HASH11 deixa piores dias para trás e se aproxima de virada em 12 meses — o que isso significa?

Pior momento das criptos em 2022 começa a se diluir no desempenho de longo prazo do ETF, que segue como o segundo maior em número de cotistas do Brasil

Paulo Barros

(Fokusiert/Getty Images)

Publicidade

Segundo maior fundo de índice (ETF) da Bolsa brasileira, o HASH11 está próximo de uma aguardada virada: após amargar forte queda do mercado cripto em 2022, o produto da Hashdex deve, em breve, registrar ganhos na janela de 12 meses.

O movimento vem após recuperação acentuada do Bitcoin (BTC) e do Ethereum (ETH) neste ano, duas criptomoedas que compõem o maior percentual da cesta do índice rastreado pelo fundo: atualmente, elas têm 97% de peso no portfólio, sendo 64% em BTC e 33% em ETH.

Em 2023, o Bitcoin acumula alta de cerca de 55%, e o Ethereum valoriza na casa dos 45%. Esses resultados, no entanto, ainda não fazem o HASH11 ter desempenho positivo em 12 meses: nesta segunda-feira (12), o produto registra retorno negativo de -10,55%.

Oferta Exclusiva

CDB 150% do CDI

Invista no CDB 150% do CDI da XP e ganhe um presente exclusivo do InfoMoney

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Isso se dá por conta da dinâmica do ano passado: o segundo semestre, que foi mais marcado por prejuízos no setor cripto, ainda não aparece no comparativo anual. Mas o momento de virada está se aproximando.

“Mantido o preço atual, a partir de meados de junho, o HASH11 passará a registrar um retorno de cerca de 30% em 12 meses. Acreditamos que isso pode atrair a atenção e a procura por parte dos investidores”, disse João Marco Cunha, gestor de portfólio da Hashdex, quando o Bitcoin era negociado a cerca de US$ 27 mil, aproximadamente 4,5% acima do preço desta segunda-feira.

As criptomoedas recuaram na última semana após a Securities and Exchange Comission (SEC), que regula valores mobiliários nos EUA, processar Binance e Coinbase e apontar que 12 criptomoedas são títulos não registrados. Poupado pela SEC, no entanto, o BTC não caiu como as criptos menores.

Continua depois da publicidade

Analistas elogiam a manutenção do suporte de preço da moeda digital na região dos US$ 25 mil, reforçando ainda mais sua participação de mercado frente a criptos de menor relevância. “Um fato importante é que a dominância do Bitcoin aumentou mais de 4% na última semana, movimento que não era visto desde março, quando o sistema bancário começou a demostrar instabilidade”, ressalta Thiago Rigo, da Titanium Asset.

A resiliência da criptomoeda, portanto, ainda deixa na mesa a possibilidade de manutenção dos ganhos dos ETFs de criptomoedas em 2023. No caso do HASH11, isso deve significar a virada para alta anual de dois dígitos nos próximos dias.

Por que a janela de 12 meses é importante?

Segundo especialistas, a janela de 12 meses é uma das variáveis mais consultadas por brasileiros no processo de tomada de decisão de investimento.

Para aqueles com mais apetite ao risco, um desempenho negativo nessa medida pode apontar para oportunidades de alocação, dado que a possibilidade de ganhos no longo prazo se torna mais atrativa.

Já os investidores mais conservadores tendem a se sentir mais confortáveis em aportar apenas quando um determinado ativo apresenta alta no período anual. “Um bom resultado nessa janela pode deixar os assessores mais confortáveis para recomendar determinados produtos”, reforça Cunha.

O movimento já pode ter começado. A Hashdex afirma que observa maior interesse por seus produtos, com o total de aplicações nos fundos da casa crescendo mais de 80% de abril para maio.

“O bom desempenho no ano é, certamente, um dos fatores que explica esse movimento. Podemos dizer que, apesar de o momento do mercado em geral ser de redução de risco nas carteiras e de alocação em ativos de renda fixa, há um crescente interesse pelos fundos e ETFs da Hashdex”, explica João Marco Cunha.

Por outro lado, Guilherme Kinzel, head da Transfero Gestora de Recursos, recomenda que os investidores ajam com prudência e mantenham um olhar atento sobre o mercado norte-americano, independentemente de os ETFs atingirem ou não o ponto de breakeven em um período de 12 meses.

“Recomendamos olhar para o futuro: caso ocorra uma rápida queda na inflação americana, as expectativas podem mudar drasticamente, indicando a possibilidade de cortes mais rápidos na taxa de juros dos Estados Unidos, o que poderia ocorrer ainda em 2023. Na conjuntura atual, acreditamos que para criptoativos há maior espaço para surpresas upsides (de alta)”, avalia.

O mercado aguarda com cautela a divulgação do dado de inflação ao consumidor nos EUA referente ao mês de maio na terça-feira (13), e, para quarta-feira (14), espera por novidades sobre a política monetária americana em fala de Jerome Powell, presidente do banco central do país.

Raio-X do HASH11

Lançado em 2021, o HASH11 é o primeiro e maior ETF da Bolsa com exposição a criptoativos. O produto vem perdendo cotistas ao longo de 2023, mas segue como o segundo com o maior número de investidores da B3, atrás apenas do IVVB11, que rastreia o índice de ações americanas S&P500, e à frente do BOVA11, que acompanha o Ibovespa.

Evolução de cotistas HASH11 em 2023 (até 31 de maio):

Período Q. cotistas
Janeiro 2023 146.359
Fevereiro 2023 144.042
Março 2023 140.282
Abril 2023 138.767
Maio 2023 137.061

Fonte: Economatica

O HASH11 reflete o desempenho das criptomoedas que compõem o índice Nasdaq Crypto Index (NCI), criado para representar o mercado de criptoativos.

Apesar de investir em vários ativos digitais, o índice vem aumentando nos últimos meses a participação em Bitcoin e Ethereum como estratégia de busca por segurança dentro do universo cripto: apesar de bastante voláteis frente a ativos tradicionais, essas moedas digitais são as mais estáveis do setor.

O patrimônio do HASH11 é hoje distribuído em nove criptomoedas de acordo com os seguintes pesos:

A maior concentração em Bitcoin ajudou o HASH11 a navegar bem a alta da criptomoeda em 2023. Quem comprou cotas do ETF na virada do ano registra lucro de 43,92% até aqui, em ganhos que chegaram a superar os 50% no final do primeiro trimestre.

Nos últimos 12 meses, o produto ainda acumula 10,55% de perdas. Mas, mantidos os preços atuais, o simples avanço no calendário deve fazer esse número mudar: em 13 de junho do ano passado, o Bitcoin teve forte sell-off e atingiu os US$ 19 mil, 26% abaixo da cotação desta segunda-feira.

Retorno do HASH11:

Janela Retorno (em %)
Maio 2023 -5,61
1º tri 2023 50,16
Em 2023 43,92
Últimos 12 meses -10,55

Fonte: Economatica

Paulo Barros

Editor de Investimentos