BM&FBOVESPA

Cai participação de pessoa física em ETF em março

De acordo com os dados divulgados pela BM&FBovespa, a participação de pessoas físicas no volume de ETFs passou de 11,6% para 10,2% no mês passado

SÃO PAULO -A participação das pessoas físicas no volume negociado pelos fundos de índice comercializados na bolsa de valores, conhecidos como ETFs (Exchange Traded Funds), registrou queda no último mês, ao passar de 11,6% para 10,2% entre fevereiro e março.

De acordo com dados divulgados pela BM&FBovespa, os investidores institucionais lideraram a participação de ETFs, com 32,9% do volume negociado.

As instituições financeiras representaram 26,8%, seguidas pelos investidores estrangeiros (29,6% de representatividade) e as empresas públicas e privadas, com 0,5% do volume negociado no mês passado.

Os fundos de índices são aqueles que buscam obter o retorno de determinado índice e têm cotas negociadas na Bolsa. Ao escolher um ETF, o investidor aplica, ao mesmo tempo, em uma carteira de ações de diferentes companhias, o que remete a uma diversidade maior para o portfólio.

Os fundos
A bolsa possui atualmente quinze fundos de índice em negociação, sendo que parte deles é gerida pela BlackRock, mais precisamente aqueles da família Ishares.

Eles seguem o Ibovespa (BOVA11), o IbrX-100 (BRAX11), empresas small caps (SMAL11), empresas de maior capitalização (MILA11), empresas do setor imobiliário (MOBI11) e companhias do setor de consumo (CSMO11) e empresas de utilidade pública (UTIP11).

O banco Itaú gere outra parte: o fundo de índice que segue o PIBB (PIBB11) e o que segue o setor financeiro (FIND11), o ISUS11, que segue o Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE), e o GOVE11, que segue o Índice de Governança Corporativa Trade (IGTC). Também são geridos pelo Itaú o ETF IT Now IDIV (DIVO11), referenciado no Índice de Dividendos, e o ETF IT Now IMAT (MATB11), referenciado no Índice de Materiais Básicos. Já a Caixa Econômica Federal gere o Ibovespa Fundo de Índice (XBOV11), que também segue o Ibovespa.

O BOVA11 representou 90,6% do volume total movimentado pelos ETFs disponíveis na Bolsa. Nele, a participação das pessoas físicas foi de 10,3% em março. Já o percentual de participação das pessoas físicas no PIBB11 (Papéis de Índice Brasil Bovespa) foi de 11,8% no terceiro mês do ano.