Fundo quant de criptos destoa do setor com “retorno de renda fixa” no longo prazo; veja ranking de abril

Último mês, no entanto, foi morno para fundos de investimento que alocam em ativos digitais; fôlego das criptos em 2023 está no fim?

Paulo Barros

Publicidade

Fundos de investimento que alocam em criptomoedas tiveram, em abril, seu mês mais fraco de 2023, mas um produto que adota estratégia quantitativa se destacou da multidão e se consolidou como o grande campeão do longo prazo dentro desse segmento.

Segundo dados da Economatica, o Titanium Cripto Structure FI, da Titanium Asset, acumula na janela de 12 meses uma valorização de 12,37% nas cotas — de longe o melhor resultado entre todos os fundos de criptoativos do País.

Depois, com quase a metade do desempenho, aparece o BTG Pactual Reference Bitcoin 20 FI, o segundo maior fundo cripto em número de cotistas, com retorno de 6,8% no período. Líder do segmento em quantidade de investidores, o Hashdex 20 Nasdaq Crypto atingiu 5,56% de alta no último ano.

Oferta Exclusiva para Novos Clientes

Jaqueta XP NFL

Garanta em 3 passos a sua jaqueta e vista a emoção do futebol americano

Em abril, o Structure, da Titanium, também teve o segundo melhor desempenho, com retorno de 2,44%. No mês passado, ele só perdeu para seu “irmão” Titanium Cripto Galaxy FI — que não é quant, mas também aloca em ativos digitais (e em dólar como proteção).

Na sequência, vem o Hashdex Ethereum FI, que investe 100% do patrimônio no ETF ETHE11, e entregou 1,76% em abril na esteira do bom desempenho do Ethereum (ETH) no último mês. O novato Itaú Bitcoin USD FIA, que proporciona exposição indireta a criptos por meio da compra de ações ligadas ao setor nos EUA, teve resultado similar, com alta de 1,75%.

Confira os 12 fundos de criptomoedas com os maiores retornos em abril de 2023

Continua depois da publicidade

Nome Retorno
abr 2023
(em %)
Retorno
mar 2023
(em %)
Retorno
fev 2023
(em %)
Titanium Cripto Galaxy FI Mult Ie 2,50 10,52 1,60
Titanium Cripto Structure FI Mult Ie 2,44 2,51 1,89
Hashdex Ethereum FI Mult 1,76 14,14 -1,56
Itau Bitcoin USD FIA 1,75 * *
BTG Pactual Refer Bitcoin 100 FI Mult Ie 1,73 18,63 3,14
BTG Pact Refer Bitcoin 100 Fc FI Mult Ie 1,68 18,55 3,09
Itau Index Bitcoin Usd Fc em Acoes 1,66 * *
Qr Crypto Factors FI Mult 1,46 11,79 3,30
Hashdex Criptoativos III FI Mult Ie 1,27 14,70 3,71
Empiricus Cripto Prev 20 FI Mult 1,24 3,40 1,79
Hashdex 40 Nasdaq Crypto I Prev FI Mult 1,09 6,93 2,17
BTG Pactual Reference Bitcoin 20 FI Mult 1,01 4,75 1,33

*Sem dados para o período

Fonte: Economatica

Campeão do longo prazo

O fundo quantitativo da Titanium trabalha principalmente com operações de Bitcoin (BTC) e Ethereum (ETH) no curto prazo como meio de driblar os movimentos negativos de preço, como os registrados no ano passado. Para maximizar os lucros, o fundo opera tanto comprado quando vendido nas moedas digitais, a depender do cenário.

As transações são guiadas por algoritmos. Para a gestora, a estratégia do fundo foi chave para que ele alcançasse retorno estável ao longo dos últimos 12 meses, ao contrário da maioria dos demais produtos regulados que investem em criptomoedas.

“Independentemente se vamos ou não aproveitar estratégias de maior ou menos volatilidade, não ficamos posicionados por muito tempo em uma estratégia. A maior parte são trades mais curtos: entradas, saídas, e hedge com opções, contratos perpétuos (de futuros), e aproveitando o mercado funcionando 24 horas por dia”, explica Ayron Ferreira, analista chefe da Titanium Asset.

Com os preços das criptomoedas “andando de lado” em abril, os algoritmos do fundo operaram intervalos curto de negociação do Bitcoin, por exemplo, para aumentar o retorno para o investidor.

O Structure também navegou relativamente bem um momento de baixa liquidez no mercado, cenário que deve se agravar ainda mais com a saída de Jane Street e Jumpt Crypto, duas empresas que atuavam como formadoras de mercado e que desistiram do segmento nesta semana.

Optar por negociar apenas BTC e ETH, conta, Ferreira, é uma das formas de garantir liquidez para as operações.

Confira os 9 fundos de criptomoedas com os maiores retornos em 12 meses:

Nome Retorno
12 meses
(em %)
Retorno 2023
(em %)
Titanium Cripto Structure FI Mult Ie 12,37 10,86
BTG Pactual Reference Bitcoin 20 FI Mult 6,80 13,40
Hashdex Criptoativos I FI Mult 6,62 13,38
Hashdex 20 Nasdaq Crypto Ind FICFI Mult 5,56 13,19
Blp Crypto 20 FI Mult 3,35 12,00
BTG Pactual Referenc Ethereum 20 FI Mult 1,12 7,74
Empiricus Cripto Prev 20 FI Mult 1,01 10,31
Hashdex Ouro Bitcoin Risk Pa FICFI Mult 0,73 17,43
Vitreo Cripto Metals Blend FIC Mult 0,55 9,84

Fonte: Economatica

Fôlego das criptos acabou?

