ações

Após meio século, carta de Warren Buffett ainda tem muito a ensinar

Querendo ajudar seus acionistas, Warren Buffett escreveu uma carta com regras simples, mas que ainda devem ser levadas em consideração

SÃO PAULO – O megainvestidor Warren Buffett não tem o costume de fazer muitas previsões do mercado. No entanto, em um certo mês de julho, o megainvestidor mandou uma carta aos seus acionistas, para ajudá-los a passar um por uma fase difícil no mercado acionário. Os registros foram publicados em matéria do site Market Watch.

“Acho que podemos estar bastante certos de que, nos próximos 10 anos, haverá alguns anos onde o mercado no geral estará 20% ou 25% positivo, outros onde ele estará negativo na mesma ordem, e uma maioria onde ele estará no meio-termo. Não tenho ideia sobre a sequência em que isso deve acontecer, e nem acho que isso terá uma grande importância aos investidores em longo prazo”, escreveu Buffett.

Esta carta não tem recebido grande atenção ultimamente, mas o motivo é justificável: ela é datada de 6 de julho de 1962. Mas mesmo meio século depois, o conselho de Buffett para ignorar as oscilações de curto prazo ainda ressoa no mercado e parece fazer muito sentido.

No entanto, se  muitos investidores têm dificuldade de pensar nos próximos 10 dias, quem dirá nos 10 anos seguintes. É claro que hoje a situação é outra e alguns medos são justificáveis. Ter uma boa rentabilidade é algo primordial, mas o medo de perder tudo em um único lance acaba deixando muitos paralisados.

Em 1962, os investidores também tinham justificativas palpáveis para sentirem tanto medo. A Guerra fria entre os EUA e União Soviética causou muito medo e incerteza e o  índice Dow Jones viu seus ganhos do ano anterior virarem pó em apenas seis meses, com uma perda de 23%.

Lições antigas, conselhos atuais
Mesmo diante das turbulências enfrentadas, Buffett se manteve calmo e não saiu do posto que defendia. De acordo com ele, não era necessário dar tanta importância para resultados entre 6 meses e 1 ano. “O desempenho dos investimentos deve ser analisado por um certo período de tempo,  tanto quando o mercado avança quanto quando ele recua”, afirmou ele, também em 1962, aos seus investidores.

Tanto essa carta como outras escritas entre os anos 50 e 60 podem ensinar muito aos investidores que enfrentam esta crise atua. “As cartas trazem  lições de temperamento e valor; são uma máquina de aprendizado aos investidores”, afirma Jeff Auxier, que incluiu em seu fundo ações da Berkshire, empresa de Buffett.

Aos 82 anos, ainda podemos ver Buffett manter a calma e sustentar seu discurso de que os investidores devem manter o foco nos resultados e mudanças em um prazo mais longo. O que alguns precisam entender é que Buffett nunca usou sua estratégia de buy and hold de uma maneira passiva. A sua estratégia é comprar quando o preço estiver menor, manter e monitorar.