EXPERIMENTE!

Clique e experimente a
versão rápida do

Em onde-investir / acoes

As 13 ações preferidas dos analistas para agosto

Para este mês, a preferida é Vale (VALE3), que teve 11 recomendações

Analistas
(Shutterstock)

SÃO PAULO - Todo começo de mês, corretoras de investimentos e instituições financeiras elaboram uma seleção com as ações que acreditam ser de qualidade e com potencial de apresentarem boas rentabilidades no período. 

Para este mês de agosto, a favorita é Vale (VALE3), mineradora multinacional brasileira e uma das maiores operadoras de logística do país, que foi recomendada por 11 das 18 carteiras de investimentos analisadas pelo InfoMoney. Abaixo, compilamos as 13 ações mais indicadas pelos analisas, juntamente com aquelas que receberam três recomendações e mostram o apetite dos analistas para outros segmentos, como o do varejo. Acompanham também as justificativas para a escolha de cada uma delas. Confira: 

carteiras
*Dados obtidos com base nas carteiras recomendadas da XP Investimentos, Rico, BB Investimentos, Santander Corretora, Ativa, Bradesco, Genial Investimentos, Walpires, Quantitas, Elite, Magliano, Nova Futura, Guide, Socopa, Coinvalores, Spinelli ,BTG Pactual e Carteira InfoMoney. 

Vale (VALE3)
A companhia, considerada uma das maiores do mundo no setor, possui foco em cinco negócios principais: minério de ferro, níquel, cobre, carvão e fertilizantes. De acordo com a Rico, a visão positiva na companhia deve-se: i) à consistência na entrega de resultados nos últimos trimestres; ii) por acreditarem que o preço do minério de ferro não vai recuar drasticamente e que iii) a elevada qualidade do seu minério de ferro proporcionará maiores margens e rentabilidade elevada. Ainda de acordo com os analistas, é esperado um cenário positivo para os fundamentos da empresa no médio/longo prazo.  

B3 (B3SA3)
As recomendações de compra baseiam-se na diversificação de receitas e barreiras de entradas a novos entrantes no mercado de bolsas, que representam vantagens competitivas de longo prazo; ao momento positivo para os resultados e ao processo desalavancagem pós-fusão, que os analistas veem que resultará em um crescente pagamento de dividendos a partir de 2019. "Em nossa visão, a B3 será uma das maiores beneficiadas pela retomada da economia e com o consequente desenvolvimento do mercado de capitais do país", escreve a XP Investimentos. 

Itaú (ITUB4)
Para os analistas, o Itaú continua sendo a empresa melhor posicionada dentro do setor bancário brasileiro para aproveitar-se da recuperação da concessões de crédito e normalização do nível de provisões nos próximos trimestres. Além disso, o banco conta com um mix de geração de caixa defensivo, em que um terço do resultado consolidado vem de novas concessões, enquanto o restante vem de tesouraria, seguros, previdência, cartões etc. 

Petrobras (PETR4)
A opção por incluir Petrobras no portfólio deve-se ao fato de que a empresa deve adquirir exposição a uma melhora de sentimento com maior visibilidade no cenário para as eleições. A continuidade efetiva da política de preços de combustíveis no curto prazo mediante o pagamento de subsídios também é visto como positivo. 

Suzano (SUZB3)
"Com maior disciplina de gastos e aumento de eficiência, a Suzano tem conseguido reduzir seu custo e caixa de produção, algo que se reflete em uma forte geração de caixa operacional, acelerando sua desalavancagem financeira", escrevem os analistas da Guide Investimentos. E concluem: "Continuamos otimistas com a evolução operacional da Suzano e aumento de competitividade estrutural". 

Gerdau (GGBR4)
A Gerdau produz e comercializa produtos de aço em geral através de usinas localizadas em diversos países. A companhia é líder no segmento de aços longos nas Américas e é uma das principais fornecedoras de aços especiais do mundo para o setor automotivo. A recomendação baseia-se em linhas gerais, no fato de que grande parte da receita e geração de caixa de Gerdau advém do mercado externo, que deve se beneficiar com a valorização do dólar. 

Rumo (RAIL3)
A empresa resultante da fusão entre Rumo e ALL é a maior operadora logística com base ferroviária independente da América Latina, oferecendo serviços de logística com operações de transporte intermodal, carregamento e entrega loca, terminal portuário e serviços de armazenagem. Dentre os fundamentos que sustentam a recomendação de compra estão: i) expectativa de crescimento na produção de soja e milho; ii) expansão de sua participação no Porto de Santos e ii) perspectivas de um empréstimo de até R$ 3,5 bilhões do BNDES.

Banco do Brasil (BBAS3)
Com relação à presença dos papéis BBAS3 no portfólio, a equipe de análise da XP escreve: "Vemos a atual gestão comprometida com um aumento gradual na rentabilidade, índices de capital sólidos e dividendos acelerando". 

Via Varejo (VVAR11)
A Via Varejo é a maior varejista de eletroeletrônicos e móveis do Brasil, com um portfólio composto pelas marcas Ponto Frio, Casas Bahia, Barateiro.com, Extra.com.br e Ehub.com.br. A empresa também continua com uma estratégia de otimização de sua plataforma de marketplace. 

De acordo com a Rico, o crescimento do e-commerce e a retomada econômica gradual devem estimular o gasto em consumo. Além disso, os analistas escrevem que a forte alavancagem operacional somada à redução do consumo e à elevação do consumo trouxeram ganhos de eficiência e "deverão elevar as margens da companhia". 

Quer investir em ações pagando só R$ 0,80 de corretagem? Abra uma conta na Clear

Contato