéis que comporão a carteira do fundo – no momento, apenas dois. Em geral, Henrique e sua equipe também participam dos conselhos das empresas em que investem, buscando auxiliar o crescimento sustentável do negócio. Tem funcionado: lançado em 2012, o Neo Future demonstrou a assertividade de um “sniper” ao oferecer lucro de 331% ao seleto grupo de 100 investidores que detêm cotas.

Em maio de 2017, Henrique contou em entrevista ao InfoMoney que as únicas ações dentro do fundo eram Anima e CVC. Antes disso, o Neo Future chegou a ter ativos da Bematech, as quais só saíram do fundo na ocasião da compra pela Totvs. Mas o cenário mudou: neste ano, os papéis da Anima deixaram o portfólio do “sniper da bolsa” e deram espaço a um novo alvo: a rede de locação de automóveis Localiza, que agora ocupa o fundo ao lado da operadora de turismo.

“A gente já vinha, como sempre vem, estudando opções. Tivemos boas conversas com os acionistas, entendemos que estamos imbuídos de um objetivo comum e tomamos a decisão de fazer um investimento na Localiza”, contou Henrique em nova conversa com o InfoMoney realizada em agosto deste ano. Ele e a trupe do Neo Future ainda não fazem parte do conselho da empresa, mas estão trabalhando para merecer esse posto. “Temos que ser convidados, só trabalhamos assim”.

PUBLICIDADE

Por que Localiza

Antes de selecionar a ação que vai entrar no fundo, a equipe foca em identificar um mercado dinâmico, cujas características permitam expansão constante, além de sobrevivência no longo prazo. Isso vale para ambas as empresas do fundo: “viagem sempre vai existir, você ter que ir de A até B sempre vai existir”, comenta o gestor. “Não é o desafio de estar em um mercado que vai deixar de existir, mas sim o de ser o melhor”.

Ainda na escolha do setor, também considera importante identificar certa fragmentação entre os players – embora costume escolher as líderes de cada um – para que haja ainda mais espaço de captura de market share. Nesta frente, ele vê a Localiza com potencial de crescimento principalmente em aluguel de frotas, já que é inequívoca a liderança da empresa na locação de veículos em si.

Quer investir em fundos? Abra uma conta na XP.

Após selecionar o mercado, a escolha da ação não é tão simples quanto identificar quem é a líder. Em uma quantidade não divulgada de encontros com os representantes de cada “candidata” ao fundo, a Neo busca entender o nível de congruência que os executivos e acionistas originais possuem com sua proposta. Entre os aspectos estudados estão, por exemplo, capacidade de adaptação ao futuro, congruência com a missão de negócio e a jornada da empresa ao longo do tempo – como diz Henrique: o filme, não a foto. “Não é um evento específico, sempre uma sequência de eventos que levam a uma determinada direção”.

Longo prazo

Também essa metáfora do filme é usada por Henrique para explicar tanto a saída do fundo da Anima quanto os resultados que espera das ações em que aposta. Sobre a educacional, o gestor é só elogios: considera a empresa especialista na formação de um aluno com perfil de gerente, e crava: “é disso que precisamos hoje em dia: formar mão de obra para pensar, e com escala”.

Dito isto, ele garante que a retirada da carteira é apenas uma “pausa” no vídeo, decisão tomada de comum acordo entre as partes: “chegou o momento da jornada da Anima que a gente ajudaria mais fora do que dentro”, diz. “Para quem vê de fora, é uma foto, uma decisão mais dura, mas quem viu o filme sabe que não acaba na conclusão”. Vale destacar que, ao longo do ano, as ações da Anima caíram cerca de 50% desde a máxima. Embora o gestor não tenha revelado o momento exato que a empresa deixou o Neo Future, pela performance do fundo é provável que a venda tenha sido feita antes ou pelo menos no início desta forte queda.

PUBLICIDADE

Já quanto aos resultados das empresas que fazem parte do fundo, a missão do gestor e sua equipe é entender – e fazer os cotistas entenderem também – a história como um todo, vislumbrando o futuro. “As pessoas estão com muita ansiedade, acham que tudo vai mudar nos próximos 90 dias – ou que nada vai mudar”, opina Henrique. Como a proposta do Neo Future é segurar apenas duas empresas e trabalhar para que elas cresçam, é necessário que o cotista compreenda quando houver uma aparente “demora” na reação dos papéis (e consequentemente o retorno do fundo).

A ação da Localiza (RENT3) viu queda de 7,75% no acumulado de agosto, o que totaliza resultado negativo em 0,45% desde o início de 2018. A situação da operadora de turismo CVCB3 no mesmo período parece ainda mais dramática: após a divulgação dos resultados trimestrais, os papéis despencaram. A queda no mês é de 4,35%; no acumulado do ano, a perda é de 11,71%. Nenhum desses números abala Henrique.

“É uma reação para um período de tempo muito curto. Se você olhar para essa dinâmica [queda das ações da CVC] em 12 meses, ela já não é verdadeira”, destaca. Nesta comparação, a RENT3 subiu 14%; a CVCB3, 9%. “O mínimo período que a gente tem para tirar uma conclusão de mercado é 12 meses”, sugere. Mais que isso, o foco não deve ser no passado ou no presente, mas sim na capacidade da empresa de gerar um crescimento (e um retorno) sustentável para o futuro.