invesitmentos

Ficou mais difícil viver de renda, diz Benjamin Steinbruch

"Quem quiser obter rendimentos mais elevados terá de arregaçar as mangas e correr mais riscos", disse Steinbruch, em artigo publicado no jornal Folha de S. Paulo

(Divulgação)

SÃO PAULO – Com a queda das taxas de juros, viver de renda no Brasil está cada vez mais difícil. Em artigo publicado no jornal Folha de S. Paulo desta terça-feira (9), o diretor-presidente da CSN (Companhia Siderúrgica Nacional), Benjamin Steinbruch, lembrou que, antes, o investidor que aplicava em renda fixa conseguia retornos reais (acima da inflação) bastante elevados.

Assim, com os juros altíssimos, os brasileiros ficaram acostumadas a, durante décadas, receber rendimentos sem fazer esforço nenhum e sem correr riscos. “Os títulos do governo eram seguros e rendiam sempre bem mais do que a inflação. Frequentemente, proporcionavam retornos melhores do que o de operações industriais e comerciais”, pontuou Steinbruch.

Com os seguidos cortes da Selic, que desde agosto de 2011 recuou 5 pontos percentuais, de 12,5% para 7,5% ao ano, ele lembra que a taxa de juros brasileira deixou de ser a mais alta do mundo, apesar de ainda estar distante das demais taxas internacionais – muitas próximas de zero. A consequência direta disso é que os investidores precisarão se esforçar muito mais para conseguirem retornos satisfatórios. “Quem quiser obter rendimentos mais elevados terá de arregaçar as mangas, investir em operações produtivas de longo prazo e correr mais riscos”, disse.

PUBLICIDADE

Neste cenário, o executivo aponta que é possível notar que os investidores já começam a aplicar mais em atividades ligadas à produção. “Pessoas físicas já procuram fundos imobiliários e outros papéis ligados à construção. À medida que a situação global tenda a se estabilizar, também buscarão, certamente, ações de empresas que remunerem bem seus acionistas e mantenham boas práticas de gestão corporativa”, afirmou.