Apesar do destaque para os fundos da Titanium em abril, o último mês foi o mais tímido do ano para os fundos de criptomoedas no Brasil.

Campeão de janeiro, o Hashdex Criptoativos IV FI fechou aquele mês com alta de 45,53%; em fevereiro, o mesmo fundo teve o melhor resultado, mas com ganhos de apenas 7,39%. Em março, o Hashdex Bitcoin I FI ocupou a dianteira com retorno de 21,5%, quase nove vezes mais que o melhor fundo de abril.

“Considero um movimento normal de repouso, até porque não houve grandes novidades em termos de adoção para o Bitcoin [no mês passado]”, comenta Ferreira, da Titanium. “As coisas têm acontecido, mas de forma gradual, de um lado com alguns países se mostrando mais amigáveis, com o MiCA (marco legal) sendo aprovado na Europa, mas os EUA ainda com a SEC pressionando as empresas, e a Coinbase batendo de frente [com o regulador]”.

Já Rodrigo Sgavioli, chefe de alocação e fundos da XP, atribui a queda a um arrefecimento da narrativa do Bitcoin como alternativa ao sistema financeiro tradicional, que ganhou força com a quebra do banco SVB no começo do ano.

Para o especialista, a solução encontrada pelas autoridades americanas de aquisições rápidas dos bancos em crise foi entendida como eficaz pelo mercado para evitar uma falha generalizada, portanto enfraquecendo o apelo da moeda digital.

“Recentemente houve um aumento dessa tese, o que fez que, em um primeiro momento, os movimentos fossem bastante positivos. A crise bancária, até um potencial risco sistêmico no sistema bancário global, criou um novo canal de descorrelação [das criptomoedas] em relação ao comportamento da classe. Mas, como essa questão dos bancos acalmou, acabou impactando negativamente o mercado de criptos no geral”, avalia.

Para ele, as criptomoedas devem agora voltar a ter um movimento mais correlacionado aos ativos de risco, pelos quais também foram puxadas neste ano. “A maior performance no primeiro trimestre foram de ativos de tecnologia, e criptos pegaram muita carona nisso. Por terem um Beta maior que 1 (serem mais voláteis), elas acabaram tendo performance superior aos ativos do mercado de ações”.

DeFi destoa, mas para pior

Os piores desempenhos em abril ficaram com os fundos mais diversificados, refletindo a menor procura por projetos de capitalização de mercado mais baixa (as criptos “small caps“), diante de investidores buscando refúgio dentro do setor, dando preferência a Bitcoin e Ethereum nos primeiros meses do ano enquanto esperam por uma melhoria no cenário macro.

O Hashdex DeFi FI foi o que mais sofreu, com queda de 9,38% no mês. O fundo aposta em criptomoedas do setor de finanças descentralizadas (DeFi), que viu recentemente uma migração de usuários de protocolos mais estabelecidos (e por isso mais investidos por fundos) para soluções mais novas. O movimento impactou diretamente no preço dos ativos no mercado.

“Recentemente houve pouca inovação e aumento de market share nos aplicativos mais conhecidos em DeFi, principalmente nas corretoras descentralizadas, como Uniswap, que compõem grande parte do índice do ETF”, aponta Paulo Boghosian, head de research cripto da TC Pandhora.

Na sequência da lista de perdedores aparece o fundo ativo Hashdex Crypto Top Performers, com recu0 de 6,09% em abril, seguido pelo Hashdex Criptoativos IV FI — o melhor de janeiro e fevereiro —, que encerrou o último mês com queda de 5,96%.

Fundos de altcoins vão virar?

Especialistas têm expectativas mistas sobre o desempenho das criptomoedas menores (também chamadas de altcoins) para os próximos meses. Se, de um lado, traders já começam a abastecer as carteiras de tokens de menor expressão esperando altas explosivas, há quem adote mais cautela.

“Para uma altseason (temporada de altcoins) acontecer, o mercado tem que ficar muito mais claro, muito mais calmo”, opina Ferreira, analista chefe da Titanium. “Se isso acontecer, vai ter altcoin subindo 300%, 1.000%, com o mercado saindo da segurança do Bitcoin”.

Para o caso de uma virada no apetite ao risco do investidor, a Titanium observa de perto rivais do Ethereum, como Cosmos (ATOM), Avalanche (AVAX) e Solana (SOL), assim como ativos do setor DeFi, com a aposta de que, enfim, criptos como Uniswap (UNI) e Aave (AAVE) possam se recuperar.

Confira os 10 fundos de criptomoedas com os piores retornos em abril de 2023:

Nome Retorno
abr 2023
(em %)
Hashdex Defi FI Mult -9,38
Hashdex Crypto Top Performers Fc FI Mult Ie -6,09
Hashdex Criptoativos IV FI Mult Ie -5,96
Qr Crypto Impetus FI Mult Ie -2,87
Ivi Crypto Quant FI Mult Ie -2,56
Empiricus Cripto High Beta Fc FI Mult Ie -2,40
Empiricus Coin Cripto FI Mult -1,62
Hashdex Crypto Lb FI Mult -0,94
Hashdex Ouro Bitcoin Risk Pa FICFI Mult -0,89
Mercurius Crypto Value – FI Mult Ie -0,87

Fonte: Economatica

Paulo Barros

Editor de Investimentos