Central de FIIs

FII NSLU11 adia pagamento de dividendos previsto para maio; Ifix fecha sessão em alta

Com dívida de R$ 27 milhões, o fundo já havia suspendido a distribuição de dividendos em abril

Por  Wellington Carvalho -

O FII Hospital Nossa Senhora de Lourdes (NSLU11) anunciou, nesta quinta-feira (29), a retenção do dividendo que seria distribuído aos cotistas no dia 6 de maio de 2022.

A decisão faz parte da estratégia da carteira para o pagamento da dívida de R$ 27 milhões que o fundo tem com a locatária Rede D’Or. Do montante, segundo os gestores, a carteira já pagou R$ 10 milhões.

Em abril, o fundo já havia suspendido a distribuição de dividendos. A equipe de gestão afirma que o recurso retido de maio poderá ser distribuído até o final do semestre.

A dívida do fundo é resultado de uma ação iniciada pela Rede D’Or, que questionava o valor da locação do imóvel onde funciona o Hospital e Maternidade Nossa Senhora de Lourdes, no bairro do Jabaquara, zona sul de São Paulo (SP), que pertence ao fundo imobiliário.

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ – SP) recebeu a ação revisional em 2016 e o entendimento inicial, em 2019, fixou o aluguel em R$ 1,460 milhão, uma redução de 16,9% na comparação com o valor então vigente.

Como o parecer era provisório, a Rede D’Or seguiu pagando o valor original do aluguel, previsto no contrato, ao longo do restante da tramitação do processo.

No dia 9 de março, porém, o TJ – SP confirmou a decisão e determinou a devolução dos valores pagos a mais pela Rede D’Or. A restituição foi fixada em R$ 27 milhões.

Após o pagamento de parte da dívida – R$ 4,1 milhões – o fundo aprovou nova emissão de cotas da carteira no valor de R$ 26,29 milhões. O recurso captado será usado exatamente para quitar o saldo remanescente da dívida.

IFIX Hoje

Na sessão desta sexta-feira (29), o IFIX – índice que reúne os fundos imobiliários mais negociados na Bolsa – fechou com alta de 0,19%, aos 2.813 pontos. No mês, o indicador acumulou alta de 1,19%. Confira os destaques de hoje:

Maiores altas desta sexta-feira (29)

TickerNomeSetorVariação (%)
BLMR11Bluemacaw Renda+ FOFTítulos e Val. Mob.4,1
VTLT11Votorantim LogisticaLogística2,38
SARE11Santander RendaHíbrido2,09
KFOF11Kinea FoFTítulos e Val. Mob.1,74
SDIL11SDI Rio BravoLogística1,65

 

Maiores baixas desta sexta-feira (29):

TickerNomeSetorVariação (%)
HSLG11HSI LogísticaLogística-2,51
RBRL11RBR LogLogística-0,81
XPIN11XP IndustrialOutros-0,79
RCRB11Rio Bravo Renda CorporativaLajes Corporativas-0,66
SADI11Santander Papeis ImobiliariosTítulos e Val. Mob.-0,6

 

Fonte: B3

Descubra o passo a passo para viver de renda com FIIs e receber seu primeiro aluguel na conta nas próximas semanas, sem precisar ter um imóvel, em uma aula gratuita.

Valora CRI Índice de Preços (VGIP11) aprova oferta de até R$ 250 milhões

O fundo Valora CRI Índice de Preços aprovou, nesta quinta-feira (28), a realização da sétima emissão de cotas da carteira, que planeja captar até R$ 250 milhões.

O valor unitário das novas cotas foi fixado em R$ 94,14 e a taxa de distribuição será de R$ 2,27, totalizando um preço de subscrição de R$ 96,41.

No fechamento do mercado nesta quinta-feira (28), os papéis do Valora CRI Índice de Preços foram negociados a R$ 98,99, com alta de 0,61%.

Cotistas com posição no dia 22 de abril de 2022 terão direito de preferência na oferta, que poderá ser exercido entre os dias 26 de abril e 6 de maio.

O fundo encerrou o mês passado com 98,8% do patrimônio líquido alocado em certificados de recebíveis imobiliários (CRI), distribuídos em 40 diferentes operações, em um total investido de R$ 884,4 milhões. Os demais recursos estavam no caixa da carteira.

Dividendos de hoje

Confira quais são os quarto fundos imobiliários que distribuem rendimentos nesta sexta-feira (29):

TickerFundoRendimento
FLRP11Floripa Shopping R$        10,00
BTRA11Terras Agrícolas R$          0,94
BCIA11Bradesco Carteira Imobiliária Ativa R$          0,68
[ativo= EDGA11]Galeria R$          0,18

Fonte: InfoMoney

Obs.: Tickers com final diferente de 11 se referem aos recibos e direitos de subscrição dos fundos.

Giro Imobiliário: Os FIIs são mesmo um “conto do vigário”, como diz Barsi? Veja o que dizem especialistas

Luiz Barsi, um dos maiores investidores individuais da Bolsa brasileira, conhecido pela estratégia de comprar ações de empresas que pagam dividendos generosos, criticou duramente os fundos imobiliários. Afirmou que são um “conto do vigário” e acrescentou: “fuja dos fundos”.

A fala de Barsi — que deu as declarações em entrevista ao jornal Valor Econômico — repercutiu no mercado de FIIs. Especialistas ouvidos pelo InfoMoney discordam do investidor e afirmam que os fundos imobiliários podem ser, sim, bons geradores de dividendos.

“Os fundos imobiliários são a porta de entrada do investidor de renda fixa para a renda variável”, afirma Raphael Vieira, head de renda fixa e sócio da consultoria financeira Arton Advisors.

Para Vieira, o produto tem se mostrado uma boa opção de geração de renda passiva, mas precisa ser melhor compreendido.

“Nos últimos 12 meses, por exemplo, a Taesa (TAEE11) tem um retorno com dividendos de 9,9%. Já o retorno com o FII BlueMacaw (BLMG11) é de 12%”, compara utilizando uma das ações preferidas dos investidores interessados em dividendos.

Em um período maior e levando em conta apenas os FIIs do Ifix — índice dos fundos imobiliários mais negociados na Bolsa — há casos de retornos com dividendos de quase 60% em cinco anos, como é o caso do Mérito Desenvolvimento (MFII11).

Descubra o passo a passo para viver de renda com FIIs e receber seu primeiro aluguel na conta nas próximas semanas, sem precisar ter um imóvel, em uma aula gratuita.

Compartilhe