AO VIVO Stock Pickers entrevista RI da Cogna: após entrevistarmos gestores comprados e vendidos, é hora de falarmos com o RI da empresa; assista

Stock Pickers entrevista RI da Cogna: após entrevistarmos gestores comprados e vendidos, é hora de falarmos com o RI da empresa; assista

Ainda dá tempo de pegar esse bonde?

Commodities: confira a visão de gestoras e bancos sobre as melhores oportunidades e os riscos no horizonte

Com maior ou menor otimismo, setores como petróleo, mineração e celulose têm despertado interesse crescente de especialistas

SÃO PAULO – Após o setor de tecnologia ter monopolizado a atenção dos investidores durante boa parte do ano passado, as commodities parecem ter sido eleitas como a nova bola da vez pelo mercado financeiro para 2021.

Desde o fim de 2020 que o ambiente se desenha dos mais favoráveis para os papéis do setor, em meio ao início da vacinação e à postura bastante estimulativa dos governos, tendo o gigante chinês à frente no processo de reaquecimento global.

O problema é que, com o mercado conhecido por se antecipar aos fatos, a recuperação dos ativos financeiros atrelados às commodities foi veloz e intensa, o que faz uma parte dos agentes econômicos enxergar com alguma cautela o potencial de valorização restante.

Entre gestores e analistas de bancos e corretoras, não é difícil encontrar, contudo, aqueles que ainda vislumbram uma avenida de crescimento para ações como da Petrobras, da Vale ou da Suzano.

Confira a seguir as recomendações de analistas de mercado para as principais ações de commodities da Bolsa, segundo compilação feita pela Refinitiv.

Além da expansão fiscal global sem precedentes, que ainda não dá sinais de esgotamento, muito menos com o governo democrata nos Estados Unidos e o ritmo pujante da economia chinesa, muito pouco investimento foi feito ao longo da última década para aumentar a capacidade global de oferta das matérias-primas, diz Humberto Meireles, gestor da Vinland Capital.

Em um cenário de reaquecimento da economia, a demanda tende a superar a oferta e pressionar ainda mais os preços, prevê o especialista, que está animado com as perspectivas para os preços de commodities agrícolas, minério de ferro, cimento, petróleo e celulose.

PUBLICIDADE

“Somos bastante otimistas com a tese de commodities tanto no curto prazo como estruturalmente”, afirma Meireles. “A alta dos preços é sustentável e vai continuar”, emenda o especialista, que reflete a visão em ações da Bolsa brasileira como Suzano, São Martinho e SLC Agrícola, além da Vale.

O gestor está longe de estar sozinho na aposta, em especial no caso da mineradora. Levantamento do InfoMoney no início do mês mostrou que, assim como já ocorreu em vários momentos de 2020, a ação da Vale segue como uma das maiores preferências nas carteiras recomendadas por bancos e corretoras ao investidor brasileiro.

Após o ganho expressivo de 73% em 2020 e com a ação ultrapassando os R$ 100 no início deste ano, os analistas do Bradesco BBI elevaram o preço-alvo para os papéis da Vale de R$ 105 para R$ 120 em dezembro, de forma a incorporar o preço mais elevado de minério de ferro, cobre e níquel.

Na mesma linha, a XP Investimentos manteve a recomendação de compra para as ações da mineradora, e elevou o preço-alvo para R$ 122. “A Vale é a nossa preferida no setor devido à demanda saudável de minério de ferro na China, após incentivos do governo, e um cenário mais desafiador para a oferta”, apontaram Yuri Pereira e Thales Carmo, analistas da XP.

Já para o Credit Suisse, a avaliação é de que o valuation da mineradora segue muito atrativo para ser ignorado por investidores, em meio à perspectiva de pagamentos de dividendos e redução dos custos.

No entanto, para a equipe do banco suíço, um acordo de indenização na tragédia de Brumadinho, que segue indefinido, seria um importante catalisador para a reclassificação das ações, que poderiam, assim, se aproximar de pares como Rio Tinto e BHP.

