Inflação preocupa

Em busca de ativos de risco no exterior, pandemia e queda do setor de tecnologia não abalaram convicções da M Square

Único fundo da casa aberto ao investidor pessoa física destina metade dos recursos a ativos americanos; Charter, Tencent e Alibaba detêm maiores posições

(Getty Images)
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Gestora com o foco voltado para o mercado internacional, a M Square manteve sangue frio durante o auge da crise provocada pela epidemia de coronavírus e não promoveu nenhum tipo de alteração significativa em sua carteira.

Com foco no longo prazo, nem faria sentido agir por impulso, o que não quer dizer que o nervosismo de investidores tenha passado longe. Luciana Barreto, CEO da gestora, conta que a casa está atenta às mudanças de hábitos que poderão acontecer daqui para frente e nas empresas que não só vão sobreviver à crise, como poderão sair ainda mais fortes e dominantes em seus mercados.

“Nosso dia é muito mais pensado em como montar carteiras adequadas ao perfil de cada investidor e resilientes, que consigam passar por diferentes ciclos econômicos. Costumamos ter posição estrutural a ações em nossos portfolios e não aumentamos ou diminuímos no meio da crise, nem agora”, afirmou Luciana, em conversa com o InfoMoney.

A M Square, que informa ser responsável por mais de US$ 1 bilhão sob gestão, atende basicamente grandes famílias com portfólios customizados, e fundações de previdência.

Apenas um fundo, o M Square Global Equity Managers, está disponível ao investidor pessoa física, desde que qualificado (com ao menos R$ 1 milhão em aplicações financeiras) e com disposição para investir o mínimo exigido, de R$ 2 milhões.

A carteira com foco em ações globais destina hoje metade (54,7%) dos recursos a ativos na América do Norte, 15%, na Europa, e 13%, na Ásia. Em termos setoriais, tecnologia da informação detém 20,3% do patrimônio, seguido por serviços de comunicação (18,9%) e consumo (17,2%).

As maiores posições individuais são ocupadas pela americana Charter Communications, seguida pelas chinesas Tencent e Alibaba.

Com foco em fundos multiativos ou focados em ações, a M Square aloca os recursos escolhendo gestores especializados em diferentes mercados.

Atenta às tensões mais recentes envolvendo a queda das ações de grandes empresas de tecnologia, responsáveis pela retomada das bolsas americanas na crise, a gestora ainda vê oportunidades no segmento, assim como em empresas de energia, que têm sido foco de maior pressão vendedora no ano.

“Escolher as sobreviventes é um bom jeito de ter oportunidades para frente. Identificar quais serão as empresas que irão continuar crescendo e roubando mercado”, diz Luciana.

Leia também:
Verde Asset vê queda de ações de tecnologia nos EUA como correção “saudável” e descarta bolha de preços

Na seara das novas tendências, empresas de infraestrutura de internet têm se destacado e, na renda fixa, a preferência recai sobre papéis de maior risco (e retorno esperado) – os chamados títulos high yield.

Os spreads de títulos “podres” estão atrativos, defende a CEO, ainda que menos do que no auge da crise, em março. E é bom se preparar para novas emoções a caminho.

“Muitos dos gestores especialistas estão falando de uma onda de default muito grande que ainda virá. Ela pode ter impacto nas empresas e na economia em geral, e tende a levar a um aumento significativo do número de defaults lá fora”, observa.

Nesse caso, a jurisdição do título é fundamental na escolha, com preferência para que seja principalmente americana ou inglesa, diante da maior segurança oferecida a credores.

E ainda entre os ativos de maior risco, os investimentos alternativos também permanecem no radar, especialmente em venture capital e growth equity. Apesar da crise, novos negócios não pararam de surgir, e com uma leva de IPOs que têm possibilitado a saída de investimentos em companhias cada vez maiores, assinala.

Leia ainda:
Com retornos de até 20% ao ano, fundos que compram dívidas vencidas de empresas se preparam para onda de inadimplência e falência

Entre os investimentos com maior grau de incerteza, a M Square tem dúvidas com relação ao potencial do mercado imobiliário, especialmente diante das mudanças que poderão perdurar por conta da epidemia. “É o segmento em que estamos menos animados para colocar capital para trabalhar hoje”, diz Luciana.

E com o quadro de juros globais em níveis tão baixos, a renda fixa tradicional também vem perdendo apelo.

“Era o retorno sem risco e virou o risco livre de retorno”, brinca a CEO. “Historicamente, esse componente protegia os portfólios de volatilidade em momentos de risco. Não é mais tão obvio que essa relação se repita no futuro dado o nível de juros.”

Abertura gradual

Ainda que taxas tão baixas de juros possam ser um apelo para a diversificação internacional dos portfólios, as fundações seguem resistentes a se abrir ao mercado externo.

Mesmo com o maior interesse dos fundos de pensão, a CEO da M Square assinala que a discussão ainda é bastante embrionária.

“A maioria das conversas que temos tido ainda são quase um brainstorming de como investir lá fora, quais as oportunidades, como pensar no portfólio como um todo. A M Square entende que a melhor forma de investir no exterior é ter uma carteira que seja primordialmente de equity [ações] e ter o câmbio”, afirma, enaltecendo a importância de ter exposição à moeda, sem o hedge das carteiras, para uma melhor diversificação.

O mesmo vale para o investidor pessoa física, dado que o dólar é uma forma de garantir maior estabilidade para a carteira no longo prazo, independentemente da situação no Brasil, avalia Luciana.

Inflação como vilã

Questionada sobre o que tira o sono da M Square hoje, Luciana não titubeia: inflação.

Os efeitos da enxurrada de liquidez nas economias para mitigar os efeitos da crise preocupam, mas a situação ainda segue bastante incerta.

“Não diria que é uma preocupação imediata, mas certamente falamos muito disso nas nossas discussões de portfólios, de como podemos ter certeza que estão resilientes se tivermos uma condição de inflação descontrolada.”

Operação Stock Pickers: série gratuita explica como você pode ingressar e construir uma carreira bem remunerada no mercado de investimentos