Rotação dos portfólios

Citi rebaixa ações “caras” dos EUA e aposta em emergentes

“Prevemos os melhores retornos no Reino Unido, Austrália e mercados emergentes”, diz o banco

(Getty Images)

(Bloomberg) — O Citigroup recomenda reduzir alocações em ações “caras” dos Estados Unidos para uma posição neutra e esperar ganhos maiores em mercados emergentes e em ações do Reino Unido neste ano.

A equipe de estrategistas que inclui Robert Buckland cortou a recomendação para ações dos EUA e elevou a de papéis de economias em desenvolvimento para overweight em relatório a clientes quarta-feira. Os estrategistas esperam aumento de apenas 2% dos preços das ações em 2021, de acordo com o relatório.

“Nossas metas de mercado sugerem um índice MSCI AC World estável ao longo do ano”, escreveram. “Prevemos os melhores retornos no Reino Unido, Austrália e mercados emergentes.”

O desempenho de ações fora dos Estados Unidos tem superado o de papéis americanos neste ano. O índice MSCI World ex-US atingiu o nível mais alto em mais de 12 anos. O indicador do “resto do mundo” está à frente do S&P 500 em quase 2 pontos percentuais em 2021, após ficar cerca de 11 pontos abaixo no ano passado.

A expansão fiscal em andamento nos EUA deve continuar a pressionar o dólar, o que ajuda ações de mercados emergentes e de commodities, de acordo com os estrategistas do Citi. Os rendimentos dos títulos do Tesouro dos EUA tendem a aumentar, o que levaria a uma nova rotação para ações de valor, disseram.

“Nossa visão ligeiramente otimista sobre as ações globais se tornará otimista demais se as vacinas não conduzirem a uma recuperação da economia global”, escreveu a equipe. “Alternativamente, podemos não ser otimistas o suficiente se os juros muito baixos impulsionarem um grande fluxo de capital para fundos de ações e uma reclassificação.”

Quer migrar para uma das profissões mais bem remuneradas do país e ter a chance de trabalhar na rede da XP Inc.? Clique aqui e assista à série gratuita Carreira no Mercado Financeiro!