Na ponte aérea em um Electra

Com emoção: Paulo Leme prevê voo turbulento, mas com final feliz para os mercados

Eleições americanas começam a entrar no radar dos investidores, disse o especialista durante live da XP

SÃO PAULO – Os habitués da ponte aérea São Paulo/Rio de Janeiro nas décadas de 70 e 80 certamente se lembram do avião Electra, da Varig, e das fortes emoções que as turbulências da aeronave causavam, embora sempre fazendo o translado dos viajantes com segurança no fim das contas.

Durante live da XP na noite de quinta-feira, Paulo Leme, chairman do comitê global de alocação da XP Private, comparou a situação atual da economia mundial com o voo em um Electra.

A visão do especialista é a de que haverá ainda muita volatilidade nos mercados pela frente, mas aqueles que tiverem paciência para aguentá-la poderão auferir resultados satisfatórios mais à frente.

“Em épocas de epidemias, guerras, devastação, a capacidade de reinvenção do ser humano é notável”, disse Leme, parafraseando John Stuart Mill, economista britânico do século XIX.

“Sou mais otimista em relação a vislumbrar uma saída”, afirmou o ex-presidente do Goldman Sachs no Brasil. “Estamos viajando em um Electra, não muito confortável, mas vamos chegar lá.”

Entre as turbulências que espera no caminho, o experiente gestor disse que, no câmbio, em um horizonte de 12 meses, a tendência é que o real siga depreciado em relação ao dólar, tendo em vista o patamar dos juros do país, que deve dificultar a atração do capital estrangeiro.

“O super ciclo das commodities acabou, o grande driver da taxa de câmbio agora vai contra”, afirmou Leme.

Coração de mãe

De toda forma, a liquidez despejada pelos bancos centrais no mercado global é tão abundante – estimada pelo executivo em cerca de US$ 8 trilhões – que mesmo os emergentes podem ser beneficiados.

“A liquidez é como um tsunami, que vai de um mercado para outro, e eventualmente pode chegar nos emergentes”, afirmou Leme, lembrando que, em um cenário de juros negativos na Europa, tudo é possível.

Sobre uma eventual valorização exagerada dos mercados provocada por essa liquidez, muito à frente da economia real, Leme contemporizou, lembrando que os preços estão refletindo as expectativas dos agentes para 2021.

“Talvez não exista realmente um descasamento completo”, disse o especialista, lembrando dos sinais de retomada que começam a ser observados nas economias em processo de reabertura e da expectativa de crescimento acelerado a partir do ano que vem.

Na avaliação do especialista, um risco no radar é a alternância política que pode ocorrer nas próximas eleições americanas, com uma plataforma democrata mais pró-Estado, prevendo taxar grandes fortunas, dividendos e ganhos de capital.

“É muito raro, quase impensável um presidente em exercício perder a eleição, mas essa pode ser uma das exceções”, disse Leme, lembrando que as pesquisas preliminares estão indicando o favoritismo do candidato democrata Joe Biden.

Invista na carreira mais promissora dos próximos 10 anos: aprenda a trabalhar no mercado financeiro em um curso gratuito do InfoMoney!