Torcendo para não cair

Na Gap Asset, o gestor de renda variável, Guilherme Motta, tem Petrobras e Vale na carteira, mas com uma convicção maior a respeito do desempenho dos papéis da petroleira nos próximos meses.

Isso principalmente por conta da forte valorização recente tanto das ações da mineradora como do preço do minério de ferro, que era negociado perto de US$ 80 a tonelada em meados de abril, e chegou ao fim do ano na casa dos US$ 160.

PUBLICIDADE

Diante do risco de alguma realização frente aos patamares atuais, o gestor da Gap optou por reduzir a posição, embora mantenha Vale na carteira, já que, no preço atual, entende que o papel ainda tem seu valor.

“O consenso no mercado é o de que a ação está muito barata, dada a geração de caixa da empresa atualmente”, pondera o especialista. A questão, continua, é que, se o preço da commodity corrigir, a ação também vai sofrer.

De toda forma, a exposição da Gap na Vale se dá por meio de uma operação de valor relativo via derivativos, comprada (com aposta na alta) no papel da mineradora brasileira, que Motta entende excessivamente descontado frente aos pares australianos BHP e Rio Tinto, nos quais fica vendido (aposta na queda).

O futuro de Petrobras

Em relação ao petróleo, a visão do gestor da Gap é a de que uma postura mais voltada às iniciativas relacionadas à energia limpa na gestão democrata de Joe Biden nos Estados Unidos pode provocar uma redução na produção e na oferta de combustíveis fósseis na região, com um consequente aumento dos preços.

Além disso, por conta da segunda onda da pandemia, muitos países ainda estão com restrições de mobilidade, que, quando forem normalizadas, também contribuirão para a performance do petróleo, prevê Motta.

Durante painel do Onde Investir 2021 nesta terça-feira (26), Ronaldo Patah, estrategista do UBS Wealth Management, disse gostar das companhias de commodities, como as de petróleo, e ressaltou que o mesmo pode, inclusive, entrar como hedge das carteiras, via fundos que reproduzam a variação de preço no mercado internacional.

“Se começarmos a ver uma alta da inflação consistente no mundo, o petróleo deve ser um dos ativos que vão antecipar isso e pode servir como proteção”, avalia. Confira a análise completa aqui e participe do painel “O que esperar da Bolsa brasileira em 2021?” nesta quarta-feira, às 18h.

Quem também está com uma visão positiva para os preços do petróleo são os estrategistas de commodities do Morgan Stanley. Eles elevaram as estimativas para o Brent de US$ 55 para US$ 60 o barril, em 2021, e de US$ 50 para US$ 55 ao fim de 2022 e, consequentemente, atualizaram as estimativas para as empresas do setor.

PUBLICIDADE

O Morgan Stanley segue tendo a Petrobras como a preferida na América Latina. A resolução da atual ameaça de greve dos caminhoneiros, o anúncio do aumento do preço do diesel e as vendas de refinarias são os gatilhos futuros para o papel, preveem os especialistas do banco americano.

Eles elevaram de US$ 16 para US$ 16,50 o preço-alvo para o American Depositary Receipt (ADR) da petroleira, com a manutenção da recomendação overweight (exposição acima da média do mercado).

O Credit Suisse foi outro que revisou para cima sua projeção para os preços de petróleo, vendo agora o Brent a US$ 59 o barril em 2021 (ante previsão anterior de US$ 50) e a US$ 63, em 2022 (ante US$ 60 anteriormente).

Por conta disso, os analistas do banco elevaram as estimativas para o Ebitda da Petrobras em 20% e 6% para 2021 e 2022, respectivamente, com o preço-alvo do ADR PBR da companhia (equivalente ao papel ordinário negociado na B3) indo de US$ 15 para US$ 16. Eles também reforçaram a recomendação outperform por considerarem o valuation atrativo.

