Momento oportuno

JPMorgan vê “ponto ideal” em mercados emergentes com dólar fraco

Avaliação é de que um cenário de juros baixos globais e um presidente dos EUA potencialmente menos combativo é favorável para os ativos desses países

(Getty Images)
Aprenda a investir na bolsa

(Bloomberg) — Ativos de mercados emergentes estarão no “ponto ideal” nos próximos meses devido aos juros baixos globais, dólar mais fraco e um presidente dos EUA potencialmente menos combativo, de acordo com o JPMorgan Chase.

Diana Amoa, gestora do braço de investimentos do banco, disse que a dívida de países em desenvolvimento será beneficiada se Joe Biden vencer a presidência e os republicanos controlarem o Senado.

A perspectiva de menos estímulo fiscal sugere juros mais baixos por mais tempo e um período prolongado de fraqueza do dólar, o que pode atrair mais investidores para a classe de ativos, disse.

Aprenda a investir na bolsa

Os títulos do México e da China, que foram afetados pelas guerras comerciais do governo Trump, se valorizaram em antecipação a uma abordagem mais convencional sob Biden. Amoa disse que essa tendência pode durar.

“Esses dois são provavelmente os principais beneficiários”, disse a gestora por telefone de Greenwich, Connecticut. Enquanto isso, “Rússia e Turquia podem ser mais suscetíveis se houver sanções”.

Por Dentro dos Resultados
CEOs e CFOs de empresas abertas comentam os resultados do ano. Cadastre-se gratuitamente para participar:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.

Assim que houver uma decisão sobre as eleições nos EUA, Amoa disse que investidores em mercados emergentes se concentrarão em duas coisas: o coronavírus e a vacina. Quaisquer ocorrências positivas aumentariam ainda mais o apetite por risco.

Por enquanto, ela vê como um incentivo a recuperação dos índices de gerentes de compras em países em desenvolvimento.

Em relação à dívida em moeda forte, Amoa disse que prefere títulos com nota BB, que ainda parecem muito baratos. Suas maiores apostas incluem títulos domésticos do México, Indonésia e África do Sul.

“Com a desvalorização do dólar nos próximos trimestres”, a dívida local de mercados emergentes é uma de nossas principais apostas, disse.

PUBLICIDADE

Você sabe o que é 3×1? Assista de graça a estratégia de opções que busca triplicar o capital investido em um mês