Gestor do fundo Verde

Cadeia ou título prefixado de curto prazo? Se tivesse que escolher, Stuhlberger ficaria com a 1ª opção

“Estamos navegando em cima do abismo”, disse um ressabiado gestor do fundo Verde durante live, em referência ao debate sobre a condução das contas públicas

Luis Stuhlberger, gestor da Verde Asset, durante a Expert 2019
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Em uma situação hipotética em que tivesse cometido um delito, e, em um tribunal, o juiz estipulasse como pena 30 dias de cadeia ou uma posição aplicada em títulos prefixados com vencimento em 2022, o gestor do famoso fundo Verde, Luis Stuhlberger, não teria dúvida: escolheria o xilindró.

A analogia reflete a já conhecida visão preocupada que o gestor reforçou nesta quarta-feira, durante evento promovido pela casa de análise Spiti, quanto ao futuro da política fiscal brasileira no curto prazo.

E se esse futuro for ainda pior do que os prognósticos apontam, poderemos ter uma alta da inflação a ponto de consumir boa parte do rendimento dos prefixados de dois anos, prevê o gestor da Verde.

Aprenda a investir na bolsa

Em referência ao teto de gastos, ele afirmou que o governo caminha sobre uma camada de gelo fino, em que qualquer deslize pode resultar em problemas ainda mais sérios. “Estamos navegando em cima do abismo”, disse um ressabiado Stuhlberger.

Por questões metodológicas, a cesta do IPCA, disse o gestor da Verde, não consegue capturar neste momento a inflação real, sentida pela maior parte dos consumidores no dia a dia.

Tendo ganhado fama no mercado no final dos anos 1990, quando ocorreu a maxidesvalorização cambial, o gestor afirmou que a depreciação de 40% do real em 2020 também pode ser classificada como uma maxidesvalorização cambial, com suas consequências sobre o repasse de preços. A diferença, acrescentou, é que, em 1999, foi de um dia para o outro, e não em alguns meses.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) acumula inflação de 1,34% no ano até setembro, e de 3,14% em 12 meses.

Seja como for, pelos cálculos da Verde, a inflação ponderada corrente está hoje mais perto de 4,5%, chegando a 6% entre os bens que tiveram aumento de consumo na pandemia. “Parte do IPCA está grávido do IGP”, afirmou Stuhlberger. “Podemos ter surpresas negativas na inflação nos próximos meses.”

Em referência ao fundador da SPX, Rogério Xavier, Stuhlberger também fez críticas ao nível para o qual a autoridade monetária levou a taxa básica de juros.

PUBLICIDADE

“Acho que é muita coragem do BC, e espero que seja bem-sucedido”, afirmou Stuhlberger, citando a desvalorização do câmbio na magnitude que ocorreu. “A disfuncionalidade no mercado de câmbio tem as suas consequências.”

Aposta na renda variável

Diante da falta de clareza sobre o cenário de curto prazo das contas públicas, o gestor afirmou que tem preferido não carregar nenhuma grande posição de renda fixa no portfólio neste momento.

“Os prêmios na curva estão grandes, agora, se perguntar se acho que estão exagerados, digo que não. Não acho que eles vão cair [no curto prazo]”, afirmou o gestor.

Por Dentro dos Resultados

CEOs e CFOs de empresas abertas comentam os resultados do ano. Cadastre-se gratuitamente para participar:

Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.

Segundo Stuhlberger, as duas grandes posições hoje na carteira estão na Bolsa local, com cerca de 25% do risco do fundo Verde, e na bolsa americana, com algo perto de 15%.

Ele ressaltou, contudo, que a exposição em renda variável não reflete uma percepção otimista ou pessimista sobre os mercados, mas, sim, uma diversificação considerada natural dentro de um portfólio de investimento de longo prazo. “No limite, em termos de risco, a gente está sempre comprado em bolsa.”

De todo modo, o gestor disse também que, se o Brasil tiver sucesso no controle da expansão da dívida pública nos próximos anos, a Bolsa tem espaço para estar bem acima do nível atual.

Em relação às eleições nos EUA, Stuhlberger afirmou que, embora as pesquisas apontem para uma clara vantagem do candidato democrata Joe Biden, não é possível descartar uma reeleição do republicano Donald Trump.

PUBLICIDADE

Além disso, diante de uma situação tão peculiar como a gerada pela pandemia, com votação recorde pelos correios, o espaço para questionamentos sobre o resultado do pleito aumenta, observou.

Ele acredita que, em vitória do democrata, as bolsas americanas podem passar por algum tipo de realização de curto prazo, mas seguindo ainda com perspectivas positivas em um horizonte de investimento um pouco maior.

Série gratuita do InfoMoney explica a hora certa de entrar e sair de ativos na Bolsa: clique aqui e aprenda como vencer os tubarões do mercado com consistência e segurança