Balanço mensal

No 3º mês de resgates, Tesouro Direto tem saída líquida de R$ 168,5 milhões em setembro

Tesouro Selic, que havia sido desbancado pelo Tesouro IPCA+ em agosto, volta a liderar preferência de investidores

(CarlaNichiata/Getty Images)
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Pelo terceiro mês consecutivo, o Tesouro Direto, programa de compra e venda de títulos públicos do governo federal, ficou no vermelho, após encerrar setembro com resgate líquido de R$ 168,5 milhões.

O resultado, que é melhor que o registrado em agosto, quando houve uma saída líquida de R$ 1,14 bilhão, se deve às vendas de R$ 1,86 bilhão e às recompras de R$ 2,02 bilhões.

Segundo boletim mensal divulgado nesta sexta-feira (23), após perder a preferência dos investidores em agosto, o Tesouro Selic voltou a ser o título mais demandado no último mês, com cerca de 40% das vendas no período.

Aprenda a investir na bolsa

Na sequência estão os papéis indexados à inflação, com 35,4%, e os prefixados, com participação de 24,7% nas vendas.

Leia também:
Cadeia ou título prefixado de curto prazo? Se tivesse que escolher, Stuhlberger ficaria com a 1ª opção

Investidores seguem dando  preferência a papéis de vencimentos mais curtos. Em setembro, os títulos com vencimento entre um e cinco anos lideraram as vendas, com 45,6% do total.

Os papéis com prazo entre cinco e dez anos representaram 27,8%, enquanto aqueles mais longos, acima de dez anos, ficaram com 26,7% das vendas no mês.

Por Dentro dos Resultados
CEOs e CFOs de empresas abertas comentam os resultados do ano. Cadastre-se gratuitamente para participar:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.

Estoque e investidores

De acordo com o Tesouro, foram realizadas cerca de 403,2 mil operações em setembro, uma queda de 3,9% ante agosto e de 5,6%, na base anual.

Já o estoque do programa alcançou um montante de R$ 61,5 bilhões, um leve aumento de 0,4% em relação ao mês anterior, e um crescimento de 4,6% ante setembro de 2019.

PUBLICIDADE

Os títulos remunerados por índices de preços respondem pelo maior volume no estoque, com 48,8%. Na sequência, aparecem os títulos indexados à taxa Selic, com participação de 31,6% e, por fim, os papéis prefixados, com 19,6%.

No que tange ao número de investidores ativos, isto é, aqueles atualmente com saldo em aplicações no programa, o total chegou a 1.359.609 no último mês, um aumento de 18% nos últimos 12 meses. No mês, o acréscimo foi de 15 mil novos investidores ativos.

Série gratuita do InfoMoney explica a hora certa de entrar e sair de ativos na Bolsa: clique aqui e aprenda como vencer os tubarões do mercado com consistência e segurança