BDRs

Mercado Livre, Aura Minerals e Amazon são os BDRs comprados por mais fundos brasileiros; veja outros papéis populares

Já entre os BDRs que receberam os maiores volumes de investimentos dos fundos, em reais, a Meta é a campeã, segundo levantamento da Quantum Finance

Por  Bruna Furlani -

A ampliação da oferta de BDRs (recibos de ações de empresas estrangeiras negociadas no pregão da B3) e a necessidade cada vez maior de diversificação geográfica das carteiras impulsionaram alguns fundos de investimentos a aumentar a parcela alocada no exterior.

Entre as ações preferidas para essa estratégia, a maior procura foi pelo setor de tecnologia, comércio eletrônico e mineração de ouro. Levantamento feito pela empresa de soluções para o mercado financeiro Quantum Finance mostra que os BDRs comprados por um maior número de fundos de investimento em julho de 2021 foram os do Mercado Livre (MELI34) – um total de 314 carteiras adquiriu os papéis durante o mês.

Na sequência, vêm os BDRs da Aura Minerals (AURA33), comprados por 150 fundos em julho, e os da Alphabet (GOGL34), adquiridos por 90 carteiras.

A lista também traz as ações da Meta (FBOK34), conhecida anteriormente como Facebook Inc., da Amazon (AMZO34) e do Alibaba Group (BABA34) entre as mais populares.

Leia mais:
Facebook Inc. muda nome para Meta e quer ser vista além das redes sociais 

Já entre os BDRs que receberam os maiores volumes de investimentos dos fundos, em reais, a Meta é a campeã, com cerca de R$ 1,13 bilhão em valor investido, seguido pelos papéis da Wilson Sons, operadora integrada de logística portuária, com R$ 1,1 bilhão.

Uma das razões da preferência dos fundos por ações de tecnologia pode estar na possibilidade de forte crescimento que essas empresas possuem no longo prazo, já que no curto prazo não costumam gerar caixa. Além disso, a aceleração do processo de inovação tecnológica ao redor do mundo com a pandemia colocou esse segmento como um setor ainda mais necessário, na visão de algumas casas.

Confira os BDRs mais comprados por fundos e o valor investido:

CódigoEmpresa Valor investido pelos fundosNúmero de fundos que compraram os papéis
MELI34MERCADOLIBRE INCR$ 789.038.952,17314
AURA33AURA MINERALS INC.R$ 821.944.503,52150
GOGL34ALPHABET INCR$ 909.262.317,9990
AMZO34AMAZON.COM, INCR$ 1.020.665.694,1989
FBOK34META INCR$ 1.125.621.364,7785
BABA34ALIBABA GROUP HOLDING LTDR$ 246.104.470,5978
MSFT34MICROSOFT CORPORATIONR$ 1.025.578.571,3577
AAPL34APPLE INC.R$ 959.522.584,8176
DISB34THE WALT DISNEY COMPANYR$ 275.809.192,4760
WSON33WILSON SONS LIMITEDR$ 1.054.965.952,7054

Fonte: Quantum Finance

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os dados levam em conta as informações consolidadas de BDRs até 30 de julho deste ano, último data disponível para o recorte do estudo. Para isso, também foram considerados apenas os valores investidos por fundos enquadrados na categoria 555 da Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

BDRs

Segundo dados da B3, o volume financeiro de emissão de BDRs não patrocinados atingiu a casa dos R$ 23,7 bilhões no acumulado deste ano até outubro. O valor é duas vezes maior do que o registrado em todo o ano passado, que ficou em R$ 10,2 bilhões.

Ao longo desse período, o número de investidores com posição em custódia de BDRs passou de 122 mil, no fim de 2020, para 266 mil neste ano – isso levando em conta dados até outubro. Desse total, a parcela de investidores pessoa física segue maior do que a dos investidores institucionais.

De acordo com a B3, havia 263 mil investidores com posição em BDRs não patrocinadas em outubro deste ano, contra 771 investidores institucionais.

Ainda que os institucionais sejam minoria em termos numéricos, a participação deles em termos de valor que possuem sob custódia é bem maior. Em outubro deste ano, por exemplo, os investidores institucionais detinham uma participação de 76% na posição em custódia, enquanto os investidores pessoa física representavam apenas 20,6%.

Quer sair da poupança, mas não sabe por onde começar? Esta aula gratuita com a sócia da XP mostra como fazer seu dinheiro render mais, sem precisar assumir mais riscos.

Compartilhe