Gênero nos investimentos

Mulheres são maioria em fundos de investimento na América Latina, mas poucas ocupam cargo de liderança

Apenas 37% dos 28 fundos pesquisados tinham mulheres em cargos de alta administração e apenas 25% eram controlados maioritariamente por elas

(Bloomberg)

(Bloomberg) – As mulheres constituem a maior parte da força de trabalho nos fundos latino-americanos, mas apenas uma fração delas alcança cargos de decisão sênior e um número ainda menor possui empresas de gestão de recursos.

Apenas 37% dos 28 fundos pesquisados tinham mulheres em cargos de alta administração e apenas 25% eram controlados maioritariamente por elas, de acordo com um estudo divulgado na quarta-feira pela UNWomen e pela consultoria Value for Women.

Mais da metade dos fundos também não tem ações específicas de recrutamento e promoção de profissionais do sexo feminino.

O compromisso público de investir com maior visão social e de gênero cresceu no setor, mas apenas 43% dos fundos tinham metas específicas para incluir negócios liderados por mulheres em suas carteiras, constatou a pesquisa.

Masculinidade, privilégios e estruturas de classe prevalecem dentro do setor e isso dificulta mudanças sistêmicas, de acordo com a pesquisa, que também incluiu 15 entrevistas com profissionais do setor.

As mulheres não são as únicas a ficar de fora: apenas 11% dos fundos tinham estratégias que abordavam as desigualdades nas populações negra e indígena ou na comunidade LGBTQ.

“Apenas 6% de todos os investimentos de capital de risco e apenas 5% dos financiamentos que chegam à América Latina e Caribe vão para as empresárias”, disse Maria Noel Vaeza, diretora regional da UNWomen, antes da divulgação do relatório, o primeiro publicado pela organização para medir o enfoque de gênero nos investimentos.

A pesquisa foi feita com 72 profissionais de fundos de capital de risco e de private equity, como gestores de carteiras, investidores anjos e grupos de investidores, 28 dos quais responderam. Entre os fundos que divulgaram seu portfólio, os ativos administrados foram em média de US$ 290 milhões.

Transformar a Bolsa de Valores em fonte recorrente de ganhos é possível. Assista a aula gratuita do Professor Su e descubra como.

PUBLICIDADE