Deu para trás? Gensler, da SEC, ressalta perigo de criptos antes de decisão sobre ETF de Bitcoin

O mercado não entendeu a declaração como ameaça; nos momentos seguintes à fala, o BTC passou dos US$ 46 mil pela primeira vez em quase 2 anos

Lucas Gabriel Marins

Presidente da SEC, Gary Gensler (Evelyn Hockstein-Pool/Getty Images)

Publicidade

Na semana em que a Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (SEC, na sigla em inglês) precisa decidir se libera ou não o tão aguardado ETF (fundo de índice) à vista de Bitcoin (BTC) no país, o presidente da agência federal recorreu ao X (antigo Twitter) para alertar sobre os perigos do setor.

“Aqueles que oferecem investimentos/serviços em criptoativos podem não estar cumprindo a lei aplicável, incluindo as leis federais de valores mobiliários. Os investidores em criptos devem compreender que podem ser privados de informações importantes e outras proteções importantes relacionadas ao seu investimento”, escreveu Gary Gensler na tarde desta segunda-feira (8).

O mercado, no entanto, não entendeu a declaração como ameaça. Nos momentos seguintes à fala, o preço do Bitcoin avançou e superou os US$ 46 mil pela primeira vez desde março de 2022. Na semana, o ativo digital entrega ganhos de 7%.

Oferta Exclusiva para Novos Clientes

Jaqueta XP NFL

Garanta em 3 passos a sua jaqueta e vista a emoção do futebol americano

Apontado como inimigo dos ativos digitais por causa de multas e ações regulatórias contra players do setor nos últimos anos, Gensler também disse que os fraudadores continuam a explorar a crescente popularidade das criptomoedas para atrair investidores de varejo para fraudes.

“Esses investimentos continuam estar repletos de ofertas fraudulentas de moedas, esquemas Ponzi, pirâmides e de roubo total, em que o promotor do projeto desaparece com o dinheiro dos investidores”, falou.

Semana decisiva

Há mais de uma dezena de pedidos de ETFs para análise na mesa da SEC. A autarquia federal tem até a quarta-feira (10) para aprovar ou não a primeira solicitação, feita pela Ark Invest, da gestora veterana Cathie Wood. Especialistas acreditam, no entanto, que um lote de solicitações pode ser liberado ao mesmo tempo pelo regulador.

Continua depois da publicidade

A Ark Invest e outros emissores de ETFs, como BlackRock e Invesco, enviaram diversos documentos para o xerife do mercado de capitais nesta semana, algo visto pelos analistas como um impulso final para oferecer os produtos de investimento.

Além disso, alguns emissores também nomearam participantes autorizados – corretoras responsáveis por lidar com a criação e resgate de cestas de cotas para ETFs. Entre eles estão a Jane Street Capital e o JPMorgan.

“A entrada de players como a BlackRock, maior gestora de recursos do mundo com US$ 14 trilhões sob administração, pode elevar o fluxo para Bitcoin em algo entre US$ 10 bilhões e US$ 20 bilhões nas primeiras 4 semanas após a aprovação”, disseram analistas do Mercado Bitcoin em nota.

Lucas Gabriel Marins

Jornalista colaborador do InfoMoney