Podcast Outliers

Samba, petróleo e ativos judiciais: Filipe Mattos, da XP Asset, explica no que investem os fundos de “situações especiais”

O episódio 47 do Outliers recebeu Filipe Mattos, sócio e gestor de Crédito High Yield e Situações Especiais da XP, que reúne fundos com elevados retornos

Por  Clara Sodré -

A renda fixa é uma classe muito conhecida por sua relativa segurança, já que o investidor tem previsibilidade em relação ao tipo de remuneração que vai auferir. Adquirir títulos do governo ou fornecer crédito a uma companhia – por meio do investimento em debêntures, por exemplo – é um atributo básico de qualquer fundo de renda fixa.

Dentro da estrutura do mercado financeiro, no entanto, existem diferentes maneiras de explorar esse universo, que geram níveis de riscos e complexidade distintos. Uma dessas alternativas é conhecida como o “crédito para situações especiais”, tradução para o termo em inglês special situations.

Em linhas gerais, a estratégia de special situations se diferencia de outras por prover crédito rapidamente a empresas em situações difíceis, geralmente envolvendo estruturas com alta complexidade – o que, via de regra, acaba afastando o investidor tradicional. Isso abre espaço para que o gestor negocie taxas melhores para o investimento a ser feito.

Filipe Mattos é sócio da XP Inc. e gestor da área de Crédito High Yield e Situações Especiais da XP Asset, que reúne fundos com retornos que saltam aos olhos – e foi o entrevistado no episódio 47 do podcast Outliers. “Estamos sempre provendo capital, sempre buscando uma forma de dar dinheiro para alguém, seja via um empréstimo, seja comprando um ativo da empresa”, contou.

Durante o episódio, Mattos ressalta que, quanto mais urgente é a demanda do devedor por recursos, maior a capacidade de sua equipe conseguir taxas mais atrativas para os fundos que fazem gestão.

Quanto mais detalhada e específica a dívida ou situação da empresa, mais complicada é a análise para estimar o risco da operação. São esses os casos que os demais financiadores de mercado evitam e em que a equipe de Mattos tem ampla expertise, resultando em um maior poder de barganha para extrair altos retornos pelo empréstimo.

Qual o melhor momento para uma área de special situations?

Não é novidade para ninguém o cenário de incertezas na economia brasileira, por conta das eleições presidenciais, inflação em alta e subida agressiva de juros em 2022. Para Mattos, esse é um cenário muito fértil para a estratégia que ele e equipe tocam, devido justamente à maior escassez de crédito para empresas que não são de “primeira linha”.

Os bancos até podem aumentar a carteira de crédito, mas cresceriam mais se o cenário estivesse mais ameno e previsível. Na dificuldade de acessar os bancos tradicionais, a outra forma de captação das empresas seria o mercado de ações, via ofertas, por exemplo. Mas essas operações também tendem a diminuir em momentos de menor otimismo, como nos últimos  seis meses.

“É um bom momento para comprarmos, é um bom momento para convencermos as empresas a fazer as operações conosco, porque, dentro desse cenário de menor oferta de capital, a oferta do nosso capital fica mais relevante”, diz. “Quando você tem inúmeras opções, procurar um fundo que faz special situations não vai ser sua primeira opção. Mas quando você não tem tantas opções assim, nos procurar começa a fazer parte da sua lista de prioridades”.

Estratégias de special situations

É possível dividir os créditos em situação especial em diversos tipos de estratégias. Mattos começou essa área na XP investindo num segmento que ele classifica como “Ativos Judiciais”, em que o principal ativo operado são os precatórios – um palavrão para muitos investidores até poucos anos atrás.

“Resolvemos criar a área de Special Situations a partir do investimento em um ativo que era um palavrão naquela época, depois se tornou um ‘oba oba’ e talvez agora tenha virado um palavrão de novo”

Ele explica o que é um precatório: “É um recebível que vem de algum tipo de lesão do governo a outrem. Ou ele te cobrou mais imposto do que deveria, ou não pagou o seu reajuste salarial como deveria, o que gera uma indenização”. Essa indenização origina um valor a ser receber, que pode ser negociado pelo titular desse direito – hoje em dia, muito comumente vendido a fundos, que compram esses direitos ou recebíveis com um deságio.

Outra estratégia bastante comentada foi a de securitização, cuja essência envolve um processo de agrupamento de vários ativos financeiros muitas vezes complexos e não negociáveis em um único ativo com estrutura passível de ser negociada.

Um exemplo bastante interessante abordado foi o do chamado FIDC dos Artistas. No caso dessa operação, os “ativos financeiros” eram os shows futuros a serem realizados por artistas de grande renome, como Seu Jorge, Vintage, Alexandre Pires, Daniel, entre outros.

A operação envolveu a compra de um grande número de shows a serem realizados por esses artistas no futuro, que foram “empacotados” dentro da estrutura de um FIDC. Esse FIDC foi negociado no mercado, recebendo investimento de fundos geridos por Mattos e de outros investidores institucionais.

Para os artistas, houve uma antecipação de receita futura num período extremamente crítico, por conta da pandemia e a escassez de shows – em contrapartida, receberam esse fluxo com um desconto. Para os fundos que investiram nessa operação, há um alto potencial de ganho com a exploração dos shows, uma vez que sejam realizados, dado que todos os contratos foram negociados a preços bem inferiores aos praticados pelos artistas em situações “normais”.

O Outliers é apresentado por Samuel Ponsoni, gestor de fundos da família Selection na XP, e Carol Oliveira, coordenadora de análise de fundos da XP. A entrevista completa e os episódios anteriores podem ser conferidos pelo SpotifyDeezerSpreakerApple e demais agregadores de podcasts. Além disso, o podcast também pode ser assistido no formato de vídeo no canal da XP no Youtube.

Compartilhe