A XP Investimentos também se mostra bastante positiva com os papéis da Petrobras, com preço-alvo de R$ 35 para as duas classes de ações negociadas na B3 (PETR3 e PETR4).

Além da exposição ao pré-sal e de iniciativas de maior eficiência operacional, há um potencial de geração de valor entre R$ 89 bilhões e R$ 115 bilhões com a execução do plano de venda de ativos que não são o foco da companhia. “Destacamos entre esses ativos refinarias, ativos de gás natural e termelétricas”, apontam Gabriel Francisco e Maira Maldonado, analistas da XP.

Fora do consenso

Em contraste ao otimismo dos pares, Fernando Fontoura, gestor de renda variável da Persevera Asset, está mais cauteloso com mineradoras, siderúrgicas e petroleiras, com um otimismo maior para o setor de papel e celulose e o ouro.

O mercado está dando o benefício da dúvida para o petróleo ao projetar uma recuperação da demanda com as vacinas, mas há ainda muita incerteza no radar, diz o gestor.

“Não vai ser todo mundo que vai ficar no home office, mas também não vai ser todo mundo que vai voltar para o escritório. Não tem mais tanto deslocamento e as pessoas estão mudando de casa, reorganizando suas vidas. O consumo de petróleo como um todo vai ficar comprometido”, afirma.

Fontoura conta que tinha uma visão mais favorável para as commodities em meados do ano passado, quando os olhares dos investidores estavam todos voltados para as empresas de tecnologia.

No entanto, após a rotação em direção às empresas de caráter mais cíclico, embalada pela expectativa de mais estímulo fiscal nos Estados Unidos e pelo enfraquecimento do dólar, a avaliação do gestor da Persevera está agora um pouco mais cautelosa.

A visão positiva que parece imperar no mercado para as commodities talvez “tenha passado um pouco da conta”, diz o especialista, acrescentando que é preciso lembrar que estamos em um cenário ainda envolto em inúmeras incertezas sobre a recuperação da economia global, que pode muito bem levar a novas apreciações do dólar nos momentos de maior estresse.

Por conta disso, o gestor realizou algumas mudanças no portfólio recentemente, não tendo mais posição em Vale ou em petróleo. No setor de commodities, a Persevera carrega atualmente no portfólio ações da Klabin e da Suzano, além dos BDRs da mineradora Aura.

No caso do setor de papel e celulose, explica Fontoura, a avaliação é a de que, após ficarem em um patamar bastante descontado, os preços devem se manter em uma tendência consistente de alta no horizonte relevante.

O Bradesco BBI tem recomendação de compra para Suzano e Klabin, apontando que a perspectiva segue positiva para o mercado de celulose em 2021, apoiado pelo crescimento da demanda, preços mais altos do papel e oferta mais fraca do que o esperado.

Já o Credit Suisse tem recomendação neutra para Klabin, e de compra para Suzano. O banco suíço avalia que a primeira tem uma das ações de perfil mais defensivo sob sua cobertura, uma vez que seu negócio de papel está exposto a setores mais avessos aos ciclos de negócios.

Contudo, os analistas permanecem cautelosos por conta do grande investimento da Klabin relacionado ao projeto Puma II, que deve levar a uma geração de caixa negativa em 2020 e 2021, com pressão sobre seu endividamento, o que leva à preferência pela Suzano.

A XP Investimentos, por sua vez, tem recomendação de compra para Klabin, pela expectativa que a companhia venha a se beneficiar dos maiores volumes exportados de celulose, em um ambiente de preços elevados da commodity em função de uma cadeia de suprimentos desequilibrada pelos impactos da pandemia.

Quer ser trader e tem medo de começar? O InfoMoney te ajuda a chegar lá: participe do Full Trader, o maior projeto de formação de traders do Brasil e se torne um faixa preta em 3 meses – inscreva-se de graça!