Em onde-investir / fundos-de-investimento

BlackRock reduz taxa de administração do principal ETF da Bolsa brasileira

Custo do BOVA11 passa de 0,54% para 0,30% a partir de sexta-feira e se iguala à taxa do concorrente do Itaú

ETF
(Shutterstock)

SÃO PAULO – Principal ETF do mercado brasileiro, o "BOVA11", que busca replicar o desempenho do Ibovespa, passa a ter uma taxa de administração anual de 0,30% sobre o patrimônio líquido a partir desta sexta-feira (21), o que representa uma redução em relação aos 0,54% atuais. Com isso, o ETF da BlackRock passa a contar com a mesma taxa do concorrente do Itaú ("BOVV11") e abaixo da Caixa Econômica ("XBOV11"), com custo de 0,50% ao ano.

Dentre os ETFs existentes hoje, as taxas de administração variam de 0,059% ("PIBB11", que busca refletir o desempenho do índice IBrX-50) a 0,69% ("SMAL11", que espelha a trajetória de uma carteira composta pelas empresas de menor capitalização da Bolsa).

Em fato relevante divulgado ao mercado, a BlackRock ainda informou que o regulamento do fundo também foi alterado para aumentar o limite para empréstimo de ações da carteira como um todo, para 40% do patrimônio, e do total a ser emprestado por cada ação detida pelo fundo, para 70%.

O mais líquido

O BOVA11 é o ETF mais líquido da Bolsa. Dados de maio da B3 indicam um volume negociado de R$ 56,4 bilhões no acumulado de 2019, ou 84% do total. O BOVV11 é responsável pela segunda posição em giro, em torno de R$ 7 bilhões neste ano (ou 10,4% do total).

Há hoje no mercado 17 ETFs, dos quais dois de renda fixa. O mais recente deles é o IMAB11 (que busca espelhar o desempenho do IMA-B), do Itaú, cujas cotas começaram a ser negociadas em maio, e ainda não constaram do levantamento da B3.

Investidores institucionais respondem pela maior fatia desse segmento, com 68% do volume negociado em maio. As pessoas físicas respondiam por 11,34% no período.

O mercado conta hoje com cerca de 70 mil investidores, mais do que o dobro de junho de 2018 (30,1 mil). O patrimônio líquido dessa indústria no Brasil é de R$ 18,1 bilhões, dos quais R$ 6,3 bilhões do BOVA11 (BlackRock) e R$ 6,4 bilhões, do BOVV11 (Itaú).

Em breve, o mercado deverá ganhar ainda mais um concorrente, com o lançamento, pela Bram, gestora do Bradesco, de outro ETF para replicar o principal índice da Bolsa. Segundo informações do jornal O Estado de S. Paulo, a proposta será oferecer taxa de administração mais competitiva em relação à dos concorrentes. No site da B3, o novo ETF já consta da lista de fundos de índice de renda variável, com código inicial “BOVB”.

Quer investir em ETFs sem taxa de corretagem? Abra uma conta gratuita na Clear

 

Contato