Depois da renda variável, Bolsa quer popularizar o Tesouro Direto

Dentre a iniciativas, está ampliar a comercialização de títulos públicos em home broker e realizar marketing educacional

SÃO PAULO – Depois de lançar um projeto de popularização da renda variável no Brasil, a Bolsa de Valores de São Paulo pretende, agora, incentivar a renda fixa, ou o investimento em títulos públicos federais. Dentre as iniciativas, está ampliar a comercialização de títulos do Tesouro Direto em home broker, o que está previsto para terminar em outubro deste ano.

De acordo com o diretor de Mercado à Vista da BM&FBovespa, Fábio Urban, o programa chamado “Vai Até Você – Tesouro Direto” parte de três frentes. A primeira delas é o marketing educacional, com palestras e divulgações no site da BM&FBovespa (www.bmfbovespa.com.br), como, por exemplo, um e-learning que explica o passo-a-passo para aplicar no Tesouro Nacional.

Nesta semana, houve a estreia da iniciativa, com uma palestra sobre Tesouro Direto realizada na FGV (Fundação Getulio Vargas). A partir de junho, será disponibilizado um simulador no site da Bolsa para que as pessoas saibam quanto têm de investir no Tesouro para alcançar um sonho, como a compra da casa própria ou uma viagem.

Tarifas menores

A segunda iniciativa da BM&FBovespa foi a de mudar a tarifa para aplicação no Tesouro Direto, que é o programa criado pelo Tesouro Nacional, em 2002, em parceria com a Bolsa, para democratizar o acesso a investimentos em títulos federais, incentivar a formação de poupança de longo prazo e facilitar o acesso a informações sobre sua administração.

Com a nova tarifação, no momento da compra do título, é cobrada uma taxa de negociação de 0,10% sobre o valor da operação. Há também uma taxa de custódia da BM&FBovespa de 0,30% ao ano sobre o valor dos títulos, referente aos serviços de guarda dos títulos e às informações e movimentações dos saldos. Ela é cobrada semestralmente.

“O foco é a popularização. O tesouro concorre com a renda fixa e é bastante competitivo”, afirmou Urban. Atualmente, são 153 mil investidores cadastrados no Tesouro. Entre março de 2008 e deste ano, ele afirmou que houve aumento de 75% no estoque do Tesouro – que representa os títulos públicos em poder dos investidores -, que atualmente está em R$ 2,7 bilhões.

Home broker

A terceira frente da BM&FBovespa para popularizar a renda fixa é permitir a comercialização de títulos públicos em home broker. “Quando entrar no home broker, o cliente terá um link para o Tesouro Direto e pode comprar e vender. O ambiente fica todo integrado”, explicou o diretor de Mercado à Vista.

Algumas corretoras já começaram a oferecer esse serviço, mas a BM&FBovespa pretende ampliar isso. “Na verdade, desde 2002 a integração é possível. Só que a gente tem hoje três agentes integrados e precisa integrar os outros”, comentou Urban, que ainda disse que o término dessa integração deve ser em outubro.

A BM&FBovespa vai subsidiar o custo das corretoras que ainda não integraram a negociação do Tesouro em seu sistema de home broker. Dez corretoras serão beneficiadas a partir de critérios como a atual participação da empresa no Tesouro Direto, a taxa de administração cobrada de seus clientes e a sua presença no mercado de renda variável.

PUBLICIDADE