Mais harmonia global

Biden é voz da razão que mercados precisam, diz CEO da BlackRock

"[Os investidores] procuram por uma voz que modere, não uma voz que incite”, disse Larry Fink

Joe Biden
Joe Biden em visita ao Brasil, em 2014 (Foto: Cadu Gomes/ Agência PT)
Aprenda a investir na bolsa

(Bloomberg) — O diretor-presidente da BlackRock, Larry Fink, disse que a vitória de Joe Biden nas eleições presidenciais dos Estados Unidos deve incentivar investidores, que desejam estabilidade e menos tensões geopolíticas.

“Eles procuram por uma voz que modere, não uma voz que incite”, disse Fink no evento Bloomberg New Economy Forum transmitido na quinta-feira em Hong Kong. “O presidente eleito Biden pode ser a voz da razão.”

O S&P 500 subiu 1,2% no primeiro pregão depois que Biden foi declarado vencedor das eleições. Em seu discurso de aceitação, Biden prometeu unir e curar um país devastado pela pandemia de Covid-19 e pela hostilidade partidária.

Aprenda a investir na bolsa

“O mercado é encorajado por ter um líder agora que é mais inclusivo, um líder que provavelmente poderia trazer um pouco mais de harmonia global”, disse Fink, de 68 anos.

A BlackRock, maior gestora de ativos do mundo, administra mais de US$ 7,8 trilhões.

Melhores da Bolsa 2020

Cadastre-se gratuitamente para participar do encontro entre os CEOs das melhores empresas listadas na Bolsa e gestores de grandes fundos, entre os dias 24 e 26 de novembro:

Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.

Enquanto Biden seleciona os principais assessores e define prioridades, Fink disse que o presidente eleito deveria considerar gastos com infraestrutura e banda larga para todas as residências nos EUA. Fink, que às vezes é citado como possível candidato a secretário do Tesouro dos EUA para governos democratas, disse que está “muito feliz na BlackRock e que pretende “ficar em Nova York por enquanto”.

Sobre o debate para mais estímulos fiscais nos EUA, Fink disse que as preocupações com o déficit crescente podem ser deixadas de lado por enquanto, devido à baixa inflação.

“Eu diria que devemos nos preocupar com isso, mas não é um grande problema hoje”, disse Fink. “Precisamos manter o crescimento. À medida que tivermos crescimento, esse déficit, no final das contas, será provavelmente acima de US $ 30 trilhões. Esses déficits terão menos impacto se tivermos uma economia maior e mais ampla.”

PUBLICIDADE

O lado desconhecido das opções: treinamento gratuito do InfoMoney ensina a transformar ativo em fonte recorrente de ganhos – assista!