Bolsa: dicas para alcançar ganhos, ou evitar perdas, mesmo com as incertezas

"A bolsa de valores está instável e desanimadora, mas é adequado que os investidores permaneçam aplicando", diz economista

SÃO PAULO – Uma das características do mercado de renda variável é a volatilidade. Voltado para quem está disposto a correr mais riscos em busca de retornos maiores, o mercado acionário tem vivido um período de instabilidade, influenciado por dúvidas na economia, principalmente quanto à inflação e aos efeitos das medidas macroprudenciais do governo, assim como pelo cenário internacional, com dúvidas sobre a situação na Grécia e em outros países endividados.

Diante das incertezas, o que fazer para evitar perdas e até alcançar ganhos com a bolsa de valores?

De acordo com a economista Luciana Pazos, CFA (Chartered Financial Analyst) e chefe da divisão de gestão de fortunas da Mirae Assets Securities, “a bolsa de valores está instável e aparentemente desanimadora, mas é adequado que os investidores permaneçam aplicando”.

Dicas para o sucesso
Segundo a analista, é possível tanto começar quanto continuar investindo em ações, “desde que certas regras sejam fielmente respeitadas”.

Para ter sucesso em períodos de incertezas, a economista dá quatro dicas:

Invista com regularidade, mesmo em períodos turbulentos: “Não é fácil identificar em todos os momentos a melhor hora de comprar e vender ações. Por isso, negociar ativos no curto prazo, buscando retorno imediato, amplia os riscos de prejuízo”, alerta. Segundo Luciana, para fugir disso, é importante para o investidor buscar retorno em médio e longo prazo, reduzindo possíveis perdas com as oscilações constantes dos papeis.

Cuidado com fatores da personalidade: Impeça que fatores como o orgulho e o imediatismo impactem de forma negativa nas negociações. “Muitos investidores confiam tanto nas suas próprias previsões que teimam em permanecer com um ativo, mesmo que ele só dê prejuízo”, afirma. “Há ainda aqueles que, para recuperar as perdas, partem para o ‘tudo ou nada’, apostando todas as fichas em um único lance, assumindo riscos altíssimos. Essas são atitudes que podem se traduzir em perdas acumuladas ao longo dos anos”, ressalta.

Tenha planejamento e disciplina: Apesar de parecerem óbvias, essas regras, segundo Luciana, são esquecidas em momentos de turbulência. “É preciso ter em mente que os cenários mudam, mas as diretrizes que personificam um bom investidor permanecem, ou seja, planejamento e disciplina, e saber o retorno que se quer alcançar e os riscos que se está disposto a correr”.

Diversifique: Ter ações de diferentes origens diminui a volatilidade da carteira sem, necessariamente, reduzir o retorno esperado do investimento.

PUBLICIDADE

Pessoa física na bolsa
De acordo com os últimos dados da BM&F Bovespa, a bolsa fechou o semestre com 603.259 investidores pessoas físicas cadastrados, 1,25% a menos do que o número verificado em dezembro de 2010 (610.915 investidores cadastrados).

Usando como base de comparação o mês de maio, quando eram 607.179 investidores, também houve queda (-0,65%). Já na comparação com o mês de junho do ano passado, que registrou 556.044 investidores, o número de pessoas cadastradas na Bovespa aumentou 8,49%.