Cenário político benigno

Hedge funds já não esperam caos em eleições nos EUA

De olho em derrota de Donald Trump, gestores adotaram estratégias como a compra de ações de valor a apostas em commodities para lucrar com resultado

(Mario Tama/Getty Images)
Aprenda a investir na bolsa

(Bloomberg) — Para gestores de hedge funds, preparativos para o caos nas eleições presidenciais nos Estados Unidos dão lugar a estratégias para capitalizar uma vitória democrata.

A apenas seis dias da votação final, vários fundos de peso veem o ex-vice-presidente Joe Biden levando a presidência e também a possibilidade da chamada onda azul – cor do Partido Democrata – na qual republicanos também perderão o controle do Senado.

Gestoras de ativos como UBS O’Connor, Harvest Volatility Management e MKP Capital – com um total de mais de US$ 12 bilhões em ativos – dizem que é provável que o presidente Donald Trump deixe o poder e adotaram uma série de estratégias, desde a compra de ações de valor a apostas em commodities para lucrar com o resultado.

Aprenda a investir na bolsa

“Estamos obcecados com isso nos últimos três meses”, disse o diretor de investimentos do UBS O’Connor, Kevin Russell. “Esta eleição, que foi um evento de risco tão grande e óbvio, está se transformando em um cenário muito mais benigno do ponto de vista do risco.”

Por Dentro dos Resultados
CEOs e CFOs de empresas abertas comentam os resultados do ano. Cadastre-se gratuitamente para participar:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.

No entanto, apesar de todo o consenso sobre a direção das eleições, os fundos são cautelosos em garantir que manterão os ganhos já obtidos em um 2020 difícil. Não estão depositando tudo numa grande aposta, porque há chance de surpresa no final da campanha – como mostra a história eleitoral recente – ou um resultado contestado.

Como grupo, os hedge funds têm histórico irregular em termos de previsão nos mercados nos últimos anos. Os retornos da indústria de US$ 3,3 trilhões estão abaixo do S&P 500 em 2020 e ficaram aquém do índice acionário dos EUA em quatro dos seis anos anteriores, segundo dados compilados pela Bloomberg.

Gestores de hedge funds parecem seguir o clima em Wall Street. O Índice de Volatilidade da Cboe – conhecido como “indicador do medo” do mercado acionário – mostra desempenho relativamente moderado neste mês, em grande parte porque traders apostam em uma vitória de Biden.

Embora alguns analistas de Wall Street se concentrem nos possíveis benefícios da agenda dos democratas, como maior estímulo fiscal, outros se mostram preocupados que aumentos de impostos possam afetar os lucros corporativos.

O investidor bilionário Stan Druckenmiller disse em conferência na terça-feira que uma ampla vitória dos democratas e o espectro de impostos mais altos e inflação pesarão sobre as ações nos próximos anos.

PUBLICIDADE

Quer descobrir como alguns investidores conseguem rentabilidades maiores que as suas? Assista de graça ao treinamento do professor Leandro Rassier para o InfoMoney