Bolsa cria programa para incentivar investimento em título público

Uma primeira iniciativa será dar crédito aos agentes de custódia proporcional ao número de investidores conquistados

SÃO PAULO – A Bolsa anunciou nesta sexta-feira (10) a criação de um programa que tem como objetivo popularizar o investimento em títulos públicos da dívida federal por pessoas físicas.

O Tesouro Direto – sistema de negociação, liquidação e custódia de títulos que representam a dívida federal para aquisição direta por pessoas físicas – foi lançado em 2002 e, atualmente, possui mais de 45 mil investidores com saldo em custódia, sendo que detém mais de 210 mil aplicadores cadastrados. 

Agentes de custódia
A primeira iniciativa do programa será um incentivo financeiro aos agentes de custódia, de acordo com a evolução da base de investidores por ele administrada. Ela passará a valer já no primeiro semestre de 2011.

Na prática, a bolsa dará um crédito semestral aos agentes, sendo que o valor total corresponderá a 0,15% sobre o volume total de compras do Tesouro Direto realizadas no semestre.

O crédito total será rateado entre os agentes de custódia de forma proporcional ao número de investidores adicionais com saldo em custódia no Tesouro Direto que cada um desses agentes tenha trazido no semestre.

Tesouro Direto
O Tesouro Direto é um programa que possibilita a aquisição de títulos públicos por pessoas físicas pela internet.

Foi lançado para democratizar o acesso para investimentos em títulos federais, incentivar a formação de poupança de longo prazo e facilitar o acesso às informações sobre a administração e a estrutura da dívida pública federal brasileira.

A compra de títulos do Tesouro Direto pode representar uma alternativa bastante atraente para quem investe em fundos de renda fixa, pois o perfil de risco é muito similar e, em muitos casos, os custos envolvidos podem ser bem menores, o que pode significar retorno melhor para o investidor.