Investir em CRIs ficará mais barato a partir de 2011

Bolsa anunciou mudanças nas taxas cobradas, como queda para 0,001% na taxa de negociação, com valor mínimo de R$ 10 por negócio

SÃO PAULO – As taxas aplicadas a quem investe em CRIs (Certificados de Recebíveis Imobiliários) vão cair a partir de janeiro de 2011, anunciou a BM&F Bovespa nesta sexta-feira (10).

O objetivo da iniciativa é aumentar a eficiência e a liquidez dos mercados de títulos imobiliários, voltado a investidores pessoas físicas, estrangeiros, fundos de pensão, investidores institucionais, bancos e outros investidores qualificados.

Taxas
De acordo com a bolsa, para os investidores que antes pagavam uma taxa de negociação de 0,1% sobre o valor de cada compra ou venda de CRIs, limitada a R$ 40, ela cairá para 0,001% sobre o valor de cada operação, com mínimo de R$ 10 por negócio.

No caso da tarifa de custódia, o que será aplicado é o mesmo do mercado de renda variável. Atualmente, a tarifa é de 0,10% limitada a R$ 1,5 mil ao ano.

Com as mudanças anunciadas pela bolsa, quem tem até R$ 300 mil ficará isento da taxa e, acima deste valor, a custódia variará de 0,013% a 0,0005%. A taxa sobre o valor em custódia será calculada e cobrada mensalmente, com base no valor da carteira do investidor no último dia útil de cada mês.

Os investidores também pagarão uma taxa de manutenção de conta de custódia de CRI de R$ 20 por ano.

Os CRIs
Esses certificados são valores mobiliários com lastro em cédulas de crédito imobiliário, representativas de venda de imóveis residenciais, comerciais ou de lotes urbanos, aluguéis de shopping centers e prédios comerciais.

Apesar de a lei que o constitui ser de 1997 – nº 9.514, que dispõe sobre o sistema de financiamento imobiliário, institui a alienação fiduciária de coisa imóvel e dá outras providências -, ele ainda é um produto novo no Brasil, que começou a se desenvolver há cerca de quatro anos, quando os players do mercado começaram a se preparar para ele.

O papel é feito para o aplicador qualificado, que tem um investimento mínimo de R$ 300 mil. No entanto, os pequenos investidores podem aplicar através de fundos em CRI, que têm cotas em valores menores, de R$ 10 mil. Além disso, a legislação já permite que se emitam CRIs abaixo de R$ 300 mil, mas existem regras que acabam sendo difíceis de serem atendidas. Por isso, o mercado acaba não fazendo isso.

PUBLICIDADE

De qualquer forma, o CRI é uma modalidade indicada para quem gosta do setor imobiliário, quer investir em longo prazo e com boa rentabilidade.