Fundos

Mirae Asset planeja lançar 5 novos ETFs no mercado brasileiro a partir do ano que vem

Gestora de ativos mira pessoas físicas em um mercado que ainda não é tão explorado no Brasil

arrow_forwardMais sobre
O CEO da Mirae Asset Brasil, Jisang Yoo (Crédito: Giovana Leme/Mirae Asset)

SÃO PAULO – A Mirae Asset tem planos para lançar no Brasil, a partir do ano que vem, cinco ETFs – Exchange Traded Funds –, que são fundos passivos de índices comercializados como ações. Depois de ser a primeira gestora de recursos a lançar um ETF de renda fixa no mercado brasileiro, a aposta é em promover a diversificação.

Os cinco fundos que a empresa coreana tem planos para abrir no Brasil são: um ETF que acompanha o desempenho de ações de empresas globais de tecnologia de ponta (o Robotics and artificial intelligence ETF); um fundo de Super Dividendos, que segue o desempenho das 100 ações com os maiores dividend yields (dividendo dividido pelo preço das ações) no mundo; o terceiro é um ETF focado em empresas com alto grau de sustentabilidade e governança corporativa; o quarto busca exposição a companhias valorizadas pela geração millennial; e o quinto seria atrelado a um índice setorial ainda não definido.

Segundo Jisang Yoo, presidente da Mirae Asset Global Investments no Brasil, os planos de estruturação dos fundos serão colocados em prática – bem como as conversas com os órgãos reguladores como a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) – assim que houver certeza de que existe demanda para essas modalidades de investimento no Brasil.

PUBLICIDADE

“Já existem diversos investidores brasileiros que criaram contas offshore para investir nos nossos ETFs. A ideia agora é levar esses produtos aos investidores locais sem que eles precisem ir para o exterior para investir”, explica Vitor Batista, chefe de vendas da Mirae Asset.

No Canadá, a Mirae tem um ETF ligado a maconha com mais de US$ 1 bilhão em ativos chamado Horizons Marijuana Life Sciences Index ETF. O fundo não está disponível para investimento dos brasileiros, mas faz muito sucesso entre os estrangeiros atualmente.

Diversificação

De acordo com Jisang Yoo, o momento atual de taxa de juros na mínima histórica no Brasil torna mais difícil para o investidor conseguir bons retornos sem tomar muito risco.

“Antes, o investidor podia praticamente sem risco ganhar um juro real de 10% no Brasil, agora, ele ganha no máximo 2% ou 3% além da inflação. Esse nível de rendimento não é aceitável para qualquer tipo de investidor”, diz.

Fora isso, Yoo lembra que muitos fundos de investimento possuem taxas de administração mais taxas de performance na casa dos 1,5% ou 2%, o que pode eliminar completamente o ganho dos investidores. Esse problema, na visão do executivo, é mitigado nos ETFs, que possuem taxas em torno de 0,3%.

“É por isso que a diversificação será importante e as pessoas buscarão ações, imóveis e produtos internacionais”, avalia. Yoo entende que o mercado de ETFs se beneficia desse cenário, pois é um instrumento fácil de fazer e vender, com taxas de administração muito baixas.

PUBLICIDADE

O executivo ressalta ainda que há muito espaço para crescer no mercado brasileiro, uma vez que há apenas 1 milhão de CPFs cadastrados na nossa Bolsa de Valores. “Nosso alvo são as pessoas físicas. Nós já temos o interesse dos grandes investidores institucionais, que são muito importantes para nós, mas por que não ir atrás do varejo agora?”, questiona.

Invista nos melhores ETFs do mercado: abra uma conta gratuita na XP