Prejuízo de R$ 200 mi

Brasileiro é preso por envolvimento em pirâmide financeira que usava bitcoins

Um caso de pirâmide famoso no Brasil é o da Telexfree e, segundo a investigação, ele também teve participação no esquema de serviços telefônicos, desarticulado em 2013  

SÃO PAULO – O empresário baiano Danilo Vunjão Santana Gouveia, de 34 anos, foi preso em Dubai por seu envolvimento em um esquema de pirâmide financeira que usava bitcoins como pagamento, criptomoeda que não tem sua emissão rastreada pelo Banco Central. O golpe bancou uma vida de luxo que incluía Ferrari, viagens para Nova York, Tailândia e Oriente Médio, com direito a ostentação em fotos publicadas em redes sociais.

D9 Clube de Empreendedores, empresa de fachada forjada por Gouveia, prometia lucro fácil e elevado em um esquema de pirâmide que pode ter rendido até R$ 200 milhões, de acordo com investigações feitas pelas polícias da Bahia e do Rio Grande do Sul.

Segundo os Ministérios Públicos dos dois estados, as acusações contra Gouveia são de acusações de crimes contra economia popular, associação criminosa, estelionato e lavagem de dinheiro. O golpe aplicado pela D9 Clube de Empreendedores tem as características de pirâmide financeira. Um grupo de golpistas vendia uma aplicação, com a promessa de lucro de 300% do valor investido, para outras pessoas que precisavam levar outras pessoas ao negócio. Quando esse fluxo é rompido, a base da pirâmide fica no prejuízo.

PUBLICIDADE

Um caso de pirâmide famoso no Brasil é o da Telexfree e, segundo a investigação, ele também teve participação no esquema de serviços telefônicos, desarticulado em 2013.

Além de vítimas no Brasil, investidores foram enganados pelo esquema de Gouveia na Argentina, Uruguai, Uganda, Quênia, Nigéria, China, Japão, Estados Unidos, Afeganistão, Itália, Paraguai, segundo informações do jornal Folha de S.Paulo. 

O presidente da D9 Clube de Empreendedores foi preso pela Interpol ao desembarcar no aeroporto de Dubai em 13 de fevereiro. A Justiça da Bahia bloqueou cerca de R$ 25 milhões em bens de pessoas ligadas à empresa, sendo que metade do valor foi encontrada em uma conta bancária em nome de Gouveia. Apenas na casa da sogra de Gouveia foi encontrado R$ 1 milhão em notas. 

Agora, o Ministério da Justiça brasileiro tenta extraditá-lo, mas o processo pode ser demorado, já que Gouveia fez o pedido de colaboração premiada com o Ministério Público da Bahia. O empresário autorizou seu advogado a negociar com as milhares de vítimas da D9, mas não apresentou proposta de devolução de dinheiro. Segundo informações do jornal Folha de S.Paulo, o advogado de Gouveia está com a carteira da OAB suspensa.