Em onde-investir / acoes

Ação da Petrobras é a queridinha dos analistas em abril, mesmo com alta de 25% no ano

Liderado por estatais, ranking de recomendações também conta com papéis como Rumo, Suzano, Braskem e Pão de Açúcar

petrobras ações
(Shutterstock)

SÃO PAULO - A valorização de 24,74% das ações preferenciais neste ano, ante a alta de "apenas" 8,53% do Ibovespa, não mudou as premissas positivas para o desempenho da Petrobras (PETR4) em abril. A julgar pela preferência nas recomendações de analistas para o mês de abril, o papel continua com preço atrativo de compra.

Levantamento feito pelo InfoMoney com 12 carteiras de ações mostra que nada menos que 11 corretoras recomendam compra dos papéis da estatal.

Dentre as justificativas, as equipes de análise apontam alguns triggers no curto prazo, como a continuidade da venda de ativos onshore (produção e serviços realizados em terra) e expectativas com relação à cessão onerosa, bem como os planos da companhia para reduzir a desalavancagem financeira.

O segundo lugar no ranking também é ocupado por uma estatal, porém do setor bancário: Banco do Brasil (BBAS3). Diferentemente de Petrobras, no ano, as ações sobem 6,38%, pouco abaixo do Ibovespa.

A recomendação de compra é sustentada pela expectativa de crescimento das concessões de crédito nos próximos trimestres, inadimplência sob controle e despesas operacionais comportadas, dentre outros fatores.

Ainda na lista dos papéis mais recomendados para abril, destaque para empresas voltadas à economia doméstica, como Pão de Açúcar (PCAR4), e para papéis com viés de proteção, caso de Suzano (SUZB3),

Confira abaixo as ações mais recomendadas pelos analistas para abril e as principais justificativas para as escolhas. Para investir nelas com taxa zero de corretagem, clique aqui e abra uma conta gratuita na Clear

Empresa Ticker Número de recomendações*
Petrobras PETR4 11
Banco do Brasil BBAS3 7
Rumo RAIL3 5
Suzano SUZB3 5
Braskem BRKM5 4
Pão de Açúcar PCAR4 4
* Recomendações compiladas das carteiras de ações da XP Investimentos, Rico Investimentos, BB Investimentos, Santander Corretora, Guide, Coinvalores, Necton, BTG Pactual, Bradesco, Genial Investimentos, Terra Investimentos e Elite Investimentos.

 

Petrobras (PETR4)

De acordo com os analistas, a desalavancagem em andamento, a sólida geração de fluxo de caixa, bem como a expectativa de venda dos barris relacionados à cessão onerosa são bons triggers para a empresa. Além disso, as prioridades do novo CEO da Petrobras, Roberto Castello Branco, de priorizar a gestão de portfólio, reduzir o custo de capital, buscar a eficiência dos custos, a meritocracia, a segurança do trabalho e a conservação do meio ambiente foram vistas como positivas pelo mercado.

Banco do Brasil (BBAS3)

Os analistas estão otimistas com o setor bancário brasileiro e Banco do Brasil deve se beneficiar da aprovação da reforma da Previdência e da retomada econômica, aumentando sua oferta de crédito no segmento de varejo. Esse maior otimismo econômico também deve acarretar em aumento de empréstimos, níveis de inadimplência comportados, spreads saudáveis e despesas operacionais crescendo abaixo da inflação nos próximos anos.

Rumo (RAIL3)

Dentre as justificativas para a recomendação do papel, os analistas citam o nível de preços atrativo, o aumento dos custos logísticos e a consequente geração de receitas para a empresa, assim como a potencial aprovação da renovação da Malha Paulista no primeiro semestre de 2019 pelo Tribunal de Contas da União (TCU).

Suzano (SUZB3)

Suzano é vista como uma ação defensiva, negociando a múltiplos atrativos e em meio a um processo de fusão (com a Fibria) que deve destravar um valor significativo. Os analistas também destacam o papel como uma boa opção para garantir um hedge (proteção) natural ao portfólio em eventuais momentos de alta do dólar.

Braskem (BRKM5)

Apesar de ter apresentado fracos resultados no quarto trimestre de 2018, os analistas acreditam na recuperação da companhia já neste primeiro semestre, impulsionada pelos custos menores de matéria-prima no período. Os times de análise também estão otimistas com a potencial conclusão do acordo com a Lyondell, que já sinalizou intenção de adquirir a Braskem.

Pão de Açúcar (PCAR4)

O segmento do multivarejo, formado por hipermercados, supermercados e lojas de conveniência, tem mostrado melhorias significativas nos últimos semestres. Segundo os analistas, o desempenho revela que o negócio está sendo mais bem administrado - o que dá confiança para uma recuperação das vendas no curto prazo. Com a retomada econômica e do consumo, a expectativa é que o crescimento das vendas permaneça robusto.

Seja sócio das melhores empresas da Bolsa: abra uma conta na Clear com taxa ZERO para corretagem de ações!

 

Contato