Dividendos da Petrobras (PETR4): vale a pena manter a ação na carteira em 2024?  

O volume de pagamentos de 2023 caiu 50% em relação ao recorde de 2022, mas expectativa é ainda de bons retornos no ano que vem

Monique Lima

Publicidade

Depois de um pagamento recorde de dividendos em 2022, a Petrobras (PETR3;PETR4) distribuiu menos proventos neste ano e a ação preferencial perdeu o posto de maior pagadora da Bolsa. Para o ano que vem, a expectativa é de ainda mais redução no ritmo de pagamentos, mas especialistas são unânimes: o montante deverá seguir alto, e a estatal deverá se manter entre as que mais distribuem proventos em 2024.

A XP estima dividend yield de 11,2% para Petrobras no ano que vem. Mas há quem aposte em bem mais. “Por mais que seja esperada uma redução nos proventos pagos por Petrobras, a empresa ainda deverá ser uma das maiores pagadoras de dividendos do próximo ano, com um dividend yield entre 15% e 20%”, diz Wendell Finotti, CEO da Meu Dividendo. 

A projeção de 20% deixaria a ação PETR4 com dividend yield (DY, retorno de uma ação apenas com dividendos) similar ao visto até aqui em 2023. Em 2022, o DY da Petrobras foi de 59,8%, após uma distribuição de R$ 124,79 bilhões a acionistas. O patamar foi tão elevado que colocou a companhia no segundo lugar de maior pagadora de dividendos do mundo.

Oferta Exclusiva para Novos Clientes

Jaqueta XP NFL

Garanta em 3 passos a sua jaqueta e vista a emoção do futebol americano

Os pagamentos do ano fiscal de 2023, referentes até o terceiro trimestre, somam R$ 62,8 bilhões. Trata-se de uma queda de 50% em relação ao ano anterior completo, mas ainda superior a 2021 (R$ 46,74 bilhões) e 2020 (R$ 4,48 bilhões), conforme dados levantados pela plataforma Meu Dividendo, a pedido do InfoMoney.

Ano Fiscal Dividendos + JCP (por ação) Preço médio do ano (PETR4)
2018R$ 0,9360R$ 20,15
2019R$ 0,9233R$ 26,56
2020R$ 0,7928R$ 17,72
2021R$ 7,8306R$ 16,03
2022R$ 16,5421R$ 25,46
2023R$ 4,3872*R$ 29,45
Fonte: Relações com investidores – Petrobras
*Dados compilados no site de RI até o segundo trimestre do ano.

Entretanto, os dados de 2023 ainda podem aumentar significativamente com os proventos do quarto trimestre e se a companhia anunciar pagamentos extraordinários. Neste ano, os dividendos da Petrobras devem fechar com um DY de 20%. Na apresentação do Plano Estratégico 2024-2028, a estatal manteve sua previsão de dividendos extraordinários pelos próximos cinco anos.  

Leia também:  

Continua depois da publicidade

Risco x retorno  

Os dividendos continuam sendo um dos principais atrativos apontados por analistas na recomendação de compra de Petrobras. Porém, além disso, outros múltiplos indicam uma boa relação de risco x retorno para os papéis da estatal.  

André Vidal, analista de óleo e gás da XP Research, pondera que as ações da Petrobras negociam com bastante “desconto” em relação aos principais pares do setor. O múltiplo da estatal brasileira está em 2,7 vezes o valor estimado de mercado contra o lucro operacional de 2023 (EV/EBITDA). Para as empresas americanas, este múltiplo é de 10,5 vezes, e para as europeias é de 3,2 vezes.

“Além disso, a Petrobras deve apresentar um incremento de 24% na produção de óleo e gás nos próximos quatro anos”, diz Vidal. Para 2024, a meta de produção foi elevada em 5% em relação a 2023.

Já o Santander destaca o Capex próximo de US$ 18 bilhões no ano que vem, o que seria positivo para uma forte geração de caixa e pagamento de dividendos no curto prazo, “peça-chave para a tese de investimentos de Petrobras”, dizem analistas em relatório.

Apesar de estimar yield de 11,2% para o ano que vem, a XP destaca que a sinalização de recompra de ações da Petrobras pode impulsionar retornos para o investidor em 2024, e coloca preço-alvo de R$ 36,70 para as ações preferenciais (PETR4) no ano que vem. No Santander, a alocação está próxima à neutra em relação ao benchmark – isto é próximo dos 12% de peso que a empresa tem no Ibovespa.