Conteúdo editorial apoiado por

Fundo da Blackstone registra alta de 30% nas captações com “boom” de crédito privado nos EUA

Fundos de crédito privado se beneficiam de taxas flutuantes em meio à persistência dos juros altos nos EUA, e atrai atenção de investidores

Bloomberg

Publicidade

O fundo de crédito privado de quase US$ 50 bilhões da Blackstone voltado para investidores de alta renda atraiu a maior parte do capital em mais de um ano, em meio a uma recuperação na captação de fundos do tipo nos Estados Unidos.

As captações do Blackstone Private Credit Fund (BCRED) aumentaram 30%, para US$ 2,4 bilhões, no terceiro trimestre até o momento em relação aos três meses anteriores, de acordo com uma carta aos investidores divulgada na quarta-feira (6), a qual a Bloomberg teve acesso.

Atualmente, o rendimento distribuído a cotistas foi de 10,6% ao ano, com base no valor patrimonial líquido das ações ordinárias Classe I do fundo, dizia a carta.

Oferta Exclusiva para Novos Clientes

Jaqueta XP NFL

Garanta em 3 passos a sua jaqueta e vista a emoção do futebol americano

O BCRED é especializado em conceder empréstimos diretos a empresas para financiar aquisições alavancadas. O fundo normalmente oferece empréstimos com garantias (colateralizados) sujeitos a juros flutuantes.

A principal referência para empréstimos com juros flutuantes subiu para cerca de 5,4% ao ano, acompanhando as ações do Federal Reserve, o banco central dos EUA, para combater a inflação.

Um ano atrás, os juros estavam em 3% e, há dois anos, em apenas 0,05% ao ano. Com o spread em relação ao índice de referência também aumentando, alguns empréstimos feitos por fundos de crédito privado passaram a apresentar rendimentos de dois dígitos.

Força na Ásia

As fortes entradas destacam uma ampla recuperação das estratégias de crédito privado no segundo trimestre, durante o qual 34 novos fundos angariaram US$ 71,2 bilhões, mais do dobro em comparação com os três meses anteriores.

Os investidores institucionais em todo o mundo continuaram a alocar mais capital em fundos de crédito privado. Cerca de 45% dos investidores esperam aumentar a sua alocação em crédito privado no próximo ano.

O crescimento do BCRED no terceiro trimestre veio principalmente de indivíduos de alta renda da Ásia e dos EUA, segundo pessoas familiarizadas com o assunto não autorizadas a falar publicamente.

O BCRED tem feito incursões na Ásia, principalmente no Japão, onde a Blackstone fez parceria com o Daiwa Securities Group em abril para lançar uma oferta de fundos.

Foi o primeiro fundo de crédito privado oferecido publicamente no Japão que segue uma estratégia offshore e arrecadou mais de ¥ 40 bilhões (US$ 287 milhões) nos primeiros dois meses.

O produto começou bem após aproveitar a demanda reprimida por esse tipo de produto, mas a procura caiu desde então. Ainda assim, o BCRED continua a registar captações de investidores japoneses de varejo, segundo as fontes. Outras regiões asiáticas incluem Singapura, China, Tailândia e Coreia, segundo uma das pessoas.

Mudança de rumo

Durante quase dois anos, o fundo de crédito privado da Blackstone teve um desempenho impressionante, atraindo bilhões de dólares todos os meses e ajudando a gestora a dominar o setor.

Mas, no final do ano passado, a ameaça de uma recessão atenuou a procura por ativos mais arriscados, como dívidas de empresas altamente alavancadas e acordos de aquisição nos quais o BCRED está envolvido. Por conta disso, a taxa de resgate do fundo atingiu 5% pela primeira vez em sua história.

As retiradas vieram na sequência da notícia de que a Blackstone tinha pedidos de resgate limitados no BREIT, um gigantesco fundo imobiliário da casa que tem uma estrutura semelhante à do BCRED. A maior parte dos resgates veio de investidores asiáticos que realizavam lucros.

Os resgates são estimados em cerca de 2% do fundo na janela de recompra trimestral encerrada em 31 de agosto, o menor percentual desde o segundo trimestre de 2022. O BCRED pretende honrar todas as solicitações de resgate, diz a carta.

Embora o BREIT continue a ser atingido por resgates desde o ano passado, tem limitado o montante que os investidores podem sacar. Em paralelo, os pedidos de resgate também caíram para o nível mais baixo em 10 meses.

Newsletter

Quer aprender a investir – e lucrar – no exterior?

Inscreva-se na newsletter do InfoMoney para receber informações sobre tributação, procedimentos de envio e sugestões de alocação para seu dinheiro lá fora. É de graça!

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.